segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Carta ao nosso mister

Caro Jorge Jesus,

Venho por este meio dedicar-lhe algumas linhas, agora que sabemos que lê os blogs. Se realmente o  faz é porque é um homem inteligente. Perceber o que sentem os adeptos é muito saudável, mesmo que seja pela via tecnológica. Num futebol cada vez mais longe de quem verdadeiramente sente os clubes, se for verdade que vem saber o que nos abala os corações, ficamos contentes.

Estamos em primeiro empatados com o Porto e o mérito é muito seu, verdade seja dita. Com qualquer treinador menos apto, há muito que estaríamos a 10 ou mais pontos do Porto, já perdidos em guerras internas. Inventou bem Enzo Peréz a médio centro (não me agrada, mas é o que há), não deixou cair Ola John e fez de Matic um médio centro imperial, senhor do jogo, quando nos parecia um matulão louro meio copinho de leite. O mérito é seu. Mais: em Braga jogou, finalmente, com 3 médios centro, com Enzo a 8 e Gaitan a 10 e desbaratou a defesa bracarense, conseguindo, finalmente, ter algum controlo (pelo menos na primeira parte) num jogo difícil. Nota-se que o senhor aprendeu, que estudou. Reparou como fomos mais ofensivos com 3 médios e 1 avançado do que com 2 avançados lá à frente, sem a bola lhes conseguir chegar? É disso que falamos nos blogs e no Estádio da Luz.
Nota-se a diferença no discurso, que já não é tão fanfarrão e agradecemos isso. Notou-se algum assumir que é da casa, quando pediu a final no Jamor, coisa que nunca poderia fazer se treinasse o Porto. E, como é público que é dos listados horizontais, agradecemos esses pequenos gestos.

Eu não sou treinador de futebol e é vaidade minha isto de achar que me vai ler, mas se realmente lê os blogs, talvez encontre estes meus humildes conselhos. Em primeiro lugar, peço-lhe que pense quase exclusivamente no campeonato. As 14 vitórias em 17 jogos, o bom futebol, tudo isso se esquece se ficarmos em segundo. Interessa ser campeão e mais nada. Não queremos saber da Liga Europa, não queremos saber da Taça da Liga. A Taça de Portugal é, praticamente, uma obrigação e pouco chocará com as contas finais do campeonato. Mas os outros troféus podem ser uma maçada que nos distrairá do essencial. Lesões, cansaço, enfim, essas coisas. Abdique, sem vergonhas. O 11 titular é para o campeonato. Com o Leverkusen podíamos jogar com Artur (ou mesmo Paulo Lopes), Cancelo, Jardel, Miguel Vítor, Luisinho; André Almeida, André Gomes, Aimar; Urreta, Ola John e Rodrigo. Eu sei, eu sei, "olha-me para este que chega aqui, escreve no blog e já quer ditar o 11". É uma sugestão. O que lhe quero dizer, mister Jesus, é que poupe os melhores para o campeonato.

É que o campeonato está como a liga escocesa antigamente, em que o Celtic e o Rangers ficavam centenas de pontos à frente. Num campeonato assim, qualquer empate é um desastre. E com os 8 (oito!) jogos que significariam uma grande campanha na Liga Europa, seria praticamente inevitável que esses malfadados tropeços chegassem (lembra-se como chegámos o ano passado a Alvalade? De gatas.). E agora, sem Nolito e Bruno César (sim, eu sei que a culpa não é sua), torna-se tudo mais difícil e delicado de gerir. Antecipando que os azuis passam o Málaga e que a cabeça dos jogadores deles se desviará inevitavelmente para uma grande Champions (os jogadores sabem que é ali que se vendem), será nessa fase em que eles - provavelmente - poderão tropeçar. E eles não podem - é a Champions - meter os suplentes na Europa, percebe? Isso dá-nos uma vantagem. Faça-o. Descanse os nossos para o que interessa. 

Sinto a equipa cansada - e o mister referiu isso ontem. Eu sei que a nossa principal qualidade, especialmente neste campeonato, é a maneira como partimos os adversários com tanta gente na frente, com aquele frenesim todo. Mas era bom que a equipa estivesse mais trabalhada para a posse de bola. Não que seja esse o modelo, mas que usasse isso para descansar mais, para não se rasgar e para não correr tantos riscos. Somos muito verticais, percebe, mister? Eu sei que me percebe. Pense nisso, a sério. 

Mais uma coisa: quando jogamos com o Lima e o Rodrigo na frente, ponha o Rodrigo mais adiantado e o Lima mais atrás. O Rodrigo recebe e distribui mal naquela posição. Quando recebe a bola fica sempre longe do pé e normalmente nunca percebe se o extremo quer a bola no espaço ou no pé. O Lima é muito melhor nisso e o Rodrigo é muito melhor nas diagonais a rasgar a defesa, que serão mais frequentes se ele estiver mais adiantado.

Pronto, já o macei muito, deve ter outros blogs para ler e equipas adversárias para estudar. Um dia falamos sobre a sua renovação. Muito obrigado por passar por cá. Qualquer coisa, deixe um comentário. 

Um abraço, Manel

8 comentários:

  1. Subscrevo, redigido com a calma e astúcia que o Benfica precisa de ter nos próximos desafios.

    ResponderEliminar
  2. O treinador de bancada pode ter vários níveis. Neste caso já é o catedrático que se exprime…
    Também chamado, treinador de bancada com olho clínico!

    No ano passado o JJ ou a direcção por ele, devia ter estabelecido uma hierarquia nas competições a disputar/conquistar.Com prioridade no campeonato, naturalmente.

    Sou fã do JJ e se ele é dos listados horizontais mais uma razão, além do belo trabalho, para que a direcção renove já o contrato.

    Saudações Benfiquistas Nortenhas!

    ResponderEliminar
  3. Caro Jorge Jesus:

    Antes de mais nada, obrigada por me ter deixado ser campeã na Luz ao colocar os suplentes contra o portimonense no jogo anterior.

    Depois, não se deixe ir pela conversa do M.. Jogar com três médios é para mariquinhas e não dá direito a nota artística.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. clap! clap! clap! clap! clap!
      (aplausos. aliás: standing ovation)

      abr@ço
      Miguel | Tomo II

      Eliminar
  4. Antes do mais "Chapeau" ao comentário da C. aqui acima. De-li-ci-o-so!

    Quanto à carta do M., apenas um reparo: Vozes de céu não chegam ao burro. O Benfica, por todos os pergaminhos que tem aquém e além fronteiras não se pode dar ao desplante de jogar a Liga Europa com suplentes. Poderá, quiçá, utilizar um ou outro não titular, mas decerto que passando esta eliminatória (o Estugarda está perfeitamente ao alcance deste Benfica) os "pergaminhos" de Grande Europeu voltam a subir à cabeça de toda a imprensa desportiva e lá vai o JJ embalado no canto da Sereia.

    Em relação ao Porto, a questão nem se coloca, a menos que cheguemos à Final da Champions. Qualquer jogo é para ganhar, e os do campeonato estão sempre primeiro.

    P.S.: Eu se fosse o M. escrevia uma carta urgente ao presidente Vieira (não lhe vou chamar "orelhudo" por cortesia) a pedir para contratar o Zeman (treinador da Roma em vias de ser despedido) para quando tiver de despedir o messias. É porque há que manter o estilo de jogo à Benfica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Enganei-me no clube alemão. Referi o Estugarda quando de facto é contra o Bayer Leverkusen que o Benfica vai jogar. É caso para dizer que a emenda é melhor que o soneto.

      Eliminar
  5. É isso rodar a equipa na Liga Europa porque o que queremos é ser campeões fazer a dobradinha já temos um pé no Jamor por isso...

    CARREGA BENFICA!!!!

    ResponderEliminar