quinta-feira, 20 de maio de 2010

A imprensa e o Benfica, coisas de um Benfiquista doente

A Catarina goza as capas dos jornais do Benfica e clama mais atenções para o clube dela. Eu quero menos para o meu.
É-me mais preocupante que o Benfica tenha uma direcção e uma equipa de futebol competentes do que o tratamento da imprensa ao meu clube. Mas numa sociedade global, mediatizada, é óbvio que é importante olhar para o que se escreve e para o que se diz, já que a história, muitas vezes, é reescrita.
O Benfica vende. Muito e mais que azuis e verdes juntos. Isto é capaz de ser chato de aturar, mas é verdade. Porque significa que a marca Benfica vende mais. Porque significa que o Benfica é maior. É uma chatice, mas é verdade: o Benfica não tem direito a mais capas de jornal porque é favorecido, mas porque essas capas fazem vender mais jornais. E essas capas vendem mais jornais porque o Benfica é maior.  E é difícil de engolir para os rivais porque obriga a dizer alto uma verdade que todos os dias agoniza os anti - Benfiquista.
Um parêntesis: o Benfica está em guerra aberta com o fêcêpê. E eu quero ganhar essa guerra. E isso implica uma atenção ao que se escreve e se diz sobre nós. Daí que odeie o Vieira e que acho que a Benfica TV teve os dois maiores tiros no pé de sempre com a notícia do adepto que afinal não morreu e com o pedido de "pegar nas armas".
Quero que o Benfica não se deixe comer pela imprensa. Quero que a mensagem seja uma e só uma, não quero fugas de informação (como é possível Antero Henriques saber que Ramires jogaria o Benfica - porto da primeira volta?!), quero uma defesa intransigente de todos os ataques que são feitos - diariamente - ao Benfica. O que é muito diferente dos erros supracitados.


É-me, enquanto Benfiquista, impossível ver qualquer programa estilo "Trio de Ataque". Invariavelmente, o tipo do SLB é o mais fraco. Já viram algum adepto adversário insultar o Seara? E quantos Benfiquistas insultam o Pôncio? Se os tipos da "Tertúlia Benfiquista" são excessivos (recurso abusivo do insulto), não há Benfiquistas mais...Benfiquistas do que António Pedro Vasconcelos, Cervan e Seara? Em programas como este, com 2 contra 1, em que o tipo dos verdes se ri doentiamente dos ataques do azul, porque é que a imprensa, a tal que supostamente é toda dominada pelo Benfica escolhe bananas contra cães de fila? Porque é que a imprensa "vermelha" escreve sempre "a sua habitual ironia" sobre um frequentador de bordeis? Para que se escude, debaixo da corrupção institucionalizada, um suposto nível intelectual e de comportamento cavalheiresco? Pouco esperta, a imprensa "vermelha"...
Não quero que o Benfica invente mortos para incendiar as coisas. Quero que as mentiras sejam desmentidas, quero que se ataquem os inimigos protegidos.


Quero um clube, de facto, mais fechado. Um clube fechado é diferente de um clube com fronteiras. Não quero um Benfica "à porto", porque o Benfica não é o porto (felizmente). Mas, ainda assim, mais alerta. Um clube que combata cada mentira dos rivais (a "liga dos túneis" à cabeça, a proximidade do Lucílio Baptista a seguir e, ainda mais acima, uma suposta ligação ao fascismo). O Benfica tem de ser mais profissional, tem de ser mais sério, com mais democracia e com mais massa crítica (Vieira faz-nos ficar a dever mais 40 milhões e isso é comemorado. E se nos rivais a lista única tem 98%, nas presidenciais Benfiquistas Vieira também teve preocupantes 90 e tal% dos votos).
A Benfica TV tem de continuar, mas rodeada de profissionais, de gente séria, que defenda o Benfica com toda a certeza, mas com toda a credibilidade do mundo. Estou farto que se sugira que Salema Garção é homossexual. Quero é alguém que meta vídeos do Lucílio a roubar-nos (é compilar a carreira e tirar a final da Taça da Liga, portanto) e que mostre a estatística dos jogos do Jorge Sousa a arbitrar-nos.
Estou farto das capas d`"A Bola", o jornal mais feliz do mundo. Estou farto que tudo se saiba, que os nossos jogadores valham todos milhões e milhões. É tão propagandista que enjoa.
 É óbvio que o Benfica nunca vai deixar de ter uma capa quando ganha um troféu. Isso era sinal que não vendia, que não era o maior clube de Portugal. Mas podíamos ter - de facto quero isso - os jogadores mais controlados, podíamos não ter anúncios falsos de compras e vendas para destabilizar.
A Catarina gosta de dizer que quero um Benfica à porto. Não é isso. O que se passa é que eu tenho consciência que todos estão contra Benfica (todos, sem excepção) e que para vencer isso é preciso ser muito, mas muito melhor. Daí esta minha obsessão. Apesar do discurso de PdC, como se Lisboa pudesse invadir o Porto, não há treinadores do Nacional e do Braga a atacarem o clube de Carlos Calheiros. O presidente dos verdes pediu às mães do clube de Cazais Ribeiro para terem filhos do sporting...se os pais fossem do Benfica. Nem uma palavra para os papás azuis. Já connosco, até jogadores de futsal se declaram anti - Benfiquistas assumidos. Este ano, como em 2005, foi notório: todos contra o Benfica. E por isso, e contra isso, é que eu quero um Benfica mais fechado, menos espalhafatoso. Quero um Benfica obcecado em vencer.

1 comentário: