sábado, 25 de setembro de 2010

Carta aberta ao Ricardo Araújo Pereira

Como todos os bons textos em que vamos cair em cima de alguém sem dó nem piedade, devo começar por dizer ao Ricardo Araújo Pereira que eu era uma grande fã do Perfeito Anormal, que lançou os Gato Fedorento para uma ascensão meteórica, que, até ver, terminou naqueles anúncios ridículos da Meo.

Considero-o um grande humorista, porque acima de tudo é inteligente e tem uma grande noção da actualidade – o que, diga-se de passagem, é uma obrigação na sua profissão. Feitos os elogios, vamos ao que realmente interessa.

Os adeptos fanáticos são sempre de saudar. Eu vivo com um que é do seu clube, por isso já está a ver até que ponto vai a minha tolerância com pessoas que são tão doentes como eu com isto do futebol. E o seu fanatismo nunca me fez qualquer tipo de confusão. Consigo rir-me com a palhaçada dos “quinje a zero” (excelente caricatura do adepto lampião, aliás) e até o fui defendendo quando decidiu, em pleno horário nobre do serviço público de televisão, dedicar um programa a enxovalhar o meu presidente com piadas do mais baixo nível que este país já viu (e sabe como isto é difícil…).

O problema é que eu não consigo perceber o que é que o Futebol Clube do Porto em geral e o Pinto da Costa em particular lhe fizeram de tão mal na vida para merecerem tanto a sua atenção nas crónicas semanais na Bola, o jornal perfeito para explanar os seus vastos conhecimentos de futebol.

Isto é, eu percebo que, tendo o Ricardo nascido em 1974 (apesar de você ser um dos 100 “grandes portugueses”, 75 lugares atrás de Salazar, não sei a sua data de nascimento, pelo que espero que a wikipédia esteja certa), tenha sido complicado assistir à transformação do futebol português. Certamente a sua família lhe transmitiu que o benfica era uma coisa que o Ricardo pouco conseguiu ver.

O que foi vendo foi aquele clubezito de uma cidade algures a 300 quilómetros da sua a ganhar coisas que o Ricardo nunca presenciou. Sabe, eu só tenho 23 anos e estive em Sevilha e em Gelsenkirchen, pelo que sou uma pessoa muito feliz.

Ainda assim, parece-me que anda a exagerar nas suas crónicas. E eu estudei jornalismo como você (embora não tenha sido na Católica, porque eu sou uma agnóstica convicta), por isso sei bem que nas crónicas se podem escrever as maiores alarvidades. A de hoje, por exemplo, mostra bem como o FCP lhe anda a tirar muitas horas de sono que devia usar para pensar melhor naquelas piadas giríssimas dos anúncios da Meo.

Não vou estar aqui a analisar linha a linha o que escreveu, mas queria relembrar-lhe, por exemplo, que depois de Alex Ferguson ter mandado aquela piada mal interpretada dos títulos do Porto serem comprados no supermercado (o que ele queria dizer é que eram demasiado fáceis. E são) levou um banho de bola no Dragão, ao qual se seguiram muitos outros até à vitória na Liga dos Campeões. Mas não sei se os terá visto, porque naquela época não havia benfica tv.

A sua piadola sobre o seleccionador do Brasil ter seguido “instruções” do seu homónimo (e, decerto, amigo) Ricardo Costa (já agora, aprecio que o trate por doutor, é bonito termos respeito por aqueles que nos ajudam) para não convocar o Hulk, mas só o David Luiz, também é de grande gabarito. Aliás, basta ligar a televisão (até a benfica tv) para ver como entre um e outro não há dúvida de quem está em melhor forma. E as estatísticas dizem que desde que o tal Givanildo voltou do castigo “exemplar” o Porto ganhou todos os jogos. O David Luiz ganhou agora dois seguidos, não foi? Reforço: os seus vastos conhecimentos de futebol deixam-me assoberbada.

A maneira como consegue ligar a derrota do braga à goleada que o Porto sofreu em Londres e como ainda tem tempo para gozar os erros linguísticos de André Villas Boas (aliás, nisto dos erros, você está à vontade para falar porque o seu treinador é um grande exemplo) são caracteres a mais para quem apenas e só desejava escrever que odeia o Porto com tanta força como ama o benfica.

Por mim, está à vontade. Eu sou toda apologista do ódio ao adversário e do anti-fair-play. Só quero é que a minha equipa ganhe, tal como o Ricardo. Mas garanto-lhe que não passo tanto tempo como você a pensar nisso. Sou mais de ir à bola, apoiar a minha equipa, ganhar, dormir em paz. Mas eu, enfim, sou uma mera adepta que sabe o nome do seu clube aquando da sua fundação.

3 comentários:

  1. epa, este tinha de comentar...
    neste post destilaste tanto odio pelo RAP...
    e fica a saber que o ano passado sem o Hulk apenas perdeste 2 pontos, por isso a tese do Hulk cai por terra...

    ResponderEliminar
  2. e alem disso, perdeste na luz com o hulk, levaste 5 do Arsenal com o hulk,...hum...tese mesmo caida por terra!

    ResponderEliminar
  3. Ganhei os jogos todos desde que ele voltou. São pontos de vista. Mas o David Luiz, esse, está imparável!

    ResponderEliminar