quarta-feira, 22 de junho de 2011

Bye bye!

Ainda mal recuperado de uma época terrível, de um pesadelo interminável, eis que o inimaginável acontece. André, o tipo que parecia ter sido tirado de um anúncio de relógios, o portista mais portista que o Martins dos Santos e o Calheiros juntos, o cenourinha com aquele ar de boas famílias, foi-se embora. Quando o fóculporto, celebrizado pelo Guarda Abel, que para quem não sabe é um senhor sem os dentes da frente, e pelo "Não vou por aí" assassinado declamado por Pinto da Costa, se via finalmente representado por alguém que os podia fazer parecer finalmente um clube decente, eis que se dá a traição. Mandou-lhes um fax e mandou-os à outra parte.
O futebol, quer queiram quer não, é feito de ódios de estimação. Benfiquista que é benfiquista fica com as bochechas a doer de tanto rir quando acontecem desgraças aos azuis e aos verdes. E para mim, que já estava assustado com a dita criatura ficar a atormentar-me mais um ano, foi uma maravilha vê-lo partir sem sequer avisar. Nem uma choradeira fingida numa conferência de imprensa. Foi-se embora indiferente.
A Catarina escreveu que foi como uma traição de amor. Apesar da confusão que é vê-la deprimida, espero que sim. Melhor só mesmo se o Chelsea ganhar 7-0 no dragão para o ano e ele festejar louco virado para os Super Dragões (menos para a Catarina).
É que nós, os verdadeiros adeptos, desejamos mal. Quando eu vi a Juve Leo cantar "Acabou-se o tacho" às 3.30h da manhã, festejando a suposta vitória de Bruno Carvalho nas eleições, disse à Catarina que tínhamos que ir dormir porque no da seguinte o Godinho Lopes ia ter ganho e ia ter havido pancadaria. Parece recambolesco, eu sei, mas estou altamente treinado a sonhar estes esquemas.
Portanto, foi com regozijo que vi o André render-se às Libras Boas e rumar à chovosa Londres para beber vinho com oligarcas russos, renegando completamente as raízes, a já famosa "cadeira de sonho". Ser rival é querer facadas no orgulho dos outros para nos vingarmos das que já levámos no nosso (e sabe Eusébio o que levámos nós este ano).

(Sonho com o Falcao vestido à Chelsea em pleno dragão. Quero que os azuis sintam que vão ver uma ex-namorada e que esperem aquela melancolia de quem já partilhou tudo. Palmas no aquecimento, como quem diz Então, tudo bem? e diz com os olhos Podia ter sido tão bom. E, sem avisar, o colombiano marca um hattrick, festeja com aquele salto irritante no ar e é como se a ex-namorada dissesse secamente Sim e se virasse de repente para um tipo alto e com livro desconhecido debaixo do braço e o beijasse como quem o quisesse foder a noite inteira.)


Sem comentários:

Enviar um comentário