quarta-feira, 18 de julho de 2012

Deixaremos sempre jogar o Mantorras

A primeira imagem que tenho de Pedro Mantorras é a de um longínquo alverca-sportem. Surpreendentemente, eu torcia pelos da casa. De repente, vejo um homem negro, desajeitado, a pegar na bola e a fintar os verdes todos confusos. Na minha memória, ele tinha marcado três golos e eu tinha festejado cada um deles como se ele fosse o meu irmão mais velho. Vejo agora, à luz do tempo e do zerozero.pt, que só marcou um. Também eu, portanto, sou uma vítima do fenómeno Mantorras.

Nos dias seguintes a esse jogo, lembro-me do frenesim pelo jovem de 18 anos (alguém ainda acredita nisso?) do alverca. Já toda a gente o queria, mas ele lá foi para o benfica, numa derrota estrondosa para os rivais. Em pouco tempo, Pedro Mantorras tinha meio mundo atrás dele e já valia 18 milhões de contos. Crianças e adolescentes que não sabem o que isto significa: estamos a falar de 90 milhões de euros. Parece-vos um exagero quando falamos de uma promessa do início dos anos 2000? Então vocês não conhecem o Mantorras.

Pedro Mantorras foi, durante muitos anos, o rapaz africano que reavivou as memórias coloniais de Eusébio e Coluna. Para os adeptos do benfica – e estou convencida que não só -, torcer por ele era uma forma disfarçada de ter pena de outra raça. Reforço que, durante muitos anos, ele foi um pobre rapaz de origens humildes que só gostava de jogar à bola. Mesmo quando já não era rapaz, nem era pobre. Não me entendam mal: o pobre do rapaz não fez nada por isso, além da figura triste de ir a uma conferência de imprensa pedir que o deixassem jogar. O marketing sem escrúpulos, à moda de Luís Filipe Vieira, é que se aproveitou dele para vender muitos kits de sócio por todo um continente. Se o Mantorras fosse branco, não lhe teriam feito o mesmo.

Mas a verdade é que Pedro Mantorras tinha mesmo uma aura. Lembro-me bem da época de 2004/2005, quando o benfica foi campeão com várias vantagens de apenas um golo. O M. diz sempre que foi tudo graças ao Trapattoni. Eu sei que foi culpa do Mantorras. Era ele que entrava sempre a poucos minutos do fim, com um joelho para cada lado e com aquele ar de quem não faz mal a uma mosca, e que desempatava aquela merda quando eu já estava a preparar-me para sair para os Aliados. O Mantorras fazia-me mal.

Quando Pedro Mantorras iniciava o aquecimento, a luz ia abaixo. Na minha terra dizia-se que o benfica marcava sempre mais um golo fora do campo, e nem sequer estávamos a falar das habituais ajudas da arbitragem. Quem foi àquele estádio e assistiu a um desses momentos, nunca se há-de esquecer da sensação de surrealismo, de entrada numa outra dimensão, em que o jogo pouco interessava porque o Mantorras estava lá.

E o mais engraçado é que o Mantorras nem sequer lhes passava cartão. Recordo-me perfeitamente de um benfica-leiria em que os lampiões perdiam por 0-1 num jogo muito importante de um campeonato decidido ao ponto. Trapattoni, fino como um raio, comete um acto de desespero e mete a jovem promessa que nessa altura já devia ter uns 19 anos e três meses. Aos 93 minutos, Mantorras empata o jogo. E pensam vocês: e foi a correr buscar a bola e colocou-a no centro do campo para tentar marcar o segundo, consagrar uma reviravolta histórica e colocar o benfica numa melhor posição na luta pelo título? Não. O Mantorras não. O Mantorras ficou a festejar durante largos minutos, com os companheiros a acharem aquilo muito estranho, mas com os adeptos histéricos com o empate. Para eles, o Mantorras era a única coisa maior do que o benfica.

Felizmente para a geração de portistas que ficou traumatizada com estes golos no último minuto à Mantorras, na qual me incluo, a estrelinha não durou para sempre. Com o tempo, o fenómeno transformou-se num problema. As lesões, as operações, os médicos, um livro, tribunais à mistura, muito ficou por explicar. Os mais crentes ainda hoje defendem que Pedro Mantorras, num clube decente e, sobretudo, com um presidente decente, teria sido um jogador extraordinário. Eu, se me esquecer daquele alverca-sportem, tenho muitas dúvidas. Do que eu tenho a certeza é que, como se voltou a ver hoje, num amigável apitado por… adivinhem lá… “pode ser o João!”, a parolada da luz nunca mais vai ser a mesma. E até a águia fugiu!

34 comentários:

  1. "parolada da luz" isto já é facciosismo, obsessão contra os adeptos do Benfica! Não havia necessidade de ofender. Você gostava que dissessem mal de vocês portistas? Acho que não! Lá por ser de um clube diferente, aprenda a respeitar as pessoas, é por isso que esta rivalidade entre a Capital e a sua terra nunca mais tem fim e está cada vez pior! Como jornalista dê o exemplo e não incentive a violência que é o que dá com estas atitudes!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo:

      Eu não escrevo aqui como jornalista, por isso escrevo o que eu muito bem entender. Chama-se liberdade de expressão, tal como o caro anónimo tem liberdade de não ler o meu facciosismo orgulhoso.
      Quanto à necessidade de ofender, como muito bem refere um leitor em baixo, chama-se rivalidade e é o pão nosso de cada dia neste blog. Aliás, o próprio anónimo, no calor do comentário, distingue "a Capital" da "sua terra", portanto seja bem-vindo ao mundo da obsessão.

      Cumprimentos

      Eliminar
  2. Por seres doente (no bom sentido), eu sei que sabes estas coisas e que optas por as ignorar na altura de escrever sobre o Benfica. Mas convem explicar o contexto do golo do Mantorras ao Leiria: http://www.zerozero.pt/edicao.php?jornada_in=29&id_edicao=495&fase=10260 . Valia portanto, na altura, a manutencao da lideranca isolada num "campeonato decidido ao ponto".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso tinha na ideia que o jogo tinha sido mais cedo. Mais um trauma Mantorras, portanto.

      Eliminar
  3. Cara C.

    Obrigado por mais um texto delicioso.
    Eu também me incluo na "geração de portistas que ficou traumatizada com estes golos no último minuto à Mantorras".

    Ao Anónimo de cima,

    Tenha santa paciência. Dizer parolada é incitar à violência?
    É do mais ridículo que tenho lido.
    Rivalidade é para si um conceito desconhecido, portanto.
    Tenha o mínimo de bom senso antes de vir atacar os outros.

    Cumprimentos,
    PeLiFe
    BASEL84

    ResponderEliminar
  4. ao anónimo, vens dar imagem de virgem ofendida e dps revelas-te como o perfeito anormal que és. qto ao mantorras, teve o azar e a sorte do lado dele na carreira, azar pelas lesoes e sorte pela trafulhice do 'dumbo' no milhaozinho que nunca apareceu nas contas do alverca e agora tem ali uma reforma dourada para a vida so para estar calado! cumps.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. É só isso, Ribeiro, ofender os outros, não tens melhor?
      A respeito da tua inveja pelo "milhãozinho" de LFV, recordo-te que o caso foi arquivado em 2007, e o MP concluiu que "foi apurado que não havia qualquer ilícito criminal".
      Vou pôr mesmo em bold para te facilitar a leitura!

      Eliminar
    3. Se para uns lados o MP não encontra ilicito criminal e isso basta para se ser inocente, então quando o juiz não condena também devia bastar.

      Eliminar
  5. As raças não existem, as vitórias são o que são... o respeito é sempre maior, sempre!

    ResponderEliminar
  6. Nesse alverca-sporting ele realmente fez dois golos, mas o erro de pensar que foram 3 não é por ai alem grande. Se não estou em erro foi o angolano que colocou a bola no mitico Milinkovic para o golo deste. Curiosamente nos confrontos entre a equipa do LFV e o lagartame, houve efectivamente um tipo a fazer um hat trick, sem que ninguem tenha reparado nisso... foi o nandinho e realmente para o nivel de futebol que ele jogava, é bom que se esqueça o nome dele, excepto se nos quisermos lembrar dos craques estranhos que fizeram a historia do Gil Vicente, juntamente com Carlitos, Caccioli, Lila, Tuck, Zé da Rocha e claro o enorme zairense Makopoloka Mangonga , talvez o primeiro Mantorras a atravessa-se no caminho de nandinho. ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi só um, fui confirmar a várias fontes. Eu teimei nos três, o M. também insistia nos dois, mas a confusão deve ser com o primeiro golo, cujo cabeceamento é dele, mas a bola é salva na linha e há um segundo remate. O segundo é mesmo dele e o terceiro é assistência dele também. Enorme Mantorras, nesse dia

      Eliminar
    2. C,

      Certissimo: José Antonio (que penso ter assinado esta semana pelo porto B), Mantorras e Milinkovic. Uma vida inteira convencido que o homem tinha feito dois e afinal foi só 1... grande cepo...

      Abraço

      Eliminar
  7. Em sentido inverso, dos embates entre porto e leiria, também eu me recordo perfeitamente de uma final da supertaça realizada em Agosto de 2003. Em especial, retive o golo " muito polémico" que deu a vitória ao clube do norte e que envolveu os jogadores costinha e helton, na altura guarda-redes do leiria. De assinalar igualmente a expulsão do então jogador do leiria e futuro jogador do porto joão paulo, não contestada pelo próprio.
    Árbitro da partida? O "tem que ser proença", como se veio a verificar mais tarde, em sede de investigação criminal, já que o mesmo foi "sugerido" por pinto da costa a pinto de sousa, tendo este último "acatado" a "sugestão". Este jogo motivou igualmente uma investigação por aliciamento a um jogador do leiria, o qual teria recebido (dizia-se) 25 mil euros para "facilitar" a derrota da sua equipa.

    Lembro-me também que uns meses após este jogo foi disputado um porto- leiria para o campeonato, tendo o clube da casa vencido por 2-1.
    Maciel, contratado um mês antes ao leiria, marcou o segundo golo após falha clamorosa de...helton, ao não conseguir pontapear a bola, deixando-a à mercê do ex mas futuro colega que marcou perante uma baliza deserta.

    Ninguém viria a ser criminalmente condenado.

    Parolos, os benfiquistas? Sim, muito!!

    Arquiduque das Águias Livres

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho que o david luiz recebeu uma luva para gatinhar atras do Hulk nos 5-0.
      Deviam investigar isso.

      Eliminar
    2. esta foi a melhor que li nos últimos tempos.... looooooool

      Eliminar
  8. Realmente, o FC Porto nesse ano e com a equipa que tinha pagou a UM jogador(era o Messi da altura) do Leiria(esse colosso do futebol mundial) 25mil euros para este facilitar a derrota.Foda-se.

    Pergunto-me, quanto é que os jogadores do Benfica andam a receber do FC Porto para facilitarem as derrotas.

    Quanto ao Mantorras, só tenho a dizer que é mais um mito criado pelos benfiquistas para naquela altura terem alguma coisa com que se vangloriarem.Lembro-me que havia jogos em que o Benfica até estava a perder e já afastado do titulo o homem entrava, era o êxtase total na bancada.LOL.Àh, e pelo que se consta convem tratar bem o Mantorras não vá o homem falar demais sobre a polémica transferência do Alverca, já agora que é feito do Alverca?

    Saudações, e mais um grande texto da C.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Entre as polémicas protagonizadas por D'Onofrio no nosso país, o destaque vai provavelmente para a acusação de corrupção e suborno subscrita por outro belga, o jogador Cadorin. Em 1986, o avançado do Portimonense revelou que D'Onofrio lhe prometera 500 contos e uma transferência para o FC Porto ou um clube da Itália ou da Suíça se Cadorin provocasse um penálti no início do jogo Portimonense-FC Porto (o FC Porto, curiosamente, acabaria por perder esse jogo - com um golo marcado por Cadorin).
      Contactado em Junho de 2006 para comentar os recentes problemas de D'Onofrio com a justiça francesa, Serge Cadorin recusou-se categoricamente a prestar qualquer declaração on the record. "Vivo em Liège e não quero mais chatices", disse.».

      In DN

      Eliminar
    2. "Ele viu, não quis foi marcar."

      Se isto não teve castigo, depois são só as pessoas relacionadas com o FCP que são corruptas.

      Eliminar
    3. O corrupto teve direito a arbitrar duas finais europeias e quem tem que ser punido é o que denuncia a corrupção.
      Tipicamente portoguês.

      Eliminar
  9. Todo este texto se resume numa palavra, INVEJA! Inveja por no porto nunca terem tido um jogador com o impacto do Mantorras junto dos adeptos! Sim o Mantorras podia ter sido um craque. Basta recordar um golo de livre directo a 40 metros de distancia contra o vitória de setúbal na sua primeira época com o manto sagrado vestido!

    Saudações Benfiquistas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Felizmente, o FC Porto ainda não chegou ao ponto de a única coisa ter para comemorar ou festejar ser a entrada de um jogador em campo.

      Eliminar
    2. Já ouviste falar em DECO, CAPUCHO, VITOR BAÌA, HULK, FERNANDO GOMES, FALCAO, JUARY, MADJER, DERLEI, JORGE COSTA, ALOISIO, ANDRE, FUTRE, HELTON..... looooooool esses sim, verdadeiros campeões.
      INVEJA?!!! de um clube que nos ultimos vinte anos ganhou 2 campeonatos?!!!!!
      loooooooool

      Eliminar
  10. AWESOME!!

    Deixem jogar o Mantorras!

    Espectacular, eu pensava que só os adeptos de Glorioso S.L.B. tinham na memória essa imagem do Mantorras mas estava errado.

    Recordo-me de gritar com o Trapattoni para fazer a substituição.
    Lembro-me da tortura de ter de esperar pelos últimos 5’ para o Glorioso começar a jogar. Os restantes 85’ eram só para cumprir calendário, serviam de aquecimento para o “verdadeiro jogo” que começava com a entrada em campo do Mantorras.

    Ele não conseguia correr, fintar ou passar mas marcava sempre…

    Descrição sublime da época 2004/05 e do “trauma” de uma geração.

    Abraço
    D.

    Post Scriptum I: Caro M. Trapattoni também merece um post. O treinador que a perder fazia entrar mais um defesa para defender o resultado e mesmo assim foi Campeão.

    ResponderEliminar
  11. Ó pá, esse jogo em que empatou 1 a 1, foi decidido ao ponto. Nesse jogo Mantorras deu-nos o campeonato (e noutros do mesmo género).
    Os que não entendem o facto muito simples de o Mantorras ter sido um grande jogador que acabou muito cedo, devido às tais lesões,e vem com estorietas da treta sobre a idade do gajo, ou outras coisas ainda piores: há que ter pena de tal gente, apenas porque decidimos ser racionais sobre isto da bola, e não a cambada habitual de imbecis.
    Eu, um benfiquista igual a todos, mas absurdamente racional, ainda me lembro de jogos absurdamente maravilhosos do Timofte no Porto, e isso é razão suficiente para o que estou a dizer sobre o Mantorras. Recomendo a grupoanálise: é o melhor para desenterrar as imagens escondidas dentro do nosso cérebro frágil.

    ResponderEliminar
  12. O Pedro Mantorras sempre jogou num clube decente. Aliás, não sei o que é a sua definição de clube decente. Imagino que, decência, seja um presidente de um clube receber árbitros em casa...

    É público que o seu clube o queria. Já que gosta de consultar várias fontes não será difícil encontrar tal informação.

    "Pedro Mantorras foi, durante muitos anos, o rapaz africano que reavivou as memórias coloniais de Eusébio e Coluna... torcer por ele era uma forma disfarçada de ter pena de outra raça."
    Bem, nem sei bem o que dizer o perante tão brilhante conclusão. Vislumbrei racismo? Digo-lhe apenas que outros africanos estiveram no clube no período de tempo que mediou entre Eusébio e Mantorras.

    Havia um grande potencial em Mantorras. A vertente técnica e a vertente física eram as suas grandes armas.
    Não se consegue entender porque era tão mau ao ponto de Barcelona e Milan se interessarem tanto pelo jogador angolano...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Blá,blá blá....

      Eliminar
    2. Barcelona e Milan? Ahahahah!!!!!
      É mais outro como o Luisão e como o Cardozo. Anda mundo e meio atrás dos dois mas nunca os levam. Já o Concentrão saiu(por alguma razão foi).

      Eliminar
  13. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  14. Paguem o que devem aos atletas. O do hóquei teve de se pirar pela segunda vez e os do básquete suspiraram de alívio. Agora já podem jogar onde lhes paguem.

    ResponderEliminar
  15. Sonhavas ter a classe do teu esposo, tripeirolas :D

    ResponderEliminar
  16. Mantorras não tem igual, nem cristiano ronaldo, nem Messi desculpem, mais o que fez mantorras nenhum jogador do mundo vai fazer, ou alguem fez se nao mesmo o mantorras, mesmo lezionado dava-nos o ar da alegria, nao digo por ser angolano nao todo mundo é testemunha do que mantorra foi capaz de fazer, mantorra sempre mantorra. nao vai existir angolano, que sai do gira bola para outro campeonato singrar como ele fez nauca. Domingos Fernando Mbovo fã de messi tem como seu idolo Mantorras, gostaria de ver mantorras um dia em Benguela onde vivo.

    ResponderEliminar