domingo, 13 de maio de 2012

André e Falcao

Pelo título, até parece que vou falar-vos sobre uma dupla de música popular brasileira, mas não. Embora fosse certamente um bom tema, hoje vou falar-vos antes de André Villas Boas e Radamel Falcao.

Eu não sou uma adepta propriamente fácil. Simpatizo com quem veste a camisola do FCPorto, mas não me perco de amores por qualquer um. Festejei dezenas de golos do Jardel, mas nunca o considerei um ídolo. Apoiei muito os Costinhas e Maniches que tanto ganharam entre nós, mas sempre desconfiei um bocadinho daqueles feitios. Não insulto o Álvaro e o Rolando enquanto estiverem de azul, mas dificilmente os perdoarei.

Para me convencerem, é preciso mais do que golos, títulos e fama internacional. Têm de ser Porto, como o Lucho. Às vezes é preciso serem mágicos, como o Deco. Outras basta terem umas boas pernas, como o Capucho. No fundo, façam o que fizerem, vão ficar sempre atrás de quem tem tudo isto e muito mais: Vítor Baía, por exemplo.

Há, no entanto, épocas que me toldam um pouco este raciocínio tão lógico, quase matemático, que consegue juntar talento e raça a tíbias e perónios jeitosos. Foi assim com Mourinho, quando Derlei, um jogador aparentemente banal e que veio a tornar-se uma prostituta barata, era o meu herói. E foi assim no ano passado, quando André e Falcao me transformaram numa adolescente apaixonada.

Quanto às vitórias, nem preciso de as enumerar. Houve golos, títulos e fama internacional. Ambos foram sempre Porto, falaram à Porto, sentiram o Porto. Eram mágicos e tinham umas pernas do caraças. Deixaram-me tão caidinha que passei o Verão a escrever ridículas cartas de amor. Primeiro, ao treinador que me trocou pela russa feia e gorda. Depois, ao jogador que me deixou por uma espanhola que não vale nada. Pelo menos um deles chegou a ler os meus desabafos, mas ambos foram embora sem olhar para trás.

Os grandes amores são impossíveis de esquecer, mas o meu coração está sarado. Da raiva inicial, passei à indiferença pelas vossas conquistas, e acabei triste pelos vossos falhanços. Não respeito quem sai do Porto pela porta pequena, mas sinto-me frustrada por não poder acabar esta época a pensar: “Pronto, vocês tinham razão. Saíram para melhor e eu é que não tinha percebido isso. Parabéns, voltem sempre”.

André, és um excelente treinador e não merecias aquele bando de energúmenos. Não foi por falta de aviso, é certo, mas nem eu te desejei tanto mal (mentira, desejei sim, mas só quando estava mesmo chateada contigo). De grande promessa, passaste a grande dúvida. De chelsea e Barcelona, passou a falar-se de roma e valência. E na tua cadeira de sonho ficou outro campeão.

Falcao, tu ganhaste a Liga Europa sozinho, mas não quero acreditar que isso te baste. Passaste o ano a ser humilhado e agora acabaste a ver a Liga dos Campeões por um canudo. Bem podes dar mil entrevistas a tentar convencer-nos que o at. madrid é uma grande coisa, mas depois olhas para o lado e é só veres quem lá está e quão maus eles são. Naquela quarta-feira à noite, durante umas horas, o mundo conseguiu ver o que eu vi há mais de um ano: o melhor ponta-de-lança da actualidade. Mas hoje já voltaste à tua vidinha de quem perde uma qualificação europeia, de quem nem sonha ser campeão e muito menos melhor marcador. E esses o mundo esquece rapidamente.

Percebem o que perderam? Chamem-me sonhadora, louca, o que quiserem, mas sempre que, por momentos, vos imagino mais um ano connosco, não vos vejo a levar três do aston villa ou do albacete, ou a lutar pelo quarto, pelo quinto ou pelo sexto lugar. Repito: chamem-me sonhadora, louca, o que quiserem, mas convosco isto tinha sido muito melhor e a esta hora vocês estavam a sorrir, nos Aliados, com os adeptos que tanto vos admiram, a festejar o que vocês quisessem.

Sou campeã. Estou feliz e preparada para mais um Verão de despedidas mais ou menos amargas. Espero ganhar mais no próximo ano, porque esse é o meu destino. Continuarei a acompanhar-vos ao longe, nos clubes que pagarem as vossas ambições, sejam eles o real madrid ou o anzhi. Eu sei que tinha razão, que não saíram para melhor e que vocês devem ter percebido isso. 

Confessem-me lá: valeu a pena?

1 comentário:

  1. C.
    De qualquer forma o "caso" Falcão, não é a mesma coisa do AVB... F. mais que avisou que queria ganhar mais... AVB falou até à vespera que a cadeira de sonho era para muitos anos, talvez daqui a 10 anos fosse bom treinar na Argentina !!!
    Enquanto estiveram cá, foram dignos e tudo o mais... abstenho-me quanto à qualidade das pernas...
    Continua C. adoro ler-te...

    ResponderEliminar