segunda-feira, 7 de maio de 2012

A Bola nunca mais

Fui habituada a ler jornais desportivos desde pequena. O meu pai, como bom chefe de família portista que se preze, comprava "O Jogo", mas "A Bola" também vinha quase sempre atrás. Era-lhe difícil largar um jornal desportivo com tanta história, com jornalistas tão conceituados, e com uma escrita quase sempre tão agradável. Até àquele dia. A última vez que o meu pai comprou "A Bola" foi quando a capa deste jornal se tornou negra para exigir que o FCPorto ficasse de fora da Liga dos Campeões.

Eu, no entanto, sou mais teimosa. Continuei a ler "A Bola", ainda que mais para me rir das tristezas dos outros do que para me informar. Achei piada, por exemplo, quando o benfica levou 5 no Dragão e o jornal começou a duvidar das qualidades de Jesus, o até aí intocável melhor treinador do mundo e arredores. Achei piada às duas páginas centrais preenchidas com uma extensa reportagem ao museu do benfica, uma das 7 maravilhas do mundo, numa altura em que já estavam a milhões de pontos do FCPorto. Achei piada de todas as vezes que as vitórias portistas encolheram na capa e de todas as reduzidas derrotas que se multiplicaram em destaques. A tudo isso, juro, eu acho sempre piada.

Só que agora o benfica vive um momento histórico. Alguns adeptos, entre os quais o M., acordaram do estado de coma induzido pela Bola. Afinal, não ficam contentes com as sucessivas derrotas do clube. Afinal, ficar atrás do Porto não é bom. Afinal, o benfica dos últimos 30 anos não lhes chega. E isso preocupa-me. Porque eu gosto do benfica contente. Gosto das pré-épocas cheias de gente nos estádios, dos melhores do mundo a chegar aos molhos, dos treinadores e dos presidentes inquestionáveis. Isso sim, é o benfica que eu conheço.

M., tu e os que pensam como tu estão a estragar tudo. É muito feio andarem a pintar frases contra o presidente duas vezes campeão, um homem íntegro, honesto, que faz tudo pelo benfica, e que até era sócio do melhor clube português, o que só mostra como faz boas opções. E insultar um treinador que em três anos ganhou três taças da liga parece-me de uma ingratidão imensa. Parem lá com isso que a pré-época está a chegar.

Há, no entanto, um sinal de esperança: "A Bola". O jornal perdeu a vergonha, que é a mesma coisa que dizer que perdeu a pouca independência que eu quero acreditar que ainda tinha. Sinais da crise, certamente. Luís Filipe Vieira fugiu, mas deixou isto controlado. Primeiro a entrevista a Jesus, a contradizer-se a si próprio, a culpar os árbitros, a elogiar o presidente e a insultar o Porto. O pão nosso de cada dia para o adepto do benfica que acha que o M. e os que pensam assim são uns atrasados mentais. O benfica estava ali, em cada palavra, em cada desculpa esfarrapada, em cada pergunta esquecida ou resposta não dada. Afinal, isto promete.

Só que, agora, veio isto.



E isto ultrapassa esse benfica feliz, que acredita que se não fosse o fora-de-jogo do Maicon era campeão. Isto não é para o lampião que se esqueceu da mão do Cardozo, do fora-de-jogo não assinalado logo na primeira jornada que valeu um empate, do pseudo-jogo de andebol com o guimarães, da Feira e de Barcelos no mesmo fim-de-semana. Esse lampião já não precisa disto, porque vai ver o andebol, o basquetebol e o voleibol e continua a achar que a culpa é do Pedro Proença, esse grande benfiquista.

Isto é para nós, portistas. Eu, que nunca vi uma entrevista a um director de comunicação com tanta pertinência numa capa, sinto-me insultada. Luís Filipe Vieira e os seus capangas já tentaram abater-nos de várias formas, mas isto é mostrar-nos que o braço armado é mais forte do que pensávamos. O presidente dos túneis, do Estorilgate, do pode-ser-o-João, vai fazer de tudo para ficar agarrado ao lugar. Confesso que não é isso que me preocupa, pois eu, se pudesse, votava nele. O que me preocupa é nós não sabermos reagir a isto. É, aliás, o maior defeito da nossa estrutura: não saber ignorar esta gente.

O caminho para o tri está à nossa frente. Para lá chegarmos, vamos ter de passar muitos túneis, muitos Gabriéis e muita propaganda. O passado já mostrou o que nos acontece quando achámos que a solução estava na reacção fora do campo: perdemos. Agora, está na altura de deixar para trás este benfica dos últimos 30 anos, o benfica que deixa o meu M. tão triste, o benfica que não nos faz frente no que realmente interessa. Ignoremos a mensagem. Paremos de cantar contra eles só porque sim. Chegou a hora de ser superior além dos títulos.

Campeões, façam como eu: deixem de ler a "A Bola".

11 comentários:

  1. Eu deixei de ler/comprar esse jornal à muito. Esse jornal é o mesmo que quando o Saviola em 2009 marcou um golo ao FC Porto no estádio da luz tinha como capa ''Grandioso Benfica'' e este ano aquando do jogo da luz tinha assim ''Fora de Jogo''. Esse pasquim é um vendido e mais não serve como máquina propagandista vermelha o Pravda de Portugal, lixo, nem para limpar um certo que eu cá sei serve!

    ResponderEliminar
  2. Um dos maiores erros do Benfica tem sido ignorar e desvalorizar constantemente os adversários (ainda bem digo eu como portista), mas compreendo (na falta de melhor) a necessidade de explicar desinformando os seus acólitos seguidores. Ou seja, palavras para dentro do mundo benfiquista (bacoco). Pois aos outros será sempre difícil explicar as más opções do seu Treinador, a quebra física e a falta de atitude de vários jogadores que resultaram em derrotas como por exemplo contra o Guimarães e contra o principal adversário, o merecido bicampeão F. C. do Porto.

    ResponderEliminar
  3. O que mais me entristece já não á A Bola, essa já morreu há muito com um Snr chamado Vitor Santos. O pior, são os "comentadores portistas" que ainda ostenta, para enganar alguns tolos.

    ResponderEliminar
  4. Hoje, sinceramente, fiquei contente com esta capa.

    Até porque, hoje, depois desta capa, percebi que alguns benfiquistas assinam por baixo este tipo de entrevistas.

    E enquanto assim for, nada temos a temer a não ser os tiros nos pés que, de quando em vez, teimamos em dar.

    Quando ao Pravda, há muito deixou de entrar nesta casa ou mesmo de ser folheado quando disponível gratuitamente.

    ResponderEliminar
  5. Sou do Benfica e já deixei de ler A BOLA há anos... este não é o meu Benfica...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Corrigindo-me... ler até leio qd está à mão, comprar é que não.

      Eliminar
  6. Tenho a sensação que nos dias que correm nas lojas do benfica só se vendem ABOLA e sacos de areia para os adeptos despejarem sobre os próprios olhos.

    Eu, ao contrário da C., tenho muita mas muita pena que o benfica continue a ser um clube que se degrada mais com o que faz fora do campo do que com o que faz dentro do campo, o que não é fácil...

    Ao Porto farão sempre bem melhores adversários. Eu acredito que nós só melhoramos quando a competição está ao nosso nível ou mesmo a um nível superior. Enquanto forem inferiores vamos ter épocas como esta com um Porto sub-par, a roçar o mediocre durante boa parte da época, paupérrimo na Europa, mas suficiente para consumo interno.

    Assim, e consciente de que vou ser polémico, espero que o Benfica mude de paradigma o quanto antes, a bem do futebol Português. Senão para o ano nem à Champions chegam, coitados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. essa lógica é ligeiramente posta em causa pelas épocas 2003 e 2004.

      Eliminar
  7. Peço aos nossos leitores/comentadores mais assíduos o favor de ignorarem aqueles que aparecem aqui de vez em quando à procura de mais um fórum da bandalheira. Nunca foi esse o nosso propósito, nem pensamos que seja o de quem nos lê.

    Muito obrigada.

    A gerência,

    Jorge Nuno Pinto da Costa. Ahahah

    ResponderEliminar
  8. Limpar o rabo com abola é garantir que fica bem mais sujo do que estava.

    ResponderEliminar