domingo, 28 de novembro de 2010

Caça ao Porto

A expressão de André Villas-Boas peca por defeito. Ontem não houve uma caça ao homem a Moutinho. A época é de caça, sim, mas é ao Porto. Vale tudo para tentar que chegue finalmente a tão desejada primeira derrota.

Vale, por exemplo, modificar o significado das palavras que constam no dicionário.

Daniel Carriço: "Mostrámos que o FCP não é imbatível".

imbatível = que não se consegue bater ou derrotar.


Vale também acreditar que o resultado foi outro.



Vale esperar que uma vitória ao Porto possa valer 13 pontos.

Flash interview da Sporttv: “Com este resultado, o sportem está relançado na luta pelo título?”

Valem golos em fora-de-jogo.

Paulo Sérgio: “O Jorge Sousa não merece que lhe faça qualquer reparo”

Vale tudo mesmo.



É verdade que o sportem entrou bem no jogo (após o Falcao ter falhado um golo isolado) e que dominou a primeira parte, com a ajuda da célebre táctica leonina de parar a bola e esperar pela corrente de ar para cair e umas pitadas de táctica boavisteira de usar a “agressividade” para dar umas belas porradas.

Na segunda parte, o Porto entrou por cima e ia lançado para mais uma vitória quando Liedson fez aquilo que mais sabe fazer: esperar, esperar, esperar pelo contacto e arrancar uma expulsão. A partir daí, e mesmo com mais um, não vi nenhuma equipa a dominar a outra. Parece que toda a gente estava satisfeita com o empate.

O que é engraçado nisto tudo é que eu ainda sou uma nostálgica, agarrada a um passado já distante, em que o sportem era um dos grandes. Era suposto, portanto, eu sair contente de alvalade, porque empatei com um concorrente directo em casa dele e porque continuo a 13 (treze!!!) pontos de distância dele. Mas não, saí chateada porque eles não valem nada e se não fosse o árbitro a história tinha sido outra.

Já eles saíram sob os aplausos do público, falaram aos jornalistas com sorrisos e afirmaram categoricamente que provaram como a equipa está bem. Estão cada vez mais parecidos com aquelas equipas de meio da tabela de quem se fala duas ou três vezes por época, quando conseguem arrancar um empate a um grande e ficam todos contentes.

Quanto ao árbitro, não tenho mais a dizer, a não ser que me irrita que ande toda a gente preocupada com Porto e benfica quando estes gajos são claramente os mais beneficiados esta época.



Portistas, continuem atentos porque a caça ao Porto é para continuar. Vai ser assim semana após semana, tentando que pelo menos um deles se aproxime de nós. Nada está ganho.

Últimas palavras para João Moutinho, que ontem provou ser muito superior àquele clube. Fartou-se de levar porrada, fez ouvidos moucos aos histéricos lagartos que mais uma vez formaram um jogador que tanto jeito nos dá e foi decisivo na jogada do golo. Nem quero imaginar como deve estar feliz por finalmente estar num clube que lidera a tabela, que tem a melhor equipa de longe, que joga sem precisar do árbitro. Rapaz, como diz a canção, este ano é para ganhar. Ser campeão. Ser campeão.

Sem comentários:

Enviar um comentário