sábado, 3 de março de 2012

Bonjour tristesse

Acordei esta manhã com a minha pulsação. O meu coração a bater acelerado no colchão acordou-me, como se dissesse ao resto do meu corpo que já acordou, que está triste, que tem raiva e que não consegue dormir.
Depois fiquei às escuras na sala a fingir que via televisão. É como se estivesse a observar, de fora, a minha própria dor. Há uma cena maravilhosa no 100 Bullets, que é a melhor coisa que já foi escrita em banda desenhada, que descreve isto:
"So, Mr. Garret, how you feelin`?" "Numb", i say back. He chuckles a bit, tells me "you can`t feel numb, `cause numb means you can`t feel. You can`t feel numb, you can only be numb, he tells me"

É um bocado isto, uma dor é tal que se deixa de sentir. Tudo.
Eu sou mesmo do Benfica. Eu sou tão do Benfica que acho poético que o Jaime Graça morra no dia de aniversário do Benfica. Eu nunca vi jogar o Jaime Graça, mas faz parte de todo o meu imaginário que o meu Pai e os outros Benfiquistas me foram contando. O Benfica é bem capaz de ser a única coisa na vida em que eu penso, pelo menos, de hora a hora. Eu acho que é mesmo impossível sofrer tanto pelo Benfica como eu. Acredito que há pessoas que sofrem o mesmo, mais não. A sério.



E eu não aguento isto. Não aguento. É uma dor física, às vezes até pior, ver o Benfica assim. E o facto de passar muitas horas a atormentar-me a mim mesmo a dizer "o Emerson é mau demais", "o Emerson é mau demais", "o Emerson é mau demais", "o Emerson é mau demais" tipo mantra, não faz com que o Emerson saia da equipa. E isto de sofrer muito com uma coisa que eu, pelos vistos, não posso influenciar, está a dar cabo de mim. A culpa não é do Emerson, coitadinho, que dá tudo. Quero dizer: também é. Se o anormal tivesse ido para canalizador não tinha conseguido ser expulso ontem e fazer mão com o Braga. Mas pior, pior, é ninguém no Benfica o mandar para canalizador outra vez. Cheguei a pensar que amadorismo permanente, a fanfarronice de marialvas, enfim, o "pressão têm os outros", que se tinha aprendido com isso. Mas não. Nada, nadinha, nem um bocadinho. Se formos campeões será por incompetência dos azuis e não por nossa própria competência. Quando tínhamos que os ter no sítio, não tivemos. O Benfica é raramente competente. E quando o é, fica logo cheio de si. Há uma boçalidade confrangedora.

Há muitos culpados, mas até eu, que tive toda a paciência com Jorge Jesus, já não aguento. O Benfica, tacticamente, é caso único na Europa, no Mundo. Ninguém joga assim. Ninguém joga tão desequilibrado. Ninguém acha que o jogo é para jogar a 300 à hora uma hora e meia. Ninguém quer, em termos tácticos, PROPOSITADAMENTE partir o jogo, de forma a explorar sempre situações individuais onde os nossos podem ser melhores. Isto resulta com equipas pequenas, que se submetem a isto e que acabam por perder porque não aproveitam as situações de igualdade numérica contra a nossa defesa, mas contra equipas de futebol, é impossível. Com 30 minutos a jogar, a ganhar, Aimar lesionou-se. Tinha de entrar Matic para 8 e Witsel subia e jogávamos com 3 médios. E a entrar Rodrigo, saía Cardozo, e jogávamos em contra-ataque, com a pressão do lado deles.
Mas Jorge Jesus deve achar que se um dia não jogar com 2 avançados lá bem à frente lhe vão chamar mariquinhas. Ou que lhe vão cair os tomates. Ou que já vai poder pintar o cabelo. E portanto meteu um segundo avançado.
Mas treinar o Benfica não é como treinar no Championship Manager (sou um nostálgico, não me apanham a dizer FM), e Jesus já podia ter percebido isso. Eu quando comprava Robertos e Emersons no Manager também insistia neles até à última. Era o jogo que estava errado, não era a minha decisão. Mas Jesus nunca está errado. Nem quando mete Gaitan, um tipo que faz o Sabry parecer disciplinado tacticamente, a defesa esquerdo. E esta loucura de deixarmos o Benfica nas mãos de um atrasado mental a presidente que dá plenos poderes a um treinador louco, tem de acabar.

É que eu já não aguento isto. É muita dor, porra. Cheguei a dizer que na 3ª feira nem lá vou, mas é mentira. Vou. Vou fodido comigo, por não conseguir não ir, mas vou. Neste momento a minha relação com o Benfica é uma relação de violência doméstica. Eu dou tudo e o Benfica não me dá nada, só me bate. Depois dá-me uma Taça da Liga e diz que me ama. Mas isso não me chega, nem nunca vai chegar.
E isto vai-me acompanhar sempre. Agora vou trabalhar - e eu sou feliz a trabalhar, como sou feliz com a Catarina, com a minha família, com quase tudo - e de repente o meu coração vai bater mais forte, vou ser invadido por uma tristeza horrível, como se me subisse uma amargura à boca e o meu cérebro vai-se lembrar que o Benfica perdeu e vou voltar a sentir-me na minha sala, às escuras, a fingir que vejo televisão.



Adeus tristeza, até depois
Chamo-te triste por sentir que entre nós dois
Não há mais nada pra fazer ou conversar
Chegou a hora de acabar


PS: A mãe da Catarina, que é das maiores anti - Benfiquistas que eu já vi (e digo isto em tom de elogio, até), disse ontem que eu não mereço isto. Obrigado.

3 comentários:

  1. tu não mereces isto...eu tb não.

    Abço

    Pombo

    ResponderEliminar
  2. Boa noite M,

    Exactamente como me sinto...

    Terça também não consigo deixar de ir...

    Abraço
    Pedro

    ResponderEliminar
  3. nem me consigo expressar por isso identifico me com o que escreves, mas andas a escrever pouco

    ResponderEliminar