domingo, 6 de maio de 2012

Fica, Pereira

Sou uma adepta exigente. O meu clube ganha muito, porque é muito melhor do que os outros. Estou habituada a festejar não só títulos, mas também equipas arrebatadoras, jogadores entusiasmantes e futebol à Porto. No mínimo, têm de dar-me vontade, raça, querer. No máximo, quero aquele golo do Jardel, de pé esquerdo, sem deixar a bola bater no chão, fora da área, ao farense. Coisa mais linda!

Sou também uma adepta realista. Ou tento, porque não tenho a certeza se isso existe. E sei que o FCPorto de 2011/2012 não ficará para a história. É um facto: não fomos arrebatadores ou entusiasmantes e até eu escrevi aqui uma carta por duvidar do futebol à Porto. Há problemas que continuam por resolver e episódios que não podem repetir-se. Não no meu Porto, que em 25 anos me deu apenas menos um campeonato do que o sportem em 106 (já devem ter reparado pela minha insistência que adorei este facto estatístico).

Ainda assim, sou uma adepta grata. E tenho de agradecer, e muito, ao meu presidente, por ter, mais uma vez, feito ouvidos de mercador às críticas e aguentado uma aposta que se revelou vencedora. Aos jogadores, que de tantas formas diferentes deram o seu essencial contributo. E ao treinador, claro, que tenho a certeza que fez o melhor que pôde. Todos eles são o Porto e quase todos são do Porto, o que fez toda a diferença na hora de recuperar cinco pontos de desvantagem.

Tenho ainda a minha dose de adepta crente. Acredito que a próxima época está a ser preparada por quem ama o FCPorto acima de outros interesses. Confio no homem que vai ao leme há 30 anos para escolher o melhor treinador e os melhores jogadores. Estou muito feliz com este título, mas quero mais.

E, para isso, não faria sentido não contar com o treinador campeão, seja de que maneira for. O discurso que fez na varanda do Dragão convenceu-me: Vítor Pereira é do Porto, sente o Porto, quer que o Porto ganhe sempre. E isso, para mim, basta. No meu Porto, cabem todos os que são mesmo do Porto.

Que se vão todos os que estão cá pelo dinheiro e pela fama, os que preferem o atlético de madrid, os que não correm tanto porque estão a pensar no chelsea, os que não percebem que este clube é muito maior do que eles. Mas os portistas, esses são sempre necessários. E Vítor Pereira é um de nós.

P.S. Hoje é Dia da Mãe. Passei a tarde com a minha, as duas sozinhas, no sofá, a ver o newcastle-city. Se isto não é ter a melhor mãe do mundo, não sei o que será.

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Boas!
    Estou completamente de acordo com o post...

    Força FC Porto!

    Cumprimentos

    Ana Andrade

    www.portistaacemporcento.blogspot.com
    www.artigosonlineanaandrade.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. Esse golo é uma coisa que dificilmente esquecerei.
    http://www.youtube.com/watch?v=BoeYOWsCQ7o

    Os 2 anos seguintes à saída do Jardel foi complicado esquece-lo porque de facto foi um grande avançado mas também porque foi uma seca de títulos.

    De resto concordo com o que escreveste. Acho a tua escrita muito boa.

    ResponderEliminar
  4. C.
    Escreves muito, muito bem, e por vezes chego a ficar emocionado, como hoje quando lembras a tua Mãe !
    A minha se fosse viva, fazia hoje 100 anos !
    Quanto ao futebol, nem sempre de acordo, mas quase...
    Aceita um beijo (sem problemas, penso que tenho a idade do teu Pai!)
    F.

    ResponderEliminar