quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

2010

Em 2010 fomos Campeões. A jogar lindamente, a meter medo quando entrávamos em campo. Parece que foi há mil anos, mas foi ainda neste. A maneira como Saviola se mexia entre o lateral e o central e no espaço entre o trinco e os centrais era divina. Aimar parecia que tinha 20 anos, Di Maria finalmente crescera e à direita estava um rapaz de selecção brasileira. Tudo ia bem.

Não consigo engolir que no final de 2010 não continuemos em primeiro. Não consigo perceber como é que uma equipa que ganha 24 jogos em 30 de repente desaparece e  foram tantos os erros de gestão em tão pouco tempo que até me custa escrever isto.

Foram aqueles 3 secos na final da Taça da Liga depois de jogarmos à Benfica em Marselha.
Os 4 ao Leixões, com um mal anulado pelo Lucílio, num daqueles jogos em que antes encostávamos sempre.
O Aimar a sentar o Rui Patrício, a bola adiantada e ele acelera a passada e mete-a por cima do Grimi.
O sofrimento estúpido do jogo com a Naval e em Coimbra.
A alegria da Luz. Ser Campeão.

E de repente, 3 jogos perdidos em 4. E aquilo no Dragão. Exibições patéticas na Champions.
A equipa sem alegria, a fazer-nos um favor por estar em palco. Já não há sorrisos, já não há garra, já não puxam por nós ao ponto de puxarmos mais por eles (o golo do Javi à Naval).
Tudo são sombras de um 2010 que me parece ter sido noutra vida. O problema é meu, que de tanto sofrer nem consigo gozar como deve ser as vitórias.
2010 parece-me ter sido noutra vida. E em Maio de 2010 eu fui tão, mas tão feliz.

Bom 2011, Benfica. Por favor, faz o milagre de ainda voltares a ser Campeão.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

O próximo é para si, Pôncio

O "Jogo Falado" era uma espécie de tradição lá em casa. Não que precisássemos de ajuda para analisar qualquer lance, não que escutássemos com muita atenção o que os outros tinham para dizer. Gostávamos era de o ouvir a ele.

Sempre com uma resposta na ponta da língua, com o olhar mais isento e imparcial dos comentadores desportivos... e aquele seu arquivo.

Que saudades vou ter do seu arquivo. Qualquer engano de um árbitro a favor do Porto era contraposto por 5 ou 6 que o mesmo árbitro tinha feito contra o FCP ou a favor dos outros. Ou então falava noutro árbitro. Ou então falava de outra coisa qualquer.

Quando era miúda só pensava que adorava ter aquela mala dele, onde supostamente ia "ao arquivo". Hoje acredito que aqueles papéis não diziam nada e que estava tudo na cabeça dele, sempre pronto a defender as nossas cores.



Não tenho grande jeito para clichés, pelo que a única coisa que lhe quero dizer é que espero que a sua homenagem chegue já no final deste campeonato. Pelo seu portismo, pelo seu tripeirismo, pela sua raça, pelo seu humor... o próximo é para si, Pôncio.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Dois anos é muito tempo

Manuel Fernandes diz que daqui a dois anos vai ponderar se continua no futebol. Tenho pena, porque dois anos parecem-me uma eternidade de equipas a jogarem mau futebol e a darem paulada à grande. Mas vamos mesmo ter de o aturar.

E por que razão disse o treinador do setúbal isto? Porque o jogo no Dragão foi um escândalo, um roubo de igreja, uma coisa nunca antes vista! Em Portugal é assim: quando um árbitro não prejudica o FCP, é notícia.

É evidente que o resultado foi influenciado pelo árbitro. Nenhum dos penalties devia ter sido assinalado e, como o Porto acertou e o setúbal não, teve influência. Não percebo a gritaria com a repetição do penalty. Quer dizer, percebo o desespero, mas regras ainda são regras.

O que me fez confusão é como só agora perceberam que Elmano Santos é dos piores árbitros do mundo. Só podem ser pessoas que não viram um já longínquo leiria-Porto decisivo para nos “arrancar” um campeonato.

Eu, ao contrário do açoriano Carlos César (uma pitadinha de actualidade nunca fez mal a ninguém), não sou muito adepta das compensações, mas a verdade é que, olhando para os números, Elmano Santos, um indefectível lagarto, compensou a roubalheira de alvalade.

E é aqui que quero criticar um pouco o meu clube. O facto de não terem vindo a público treinador, presidente, jogadores, roupeiros, apanha-bolas, tudo e todos, denunciar que o árbitro prejudicou claramente o FCP contra o sportem com influência no resultado deixa-nos frágeis aos ataques que se vão suceder esta semana. Irrita-me esta mania de ter pena dos lagartos, como se essa gente merecesse. Fomos roubados em casa de um rival e não nos devíamos calar nunca!

Adiante, e por falar em críticas, não percebo muito bem a ideia de colocar em Viena a equipa titular, num campo propenso a lesões (Fernando e Varela…), que exigia um esforço fora do normal, o que naturalmente se veio a reflectir. Eu quero ganhar a “AeroLigue”, é um facto, mas já estava no papo André.

Por último, queria lembrar que Moretto já foi do benfica e que se um guarda-redes ex-FCP tivesse mamado um frango daqueles íamos ter de ouvir falar disto durante muito tempo. E, já agora, que pena Elmano Santos não ter estado na luz para apitar um penalty dos verdadeiros.