domingo, 26 de setembro de 2010

Manifesto pela felicidade Benfiquista

Sinto o Benfica a jogar em esforço. O problema deve ser meu que sou um pessimista terrível. Mas é o feeling, é o que transparece dos jogos que me lixa. O ano passado a equipa entrava em campo de cabeça levantada, com uma fome de golos que metia medo. Metíamos medo. Este ano tudo é em esforço, tudo parece difícil.
Ando tão chateado com o que se passa este ano que nem escrevi depois de ganharmos o derby. Enerva-me que Cardozo só corra o que correu contra os verdes porque foi assobiado. Chateia-me que o César Peixoto faça o futebol parecer mais difícil do que um árbitro marcar um penalty contra o fóculporto.
David Luiz joga como se estivesse a fazer um frete e Saviola parece triste. Dá-me dó ver Maxi Pereira não ter pernas.
Toda a gente me diz que "já se vê qualquer coisa". Eu não vejo nada. Foram duas vitórias que o ano passado seriam dissecadas pela imprensa como sinais de que o Benfica não tinha pernas e que estava a cair.
Às vezes pergunto-me se sou só eu que sou assim tão pessimista e vejo tudo torto, mas a equipa entra em campo triste. E sinto que isso é sinal que mais tarde ou mais cedo vamos tropeçar (o ano passado havia a sensação de invencibilidade, de querer comer o mundo).
Chateia-me esta coisa da "psicologia", mas pelos vistos a coisa tem de fazer algum sentido. E o Benfica triste corrói-me. Não consigo ler jornais, não consigo ver programas de televisão e só ligo a TV mesmo à hora do jogo. Ganhámos dois zero aos verdes e soube-me a zero, ganhámos um jogo num campo difícil e fiquei lixado de como foi escusadamente sofrido.
Quero a folia, quero a paixão, quero sorrir como sorria o ano passado quando goleávamos. Quero ser feliz.
Quero chegar a casa e ver os desportivos na net, quero que me apeteça ler os blogs do Benfica em fase maníaca e rir-me dos outros, depressivos, tristes, com as camisolas meio desbotadas de tão intenso ser o nosso vermelho. Quero ligar ao meu pai 8 vezes por dia a falar do Benfica em vez da miserável média de 5 que andamos a fazer esta época. Quero que a equipa jogue com a vontade do Coentrão ontem, não quero sofrer tanto com esta merda, quero ganhar, ganhar, ganhar. *Quero ser feliz, porra! Quero ser feliz agora!


* José Mário Branco, FMI

3 comentários:

  1. Lindo. Quanto a mim, só sei que estou à rasca de uma costela...

    - Um Antropólogo em Marte

    ResponderEliminar
  2. Calma M....quatro anos passam rápido.

    ResponderEliminar