quinta-feira, 14 de junho de 2012

Ronaldo, onde estavas no 25 de Abril?

A reacção do Ronaldo no final do jogo contra a Dinamarca lembrou-me a pergunta celebrizada por Baptista Bastos e tão bem caricaturada por Herman José. Para uma certa geração, era fundamental saber onde toda a gente tinha estado no dia 25 de Abril de 1974. Todos gostavam de se mostrar muito revolucionários, mesmo que tenham passado o dia em casa. Todos coloriam a revolução como queriam, porque ali se tinha vivido História.

Nos grandes momentos, sejam eles políticos ou desportivos, é normal que toda a gente queira deixar a sua marca. Acredito que seja por isso que Ronaldo, frustrado com uma exibição terrível, tenha perguntado aos jornalistas onde estava Messi nesta altura do ano passado, lembrando que também ele tinha dificuldades em destacar-se numa selecção que também ela já teve melhores dias. E acredito ainda que seja porque Ronaldo e Messi são o melhor que a nossa geração pôde ver que os jornalistas continuem a questionar ambos sobre a inevitável comparação, mesmo que o timming seja, por vezes, duvidoso.

Eu não gosto do Ronaldo. Nunca gostei, por isso estou à vontade para falar. Não estou a dizer isto porque ele ontem não jogou uma bosta, ou porque está na moda amar ou odiar o rapaz, mas apenas porque a actualidade assim o obriga. E não vou deixar de o dizer se ele marcar quatro hat-tricks seguidos e der o campeonato da Europa a Portugal. Nem deixarei de o dizer daqui a umas décadas aos meus netos, o Lionel, o Andrés e o Messi. E não gostar do Ronaldo não implica, obviamente, não constatar o seu génio. Para mim, Ronaldo é o segundo melhor jogador do mundo de longe e, na comparação com Messi, elogiarei sempre o facto de ter de trabalhar tanto para tentar ser melhor.

O que eu não gosto no Ronaldo é o que eu não gosto noutro jogador qualquer que tenha o mesmo feitio. Não gosto do estilo superstar, do show-off, dos auto-elogios, da confusão entre "ter personalidade" e ser um arrogante bruto, da namorada que vai a jantares do Obama no dia seguinte a aparecer numa capa em lingerie, do filho pago em segredo, da família espampanante a quem ninguém tem coragem de dizer que é ridícula, das prendinhas da Nike antes de um jogo tão importante. Faz-me rir que o Gaspar, mítico central caceteiro, tenha achado normal andar anos com aquele cabelo amarelo, com uma pinta de quem achava parecer tal e qual o Brad Pitt? Sim, faz-me. Mas o Ronaldo mudar de penteado ao intervalo de um jogo com a Alemanha não me faz rir, dá-me raiva. Porque o Ronaldo é o capitão da selecção nacional e dele esperava que tivesse passado o intervalo a motivar os colegas e não a olhar para o espelho.

Dir-me-ão os acólitos de Ronaldo (sim, porque agora há uma religião e, ou somos todos uns adoráveis crentes, ou somos uns detestáveis ateus) que ele é uma vítima da sua própria fama. Sim, ok, percebo que a imprensa o persiga mais do que ao Hélder Postiga, compreendo que seja uma vida mais interessante. Mas o Messi, o inevitável Messi, o único com acesso ao mesmo patamar, não se mete nestas palhaçadas.

Alegarão os tais acólitos que um jogador de futebol não vale pelo que faz fora do campo. Sim, está bem, o Beckham seria sempre bom sem a sua Spice Girl e o Yannick Djaló nem com a Luciana Abreu lá vai (pausa para lamentar o fim desta relação, que tantas alegrias nos deu). Mas eu adoro futebol, adoro mesmo a sério, e vejo aqueles gajos como heróis, como exemplos, como pessoas que todos os dias fazem parte da minha vida. Não lhes exijo que sejam Nobel da Literatura ou que acabem com a fome no mundo, mas arrepia-me que não tenham o mínimo de respeito e educação, já nem vou dizer comigo ou com o Presidente da República, mas com os miúdos que lhes vão pedir autógrafos porque quando forem grandes querem ser como eles.

O que separa um jogador excelente de um jogador que fica na História está muito longe de ser apenas o futebol. Maradona não queria saber de chefes de Estado (a não ser o de Cuba, claro), mas pintava a rebeldia com tanta inteligência, com tanto humor, que nos deixava sempre a torcer por ele, mesmo quando era pouco mais do que um drogado. Ronaldo é simplesmente estúpido. Não sabe falar, muito menos pensar, e fica muito irritadinho porque os poucos jornalistas que não fazem uma vénia à passagem de sua excelência têm a distinta lata de exigir explicações pelos dois golos falhados só com o guarda-redes pela frente. Todos falham? Claro que todos falham. Mas uns falham, admitem o erro, aprendem com ele e seguem em frente. Este faz birra, coitadinho, porque ouve gritos a Messi onde quer que vá. Meu caro, achas mesmo que a tua profissão, que a tua vida, são um peso sobre os teus ombros? É chato adormecer à noite quando se ganha não sei quantos milhões de euros por ano? Vai à merda que o meu namorado não é rico e tem pessoas a agarrarem-se a ele para que explique a doença ou a morte de um familiar. Isso sim, deve ser horrível. Já para não falar da agricultora de 90 anos que tem de colher a própria comida ou o miúdo que tem de andar quilómetros para ir à escola. Estas pessoas são o teu país e não, não tens de te sentir culpado por seres rico e bom jogador (giro, desculpa, mas é muito subjectivo), mas também não podes esperar que esta gente te deixe em paz quando desistes de uma bola e ficas com aquele ar de “ai que não me apetece ir lá atrás”.

Voltarão os acólitos à carga, porque exigimos muito mais do Ronaldo do que de outro qualquer. E eu roubo a citação ao A., que escreveu que “não se pode querer ser o melhor do mundo e ao mesmo tempo querer sofrer uma pressão semelhante à do Miguel Lopes”. É que é mesmo isso. Ontem assisti ao jogo no meu local de trabalho e vi pessoas a rirem-se quando o Postiga não chegou a um passe inalcançável do Ronaldo e caiu no relvado. Portanto, gozamos um rapaz por não chegar a uma bola, mesmo tentando, por não aparentar ser grande coisa, mas que, afinal, até mostram as estatísticas que é dos melhores marcadores da selecção, mas ai jesus que o mundo vai acabar quando alguém (o grande P.!) questiona por que razão o senhor Ronaldo tem direito a não acompanhar o lateral dinamarquês até à defesa.

Vá, venham-me lá com o argumento que ele veio de uma família pobre e humilde e que é muito difícil ser o Ronaldo. Terei todo o prazer em recordar-vos que, antes de um jogo qualquer da Liga dos Campeões, um jornalista perguntou ao Lucho, nessa altura no Marselha, se sentia muito a pressão. E ele respondeu: “A pressão real é a de um pai que se levanta cedo todas as manhãs para alimentar os filhos. Isso é o que meu pai fez por mim e pelos meus irmãos. Fico espantado quando vejo jogadores a queixarem-se de algo. Levantar-se todos os dias às cinco horas da manhã para ir fazer um trabalho de que não gostamos, isso sim, é motivo de queixa”. Isto, meus caros, é o que distingue os Luchos dos Ronaldos que aí andam. E não peço desculpa por preferir os primeiros.

Se eu acho que o Ronaldo devia ser castigado por aquela exibição, chicoteado em público e colocado no banco no próximo jogo? Não, claro que não. Ronaldo é o melhor jogador português de longe, deixemo-nos de embirrações, e até pode ser Bola de Ouro e tudo o que ele quer. Mas também não me tentem sequer obrigar a ter pena dele, porque isso nunca terei. Muito menos me façam sentir anti-patriota por não beijar o chão que ele pisa. Ronaldo é a imagem de Portugal no mundo, é verdade, por muito que isso me custe. Eu seria bem mais feliz se, na Austrália ou na Rússia, quando disse a minha nacionalidade, me tivessem respondido: “Ah, és do país do Saramago”. Mas não, disseram que eu sou do país do Ronaldo. Por isso, é normal que este país, que a geração que tem o prazer de viver na mesma altura de Ronaldo e Messi, que todos os que sentem tanto o futebol que nunca vão esquecer onde estavam no dia em que o clube venceu a Champions ou que a selecção foi à final do Euro, exijam mais dele.

P.S. O abraço de João Moutinho a Varela após o golo deste foi das coisas mais bonitas que eu já vi. Emocionou-me mesmo. Deve ser por serem do FCPorto. Sim, agora que penso nisso, às tantas, é por causa disso.

24 comentários:

  1. Brilhante. Azeiteiro é o segundo melhor do mundo.
    Podia era ser homenzinho.

    ResponderEliminar
  2. Fantástico C. concordo com tudo em genero, numero e grau!!

    ResponderEliminar
  3. É sempre um prazer ler o teu Blog...

    ResponderEliminar
  4. Sempre pertinente, sempre a encontrar as palavras certas. Subscrevo quase na totalidade: na totalidade no que diz respeito a Ronaldo, mas não naquilo que é a tua opinião relativamente à selecção. Amo mais o nosso FCP, mas tenho uma paixão infinita pela nossa selecção. Amor e paixão, dois sentimentos diferentes.

    ResponderEliminar
  5. Cara Portista,

    Que bem que você escreve. Já pensou em fazer um desses workshop's da moda de escrita criativa e dedicar-se às letras? É que tem tudo para ter sucesso,passa sentimento, uma escrita fluida e bem estruturada. Escreva qualquer coisa mais séria (não quer dizer que o que faça não seja sério).

    Isto tudo para lhe dizer que sendo tambem Portista e Portuense concordo com tudo o que escreveu em relação ao "azeiteiro".

    Um abraço de um portista até de nome.

    Fernando Couto

    ResponderEliminar
  6. Parabéns! Excelente prosa. A fazer lembrar o BB nos seus tempos aureos! Obrigado por esta perola da escrita.

    ResponderEliminar
  7. C.

    não vou repetir os elogios (merecidos, claro!), para não ser chato.
    o que me levou a escrever estas linhas foi o teu post scriptum; isso, sim! é que merece ser enaltecido.

    (e penso que vocês - tu e o M. deveriam considerar seriamente a possibilidade de editarem os vossos melhores posts)

    cumprimentos cordiais a «ambos os dois»
    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar
  8. Sai mais um bem escrito.
    E viva o Benfica! :)

    ResponderEliminar
  9. Boas,
    Cara C., estou completamente de acordo com o texto!

    Cumprimentos

    Ana Andrade

    www.portistaacemporcento.blogspot.com
    www.artigosonlineanaandrade.blogspot.com

    ResponderEliminar
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  11. C.
    Embora goste do Ronaldo.
    Concordo inteiramente em muitos dos aspectos contigo.
    Continua a escrever assim, porque nós(eu)precisamos.
    OBG
    Tiago Cunha

    ResponderEliminar
  12. É isso Ronaldo parece que está a fazer um frete...

    ResponderEliminar
  13. Boa divagação, mas não tem nada haver com futebol.

    "Voltarão os acólitos à carga, porque exigimos muito mais do Ronaldo do que de outro qualquer." - Ele provavelmente não terá muito mais a dar, são 66 jogos de alto nível num ano. Basta relembrar que 66 jogos são mais de dois campeonatos portugueses num só ano.

    ResponderEliminar
  14. Respostas
    1. As expressões "ter a haver" e "ter a ver" ainda são matéria de discordância, mesmo entre linguístas. Se é para entrar por aí, não vale a pena discordar de si.
      Isto não é gostar de futebol, é gostar do circo.

      Eliminar
  15. texto brilhante. parabéns!
    concordo contigo em tudo.

    ResponderEliminar
  16. filho comprado?? não fales do que não sabes menina!!!!
    Não gostas dele mas falas nele em metade dos teus posts.
    Mas ja que gostas tanto dele faz um post hj do jogo contra a holanda ahahahahahahhaahh
    ele é um genio, quer queiras quer não, deixa a vida pessoal do rapaz em paz, pois só diz respeito a ele e á familia, mas n tens argumentos a nivel desportivo para falar dele não é??
    Força CR7 a caminho da BOLA DE OURO (para mal e inveja de muita gente ;))
    há e já agr n apagues o meu comentario outra vez, pois é sinal que não sabes lidar com opinioes contrrarias às tuas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Portanto, o importante é o que ele joga, mas o senhor ou a senhora começam o comentário a falar do filho. Primeira incongruência. Não falo dele em metade dos meus posts. Segunda. Disse que nunca gostei nem me vejo a vir a gostar (a menos que viesse para o Porto) por isso não faz sentido que me peça para escrever sobre ele agora. Terceira. Ele é um génio é uma frase que consta do texto. Quarta. A da inveja não percebo, porque eu não estou na corrida à Bola de Ouro. Quinta. E, por último, eu não torço pela selecção, mas penso que hoje a equipa fez um grande jogo. Tenho pena que quem torce venha a correr aqui a este blog quando o jogo acabe para demonstrar uma raiva que eu não compreendo.

      Eliminar
    2. C. foi mesmo uma pena não teres apagado este comentário e outros com tão pouco nivel. Poupa quem te entende apaga, apaga, apaga.

      Eliminar
  17. C,

    Escrevo isto após o jogo da Holanda ! Concordo absolutamente contigo ! Aliás, o ronaldo não tem estatuto para capitão da selecção, como se viu aquando dos dois últimos golos com a Dinamarca ! Nem festejou com os colegas ! Existe uma cambada (corja) nacional que é incapaz de citicar o ronaldo e o mourinho, e se enxufram todos, quando alguém o faz. Foram 48 anos de salazarismo ! Fico por aqui. Parabens, pelo teu óptimo texto !

    ResponderEliminar
  18. Falar sem se saber o que se fala é muito fácil...

    Não têm a minima noção do que falam.

    Cristiano Ronaldo não é perfeito, e???
    Qual o problema?
    Algum dos que aqui postam ou comentam são perfeitos??

    Quem viaja muito, não é o meu caso, infelizmente, sabe bem o que é ser-se Português.

    E Cristiano Ronaldo teve, tem o mérito de à custa do seu trabalho, e só do seu trabalho, de ser considerado um ícone Mundial.
    Um dos melhores da sua profissão.
    Tem talento? Sim, tem, e quantos não têm tanto ou mais talento que ele e não consiguiram ser o melhor da rua quanto mais um dos melhores do Mundo.

    Sabem realmente aquilo que penso?
    Inveja.
    O típico Português não consegue ver ninguém bem.
    É porque tem muitos carros, é porque come muitas gajas, é porque gasta muito dinheiro.

    É dele, ganhou-o com muito esforço, muita dedicação a uma profissão que ama.

    Somos todos obrigados a gostar do Cristiano?
    Claro que não, agora usar como argumento que ele mudou de penteado ao intervalo é no minimo... estupido!!!

    ResponderEliminar
  19. O Ronaldo mudou de penteado ao intervalo desta vez???

    ResponderEliminar