segunda-feira, 4 de abril de 2011

O último a sair apaga a luz

Adoro ser do Porto. Este texto - pleno de responsabilidade porque certamente(!) entrará para a história - tinha de começar assim. É mesmo maravilhoso ser do Porto. Foi isso que senti mal ouvi o último apito do jogo: que o Porto, contra tudo e contra todos, é mesmo o melhor.

O FCP esteve sempre na frente deste campeonato, sempre seguro, sempre a marcar mais e a sofrer menos, quase sempre a jogar melhor do que os outros todos. No entanto, o Mal uniu-se com a conversa do costume. Ah e tal porque foram os árbitros. Tumba: 5-0 no Dragão. Ah e tal porque o benfica é que joga melhor. Embrulha: dominados na luz.

O jogo de ontem não era o jogo do título. A 13 pontos do primeiro, os visitados apenas queriam salvar a honra, lutar até a morte pelos três pontos, nas palavras deles. E, perante o que vi ali, parece-me que o que lhes está a custar mais é mesmo isso: falhou-se a honra, o orgulho, as únicas coisas que lhes restavam.



E falhou-lhes também a superioridade moral. Primeiro, cá fora. As imagens dos confrontos com adeptos vermelhos (o Correio da Manhã chama-lhes “presumivelmente afectos ao benfica”, porque com a proibição de adereços do FCP nunca se poderá saber ao certo…) atingiram em cheio os moralistas. Não gostei de ver aquilo, como é óbvio, até porque sei de fonte segura quem foram os habituais provocadores do costume, mas é giro ouvir os fóruns de hoje com lampiões raivosos contra as suas próprias claques. Porque eles são todos muito sérios, não fazem mal a ninguém.

Mais giro ainda foi estar à beira do senhor polícia que disse a célebre frase “sabemos que a claque que vem do Norte é pródiga na utilização de bolas de golfe” enquanto chegavam precisamente esses objectos do céu, mesmo à entrada do estádio que nem entrada para os visitantes tem. Já escrevi várias vezes sobre a vergonha que é a (des)organização dos clássicos na luz, com três filas de stewards para os visitantes serem revistados, aquela entrada de lampiões e visitantes à vez e outras coisas assim, mas parece que me conseguem sempre surpreender.

Desta vez, depois de uma hora esmagada numa fila que parecia não querer andar para adiar a entrada dos campeões, fui apalpada por todo o lado, tive de me descalçar, mas… preparem-se… nem me viram o bilhete!!! Portanto, imaginem não sei quantos stewards, mais não sei quantos polícias, uma confusão estúpida, e a Catarina a passar por todos com ar de parva porque podia não ter gasto aqueles 22 euros. Enfim, sejam bem-vindos ao estádio da luz.

Depois, foi a vez da superioridade moral falhar lá dentro. O FCP foi tão melhor do que o benfica dentro do campo que aqueles argumentos do tipo “o Porto é só corruptos” e “andam a roubar desde que está lá o Pinto da Costa” caíram por terra mais depressa do que o Jara. Aliás, o FCP foi tão prejudicado pelo árbitro que até deu vontade de rir.

A saber: há um penalty da Coentrona sobre o Hulk quando ainda está 0-0, o Aimar devia ter sido expulso aos 6 minutos por rasteirar por trás o Falcao (o primeiro amarelo é ao reclamar uma lei da vantagem quando nem falta do Otamendi era, já que o senhor Saviola faz o seu velho truque de mandar o seu joelho contra as costas do adversário), não é penalty a favor do benfica, o Roberto não é expulso (graças a deus nosso senhor jesus cristo!), o Javi, esse jogador sempre leal, nunca violento, devia ter sido expulso ao pontapear por trás o Varela, o Otamendi é incrivelmente mal expulso e a Coentrona devia ter sido expulsa mais do que uma vez. Enfim, é uma arbitragem portuguesa, com certeza.

O cúmulo da superioridade moral foi atingido com o “apagão”. Devo dizer-vos que foi um momento inesquecível. Um estádio vazio, às escuras, com água a sair da terra e música aos berros com a letra “benfica, vencer, vencer”... Foi poético, romântico até, e teve a sua dose de karma q.b., uma vez que o ano passado queriam que tivesse acontecido o mesmo no Dragão. Eu, como não sou moralista, achei piada ao mau perder. Diverti-me com a volta ao estádio que os jogadores fizeram com muito sentido de humor, adorei o túnel que fizeram à frente dos stewards, que vergonhosamente não os deixaram vir festejar com os adeptos. Foi muito melhor assim.


«Era demasiado duro para qualquer adepto do Benfica. Feio gesto, mas até certo ponto entendível», em "A Marca"

A festa foi maravilhosa, nos Aliados, no Dragão, no Marquês, por todo o país, por todo o mundo. O Porto está a crescer. E por isso começo por dedicar este título a todos os pipoqueiros que passaram o ano a assobiar no nosso próprio estádio. A esses, desejo-lhes tudo de mal, que tenham vergonha na cara e se enfiem em casa nestes dias. Vocês não merecem ser portistas.

Como sou um exemplo máximo de fair-play, quero também dedicar este título a quem o tornou possível. A Pinto da Costa e André Villas Boas, claro, aos fantásticos jogadores, obviamente, mas sobretudo a quem deu o empurrão matemático necessário para fazermos a festa na cara deles: Jorge Jesus. Aquele golpe de génio de dar o jogo com o portimonense como ganho, colocando uma equipa de suplentes, deu-nos os números que precisávamos. Obrigada, electricista.


Pára de os provocar com essa mão, pá!

Este título também tem se der dedicado ao melhor rival deste ano. O rapaz oxigenado prometeu que iam lutar até à morte e deve ter passado tão mal a noite que não posso deixar de o animar. Eu ou este companheiro de equipa, de uma maneira mais... sexual, digamos.



Como não sou ingrata, quero agradecer também ao nosso clube satélite da segunda circular. Acho ridículo os lagartos estarem contentes com os nossos feitos, mas percebo que tenham imaginado um bocadinho de vós naquele estádio.



E porque um bom portista nunca esquece outro, este título é seu Pôncio, como lhe prometi.

Por último, para quem se preocupa, lá em casa está tudo bem. O M. é o melhor lampião do mundo e foi para o quarto enquanto eu via a festa na televisão. Gosto muito de ti e a partir de agora vou mandar sempre a mesma piada quando formos a sair de casa: o último apaga a luz.

7 comentários:

  1. parabens pelo campeonato da mentira e da corrupção, gostavas de ter o melhor lateral direito na tua equipa era?? doi é?? o que vos deve mesmo doer é ele odiar o Porto,e ser o melhor jogador deste campeonato, mas olha queridinha dia 20 a historia é outra.
    Já agora, festa pelo mundo?llllllllooooooollllllll, diz antes festa pela avenida dos aliados.

    ResponderEliminar
  2. CP: uma vez que nem sabes que a Coentrona é lateral esquerdo, não vou discutir futebol contigo

    ResponderEliminar
  3. Eu acho que tu tens uma visão um pouco turva das coisas... Não falas da entrada a pés juntos do marreco do moutinho?...Quem dera ao Porto ter um coentrão...Acho que devias ser mais imparcial e tentar avaliar o jogo como deve der ser...E em relação ao apagão, só foi aquilo que aconteceu no vosso estádio à uns tempos... Por isso não devias ter tocado no assunto que só te fica mal...

    ResponderEliminar
  4. O Moutinho entra a pés juntos... na bola. E escreve-se "há uns tempos"

    ResponderEliminar
  5. dizes ai muita verdade mas não me venhas falar em organização nas entradas,porque de certeza que nunca entraste no estadio da luz com 40 minutos de jogo pois não? A vossa moral pa falar destas coisas é incrivel. no dragaum é que é vergonhoso pa nos la entrarmos,porque voces adoram desmonstrar o vosso complexo de inferioridade. em relaçao á arbitragem tens toda a razao mas esta historia de roubar o poarto quando ja sao campeões ja é tao velha que ninguem cai nisto.. ah e mais uma coisa que tens razao,o M É UM GRANDE BENFIQUISTA e repara na diferença das cronicas dele e das tuas pa perceberes um pouco da diferença entre nos(o bem) e voces (o mal). SAUDAÇOES BENFIQUISTAS M e aproveito pa mais uma vez concordar em absluto com a tua cronica. com este palhaço no poder ate ja temos atitudes á nojentos (poarto). candidata-te ja e tens os meus 20 votos.

    ResponderEliminar
  6. saem dois goodie-bags equipados com creme nivea, pastilhas rennie, agulha e linha para os dois comentadores desportivos acima. O creme para o cotovelo, o rennie para o estmago. A linha e a agulha para coserem a boca e pararem de falar à parva.

    CAMPEÕES, CAMPEÕES, NÓS SOMOS CAMPEÕES!!!

    ResponderEliminar
  7. @ Catarina

    antes de tudo e muito importante: Parabéns! pela conquista do nosso vigésimo quinto título.
    faço votos para que estejas a ter um dia muito azul-e-branco ;)

    sou portista, mas acima de tudo Desportista. no meu estaminé e a muito custo (confesso-o), felicitei a lampionagem pela conquista do campeonato transacto - e sem me referir aos túneis e afins.

    num plano profissional, recordo que Jesualdo Ferreira, em nome da instituição FC Porto, também o fez e nos mesmos moldes.

    é curioso constatar as diferenças (gritantes) de tratamento desportivo, de fair-play, de boa educação e de salutar convivência por parte daqueles que já estão a dezasseis pontos e antes só estavam a oito, mas afinal queriam era estar a cinco porque três pontos já estariam garantidos com uma vitória que não aconteceu. enfim...

    tudo não passa de um jogo de futebol e o fundamental é que haja saúde (para trabalhar, para comer, para diversão, para... tudo o que houver).

    também lamento que esses "heróis" se armem em valentões por detrás de um teclado e à frente de um monitor - uma atitude de verdadeiro Homem(zinho) e de verdadeiro macho (murcho). se nem uma senhora respeitam, quanto mais serem Desportistas e felicitar o adversário com todo o mérito...
    com diz (e bem) o nosso grande presidente: «as acções ficam com quem as pratica».

    saudações desportivas mas sempre pentacampeãs! ;)

    Miguel | Tomo I

    ResponderEliminar