quinta-feira, 7 de junho de 2012

E vem-nos à memória uma frase batida: a minha seleção é o Benfica

Qualquer doente de bola adora Europeus e Mundiais. São momentos míticos, com uma magia especial, que sabemos que vão entrar para a história. O Euro 2000 parece-me sempre uma coisa irreal, cheia de histórias, que aconteceu há milhares de anos, mas do qual me lembro de tudo. E ainda no outro dia passei meia hora com o meu pai ao telefone, a vermos os dois um programa sobre o Europeu de 96 e a adorar a imagem do Andreas Moller com uma pose de pretensa realeza depois de marcar o penalty decisivo que eliminou a Inglaterra em pleno Wembley.
 


Não gosto da seleção portuguesa, é-me impossível. Quem sofre a sério com um clube não consegue ter um segundo amor, um romance de Verão de 2 em 2 anos. O nosso coração está entregue há muito. E o futebol é mais do que isso. Não se gosta só do Benfica. Um Benfiquista detesta os rivais (e vice-versa). Quem não sente isto, não percebe o jogo. Quem não torce contra os adversários na Europa não está dentro da beleza da rivalidade, da deliciosa maldade que os adeptos podem ter.

Mas, dizia eu, os Europeus e Mundiais são momentos deliciosos. Eu tinha um orgulho enorme quando colava um jogador estrangeiro do Benfica numa caderneta de um Mundial ou Europeu e lia o "SL Benfica (PORTUGAL)" em baixo. Lembro-me que o Schwartz (a propósito, vão ler o Constantino) me saiu a um domingo na caderneta do Mundial de 1994. Recordo, pela enésima vez, que o Suécia - Brasil do Itália 90, com Mozer, Valdo e Aldair de um lado e Thern, Magnusson e Schwartz do outro, foi qualquer coisa de muito especial.


Obviamente que, como doente, colar o Balakov e o Kostadinov me fez impressão. Aquilo era gente que nem numa caderneta do campeonato nacional devia estar, quanto mais numa coisa tão rara e preciosa. Daí que sempre me tenha feito impressão que eu, que ainda não consigo olhar para o Domingos sem ficar nervoso, tenha que torcer pela seleção portuguesa e, pior, ter que esquecer as inimizades, as insanáveis diferenças. É-me organicamente impossível. Eu sei - de cor - que o Benfica foi a equipa com mais titulares no primeiro jogo do Euro 1996 (Hélder, Dimas e JVP). Ou pelo menos isso era o 11 anunciado pel`"A Bola" no dia do jogo. Mas acho que jogaram mesmo os 3. Portanto, olhe para onde olhe, tenho mais carinho pelo cromo do Schwartz e no facto de termos tido mais titulares do que os outros do que pela seleção em si.

Isto, claro, torna-se mais surreal em 2012. Só de pensar no onze inicial, fico enjoado. Rui Patrício (não mete medo, mas não gosto, obviamente); João Pereira (o ar de gozo depois do último derby... Nojo.), Pepe (ui, que bom, um caceteiro que no Dragão tinha praticamente licença de porte de armas e que agora tenta lesionar o Messi todos os dias. Adoro!), Bruno Alves (tenho que comentar?) e Fábio Coentrão (pronto, o único rapaz aceitável e merecedor de aplausos). Miguel Veloso (o tal que jurou nunca jogar no Benfica - como se nós te quiséssemos - e cujo pai me lixou a infância. Também fico em pulgas quando tem a bola), Moutinho (pagava para que o Khedira lhe metesse o joelho para dentro. Ou os dois) e Meireles (filho de uma grandessíssima...). Nani (ler a explicação do Rui Patrício), Hugo Almeida (pausa para incredulidade. Em milhões de portugueses, este é o melhor a ponta de lança? Tenho a mesma sensação com o Cavaco: isto é o melhor que arranjamos para Presidente da República?) e Cristiano Ronaldo (um lagarto atrasado mental, oligofrénico, cuja imprensa portuguesa quer que seja maior que o Eusébio, que já fez um pirete aos adeptos do Benfica em plena Catedral). 

E querem que eu torça por isto? Sábado, o Glorioso Sport Lisboa e Benfica recebe os verdes na final do futsal e pode ser campeão em hóquei contra os azuis. Preferia ganhar o jogo 1 da final de futsal (sim, só o jogo 1, nem estou a falar da final toda) a que Portugal fosse campeão da Europa. Sim, o meu nível de doença é este.

Apesar de ser muito ténue a esperança de sequer ganhar um jogo (quanto mais passar o grupo), por respeito aos cromos que colei, por respeito ao clube do meu coração e ao próprio futebol, a minha equipa este Europeu é a deste senhor:



Que pena a caderneta da Panini do Euro não ter um cromo para os treinadores. 
 

9 comentários:

  1. Só discordo do final, eu apoio a GRÉCIA.
    Ah,e se o Nelson Oliveira jogar e marcar,fico a torcer um bocadinho por Portugal.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Que se foda a selecção, nós só queremos o Benfica Campeão !

    ResponderEliminar
  4. Se calhar já não te lembras do glen e por isso não te referiste a ele M.

    ResponderEliminar
  5. "Moller com uma pose de pretensa realeza depois de marcar o penalty decisivo que eliminou a Inglaterra em pleno Wembley".

    Bem que me lembro. Fez um jogão, mesmo depois de ver o amarelo que o impedia de ir à final. Um senhor.

    De resto não se aproveita grande coisa do seu artigo, caro M, embora apenas por força do seu mau gosto clubístico. Eh, eh.

    ResponderEliminar
  6. Também prefiro por exemplo que o BENFICA ganhe uma taça de Portugal, do que a selecçao ganhar um europeo ou mundial, mas não concordo com a questão do Ronaldo.
    Ele já passou o Eusebio à muito tempo............isso é o teu fanatismo a falar mais alto!!!

    ResponderEliminar
  7. Carissimos

    Venho apresentar o meu blog, que ira acompanhar o europeu, onde será feita toda a analise ás selecções e suas variantes técnico-tácticas, aos jogadores que irão estar em destaque,as jovens promessas, as tácticas, com os seus pontos fortes e as fragilidades a serem aproveitadas pelos adversários.

    Visitem: rumoakiev.blogspot.pt

    Os melhores cumprimentos

    ResponderEliminar
  8. Caros M. e C.,

    Que bom terem feito estes dois posts. Consigo agora percebê-los melhor. Ou talvez não. Não interessa.

    Eu não tenho a vossa visão da selecção. Nem tão pouco dos rivais.
    Sinto aquela camisola das quinas como minha. E quero que os clubes portugueses ganhem todos na Europa.

    Não me sinto menos portista do que a C. ou menos ferrenho do que o M.

    E devo dizer que a forma como ambos olham para os vossos clubes, ou quando invejam secretamente um adversário proibido (Aimar...James...?), têm uma visão parecida com a minha. Quando olham para fora é que não.

    Enfim, desculpem a divagação.

    Vinha apenas convidar-vos para espreitarem o blogue que criei e honrarem-me com um vosso comentário.

    Continuem a deliciarem-nos com os vossos texto. Concordando umas vezes e discordando outras, são sempre um prazer de ler.

    Obrigado.
    PeLiFe
    BASEL84.BLOGSPOT.PT

    ResponderEliminar
  9. Hahahahahahaha :D Concordo totalmente contigo!!!!!!!!!!! O Benfica é que é... Agora uma selecção estúpida como a nossa é que não!! Aquilo parece o Big Brother!!! Passam a vida a passar imagens na tv dos bastidores dos treinos, do hotel, das viagens... E já agora passarem os bastidores dos balnearios enquanto eles estão a tomar banho, não???
    Para mim a selecção portuguesa era o artur, o maxi, o emerson, o luisao, etc...
    Essa historia do Cristiano ronaldo já mete nojo... Contra a dinamarca falhou, falhou e falhou. Contra a Holanda falhou, falhou e falhou mas como lá pelo meio marcou 2 golos, que nem ele sabe como, já o querem fazer o melhor da história.
    A toda a hora e a todo o momento esse idiota é abençoado pela comunicação social apenas e só com o intuito de fazer esquecer o Messi. Esse sim é o melhor da actualidade!!!

    Porque é que o Nelson Oliveira teve que ir desperdiçar o seu tempo para o ingrato do Paulo Bento e a selecção???

    ResponderEliminar