quinta-feira, 9 de junho de 2011

Só faltas tu, Benfica

Imaginem o seguinte: Trinidad, Cuba, uns 35 graus. Uma cidade linda, um silêncio maravilhoso e uma paisagem a fazer lembrar aquelas novelas brasileiras de época. A minha namorada, que é a mulher perfeita, está comigo. Estou de férias, férias do meu emprego de sonho, daquilo que sempre quis fazer, no sítio certo, com pessoas que me dão todo o apoio. A minha família tem os problemas de todas as famílias e, inclusive por isso, é a melhor família que eu poderia desejar. Sou um rapaz novo, com saúde, com a vida à frente e estou em Cuba, numa cidade linda e está um Sol maravilhoso.
A vida é perfeita não, é? É o caralho, é o que é. "1-0 Custodio 20`" - é a mensagem telegráfica do meu pai. Toma lá. O soco no estômago. Tudo o que eu não queria ler. E, de súbito, a imagem de um porto - braga em Dublin começa a desenhar-se na minha cabeça. E, longe, sem ver o jogo, imagino a equipa impotente sem conseguir dar a volta. Sinto-me pequenino, muito pequenino, só me apetece desaparecer. Tive uma vontade muito grande de chorar, de desistir, como se houvesse maneira de desistir disto, de dizer assim "olhe, se faz favor, é para cancelar a opção do fanatismo clubístico, sim?". Mas porquê, porra? Estão quase 40 graus, ainda há dois dias tinha estado numa praia paradisíaca, como nos filmes, há 20 minutos a minha vida era praticamente perfeita, como é que isto aconteceu?

Hoje, muito tempo depois, o suficiente para ganhar coragem para escrever este texto, verbalizo aquilo que sinto desde há vários meses: o Benfica é o empecilho da minha felicidade. O Benfica é a única razão pela qual eu não sou verdadeiramente feliz a tempo inteiro (sou-o na maior parte do tempo, estou altamente treinado a recalcar os desaires do meu clube). E quem lê isto se calhar ri-se e pensa que isto é tudo um grande exagero, uma grande metáfora para eu tentar mostrar como o meu clube é tão importante para mim como as putativas paixões do leitor que se ri, sejam elas por carros, selos, livros, uma banda, sei lá. Mas não, isto é mesmo a sério, é literal. Porque raio acordei eu nessa noite em Cuba sobressaltado, como se me tivesse esquecido do gás ligado em Portugal? Com a sensação pungente que algo estava mal, que algo tinha que ser rapidamente remediado sob pena de um desastre? Porque o Benfica tinha ficado fora da final da Liga Europa, arruinando a expectativa escondida de eu poder ser a pessoa mais feliz do mundo caso o Luisão levantasse o troféu. E se o gás ligado podia ter incendiado a casa, era uma chatice e coiso e tal, mas passados 15 anos se calhar já só era gozado por isso nos Natais, neste caso eu sei que, de tempos a tempos, vou acordar a meio da noite com a mensagem "1-0 Custodio 20`" e a desejar que seja tudo mentira. E não é. Não foi mentira.

Sinceramente, não sei muito bem o que acrescentar a isto. Já passou muito tempo e enquanto escrevo sou obrigado a colocar relatos de golos nossos a ver se me animo, o que só acabou de me causar uma fragilidade emocional muito maior porque acabei de me arrepiar com o relato do 2-0 do Aimar aos verdes em 2009/2010, e sabe Deus (o Eusébio, o outro não existe) o que eu fui feliz naquele golo, o que eu me emocionei quando ele picou a bola sob o Grimi e eu a vi bater na rede. Foi como encontrar o sentido da vida, mas talvez num plano mais profundo, mais visceral. E está uma pessoa perdida nesses pensamentos, a guardar esses bocados onde se foi eternamente feliz e que estão cá dentro, guardados no coração, como se fossem um momento marcante de uma história de amor (e são-no, não é - outra vez - uma metáfora), quando me lembro que naquela tarde em Cuba e em Braga tudo se estragou.

As pessoas preocupam-se comigo e, quando a Catarina não está, sugerem-me que o meu sofrimento é maior porque ela é azul e porque goza comigo. A Catarina não goza comigo nem eu com ela. Porque quando o Benfica perde, ela sabe que não precisa de me gozar. Na verdade, quando o Benfica perde, sobretudo quando perde jogos como o de Braga, acho que nem um camião a passar-me consecutivamente sobre um joelho me ia distrair da profunda dor que me causa o Benfica. Eu sei que isto é doentio, que é irresolúvel e essas coisas todas, que todos os anos um gajo escreve isto (a vermelho, azul ou verde), mas às vezes dou por mim às voltas na cama a querer resolver todos os problemas do Benfica, como se isso fosse possível. Como se pudesse, de facto, ir apagar o gás. E às vezes faço-o com uma avidez tal que me apercebo que, no fundo, estou a tentar resolver o único problema da minha vida, a única parte que está errada, que me dá chatices - é como já ter 3 filhos casados, com filhos e empregados e ter um de 16 anos que só faz asneiras. E o pior é que o Benfica não é aquele filho que bebe uns copos e nos obriga a ir buscá-lo às 4h da manhã a vomitar. Não, é um puto que está na heroína, a ressacar.

Isto assusta-me porque eu um dia quero ir a Cuba sossegado, sem medo de deixar o Benfica em Portugal a fazer asneiras. E chateia-me olhar para a minha vida, desde os meus 10 anos, e achar que até agora não foi grande coisa porque desde aí só ganhámos dois campeonatos.

Se não fosse o estado do Benfica, eu era a pessoa mais feliz do mundo.

2 comentários:

  1. Nada a acrescentar, tirando a parte de estar a curtir em cuba revejo me exactamente no teu texto,e em como o Benfica me consome e me faz passar os piores dias da minha vida as piores noites, sem dormir, sim porque eu estive la com aquela fe aquele amor que ninguem me tira pelo Benfica, na noite do SLB 1-2 FCP, eu estive lá naquela noite SLB 1-3 FCP, e com 22 anos nao sei para quando vou puder sentir qeu sou do GLORIOSO porque nao me lembro...
    Nao sei o que mais e preciso para haver competencia no benfica. o que se passou com o jesus este ano? alguem me explique porque a imagem que tenho dele era aquele cota maluco aos saltos na varanda da camara municipal de lisboa aquele CAMPEAO e eu a cantar pelo nome dele, hoje so me apetece atira lhe com uma pedra a testa, por tudo o que se passou, sim porque a equipa apesar das fragilidades deste ano era bastante razoavel, os que ficaram nao pareciam os mesmos...
    ACORDA BENFICA, eu esperarei eternamente mas ACORDA

    Miguel

    ResponderEliminar
  2. Isso é mesmo doença.

    Se assim é, ainda vais sofrer muito na vida.

    Ainda bem que no resto tens tudo como queres e está tudo ok, senão, upa upa.

    ResponderEliminar