quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Happy birthday, Mr. President

Já devem ter reparado que por poucas vezes nos referimos a dirigentes neste blog. Eu e o M. temos este pequeno problema de amar os nossos clubes e de adorar futebol, aquele que se joga no campo verde, com 11 homens atrás de uma bola. O que se passa cá fora, os jogos de poder e as provocações maliciosas, pouco ou nada nos interessam.

Acreditaram nisto? Então agora falemos a sério. Jorge Nuno Pinto da Costa é o meu herói. Pode parecer uma expressão foleira, mas é isto que eu entendo por um herói. É alguém que me faz feliz, que está do meu lado, que tira dos maus para dar aos bons. Lidera o meu clube desde 1982, já ganhou 55 troféus, é o presidente mais titulado do mundo e venceu ontem um prémio carreira que foi primorosamente ignorado por alguma imprensa.



É geneticamente impossível eu discordar deste homem. Rio-me das suas piadas, comovo-me quando festeja um golo como se fosse o primeiro e imagino-o sentado no sofá a queimar estes jornais na lareira, com um sorriso de felicidade de quem vai ganhar mais alguma coisinha só para os lixar. Ainda bem que não percebem isto: que ignorá-lo ou insultá-lo só o tornam mais forte.

Pinto da Costa é força. É a força de um clube que não conseguia atravessar a ponte para desafiar o poder centralista. É a força de uma cidade e de uma região com uma identidade única. É a força de uma Taça dos Campeões europeus, de uma Liga dos Campeões, de uma Taça UEFA, de uma Liga Europa, de duas Taças Intercontinentais, de uma Supertaça Europeia, de 18 campeonatos, de 12 Taças de Portugal e 18 Supertaças. Vergonhosamente, nunca ganhou uma Taça da Liga, mas tenho a certeza que nem dorme só de pensar nisso.

O nosso presidente nunca se engana e raramente tem dúvidas, como dizia o outro. Já falhou em treinadores (Octávio Machado, como foi possível?!?!?), em muitos jogadores e sobretudo em mulheres. Mas o que é que uma pessoa vai dizer? "Olhe desculpe lá, senhor presidente, mas eu faria melhor"? Quem? Quem é que faz melhor? No mundo, ninguém. Noutros planetas, talvez, não posso negá-lo com toda a certeza.

Aquilo que mais me convence do quanto tenho de idolatrar Pinto da Costa é o ódio dos outros. Aliás, corrijo: é o medo dos outros. Eles esperneiam, eles gritam, eles dormem mal por causa dele. Mais até do que por causa do nosso clube, porque estão convencidos que um dia nós vamos cair. O problema, para os outros, é ele. Dói-lhes a cada palavra, a cada título, a cada sorriso. E isso, confesso, faz-me particularmente feliz.

Neste blog, por poucas vezes posso dizer isto, mas há um sentimento que nos une a Pinto da Costa: respeito. O M., que odeia o meu presidente e lhe deseja a morte sem precisar de o dizer num programa de televisão, ri-se quando o homem fala. Porque percebe o que ele quer dizer, o que ele sente, e gosta da maneira como o diz. Calma lampiões, não atirem o M. para a fogueira. Juro que eles nunca concordam no conteúdo, só a forma é que é apreciada.

Pinto da Costa fez ontem 74 anos. Presidente, espero obviamente que faça muitos mais. Conto consigo para a dureza do dia-a-dia que é ser do Futebol Clube do Porto e lutar contra tudo e contra todos. Juro que faço a minha parte e peço-lhe apenas que de vez em quando deixe o M. ser um bocadinho feliz, porque ele é bom rapaz e eu gosto muito dele.

4 comentários:

  1. Já eu tenho pena dele e dos seus seguidores, por mais títulos suados (pelos árbitros) que ganhem não esquecem o glorioso. Mas obrigado pela importância e grandeza que acrescentam ao Benfica, já que vocês correm e suam a camisola para serem melhores que o Benfica, enfim, é sempre um objectivo saudável vencer o melhor. Ainda dizem que são um grande clube, são é patéticos inferiores, são um exemplo perfeito de batoteiros frustrados, jogam sujo mas não esquecem o adversário. Eu teria vergonha de ser portista, não sou assim, não tenho gozo em ganhar dessa forma, prefiro perder. E claro que quando esse corrupto separatista morrer, essa merda de clube vai para o mesmo sitio de onde esse porco o tirou. Já agora, ainda bem que não sou arbitro ou jornalista ou qualquer tipo de pessoa que tenha medo desse porco.

    ResponderEliminar
  2. Em grande parte do comentário criticas-me por falar do benfica, mas eu não estou a ver bem onde é que eu escrevi benfica no meu texto. Quem é que anda aqui com patéticas inferioridades, então? Quanto à segunda parte da tua extensa e filosófica exposição, é precisamente isso que me faz idolatrar Pinto da Costa, e nota-se bem que és uns dos que não conseguem dormir bem.

    ResponderEliminar
  3. Portista não é um qualquer e muito menos qualquer um, Portista é sentir hulmildade e um orgulho sem fim no seu povo genuino e na raíz pura das suas gentes. Nós não somos uma mistura, somos linhagem fina e forte. Somos nobres leais e invictos. SOMOS PORTO!

    ResponderEliminar
  4. Viva Catarina! (cheguei aqui pelo FB do Paulo Fonseca)...
    De facto, a defesa de anónimos, Bolas, Records e que tais, é fingir que ignoram Pinto da Costa ou usar linguagem e filosofias de tasca... É normal de quem perde... e de quem anda perdido (até precisam de usar um adjectivo para falar do próprio clube - isso é que mete pena).
    Eu gostei muito de ler o teu estado de alma - é o que sinto todos os dias... Mas isso só nos torna mais fortes ;) Bom ano*Miguel Fernandes

    ResponderEliminar