segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

As bancadas que se calem

André Villas Boas deu um bom recado no final do jogo com o marítimo. Apesar da "intranquilidade das bancadas", a equipa jogou bem, marcou golos e calou a "crítica fácil", que, de repente, se esqueceu de contar até oito.

É realmente importante que os adeptos do FCP deixem de ouvir os Ruis Santos e Goberns deste país. Nem que para isso tenham de desligar todas as televisões, de ler os jornais, de ouvir as rádios.

Como é possível deixarem-se levar por estes especialistas em opinar? Não sei. Sinceramente não faço ideia como é possível começarem a questionar a sua própria equipa, até a assobiar, porque ouviram aqueles senhores dizer que o benfica é que está melhor. Não se sentem idiotas? As pipocas que comem com tanto agrado terão algum produto estupidificante?

Por mim, era arranjar umas fotografias destes gajos e distribuí-las à porta do Dragão. Quem, por algum momento, colocasse em causa esta equipa por uma opinião minimamente parecida com os senhores que já referi, não entrava. As bancadas ficariam mais vazias, é certo, mas, se é para ser assim, então as bancadas que se calem.

2 comentários:

  1. boa noite!

    já sigo este blogue há algum tempo, mas só hoje resolvi publicar um comentário porque, no meu estaminé também mandei um bitaite que vai no sentido deste. é fantástico perceber como uma larga maioria dos adeptos portistas se insurge contra os novels "assobiadores".
    esta moda recente no Dragão recorda-me esse soberbo escrito destinado aos "pipoqueiros".

    ps: porque adorei aquele escrito, de tão preciso, conciso e incisivo que é, não resisti a publicá-lo no meu estaminé, com a respectiva ressalva para a autora do dito. espero que não tenha levado a mal ;)

    saudações desportivas mas sempre pentacampeãs!

    Tomo I

    ResponderEliminar
  2. entao nunca mais escrevem nada???

    ResponderEliminar