domingo, 28 de abril de 2013

Benfiquista de Faro

No infantário e na primária eu tinha que me defender do J. e do T., dizendo-lhes que, apesar de viver em Faro, eu tinha nascido em Lisboa, e que portanto podia ser do Benfica à vontade. O J. simpatiza com os lagartos, mas é do Farense. O T., companheiro de carteira, é do Benfica, mas só muito depois de ser do Farense. Nenhum hesitava quando o seu “2º clube” ia lá jogar : eram farenses, eram do Farense.
Serve isto para mostrar, como diz o hino, “do que a gente de Faro é capaz”: era-me permitido ser do Benfica, não por o Benfica ser o Benfica, mas porque eu tinha nascido em Lisboa (mesmo que, aos 4 anos, Lisboa representasse para mim a casa dos meus avós – que era em Oeiras – e o Jardim Zoológico, que eu tinha visitado uma vez). 

Com os anos comecei, também, a ir ao São Luís e torcia pelo Farense contra todos – com especial fervor contra Porto e Sporting – menos, claro, contra o meu Benfica. Cresci com o Hajry, Serôdio, Mané, Pitico, Rufai, Hassan, Hugo e, claro, Paco Fortes. Não gostava do verde alternativo, mas simpatizava com o ambiente, com as tardes de sol, e com o facto de quase ninguém lá ganhar.
Lembro-me dos Farenses – Porto de 92/93 e 93/94, 1-0, com golos de Hugo e Stefanovic, respectivamente. No primeiro, não fossem Dino e os irmãos Calheiros, tinha sido a oferta de um campeonato para o Benfica, e o segundo, de noite, custou o cargo a Ivic. Era-me, portanto, difícil não simpatizar com o clube. Apesar de também o Benfica passar mal no S. Luís (eu estava lá, quando levámos 4-1), o clube tinha uma identidade, um fervor ao qual era impossível ser indiferente. O Farense era o único clube que tinha um treinador há não sei quanto tempo e as tardes de última jornada, com o estádio cheio e a precisar de uma vitória para não descer davam-lhe uma aura que os diferenciava da restante classe média-baixa do futebol português.



Quando vim para Lisboa abateu-se a desgraça sobre o Farense. De clube praticamente invencível em casa, passou às distritais, a ser forçado a jogar com os juniores porque não podia inscrever os seniores. Como Salgueiros, Boavista e Estrela da Amadora, o Farense parecia condenado. Hoje provou-o que não.
Hoje regressei ao S. Luís e tive pena que o T., cuja crise o obrigou a emigrar para longe, não pudesse ver o estádio onde tantas e tantas tardes passámos juntos à pinha, novamente local de romaria de uma terra. Um estádio com camisolas de muitas épocas, onde várias gerações (como a minha) foram recordar os tempos do S. Luís cheio, impossível para os adversários, como na vitória por 4-0 ao Marítimo em 95, que acabou com o estádio a cantar o “bailinho da Madeira”. 

Foi uma tarde à antiga, num estádio onde se pode beber cerveja, onde há tochas, fumos e bandeiras. Onde os miúdos invadem o campo para jogar à bola no intervalo. Isto, obviamente, é a minha visão de Benfiquista, que foi passar uma tarde porreira, antes de se enervar de morte com o jogo na Madeira amanhã. Mas foi uma tarde para recuperar outras memórias (”o futebol é o nosso regresso semanal à infância”) e para me lembrar de que, além do Benfica, gosto do jogo. Das suas gentes, dos seus surrealismos, dos rituais.


O Farense ganhou num jogo com duas bolas ao poste, com 3 golos anulados por fora de jogo (no terceiro um adepto despejou uma cerveja para cima do fiscal de linha. Imperdível.) e com um penalty sacado pelo estádio. A invasão de campo final, com o mítico hino do Farense a passar nos megafones envelhecidos, foi o corolário de anos de sofrimento. A vitória do Farense fez-me sorrir, mas deve ter feito chorar todos os que sofreram a bom sofrer todos estes anos.
O J., percebo pelo facebook, estava lá. O T., no Brasil, deve ter recebido mensagens de loucura. Vou dar-lhes agora os parabéns. Estes anos todos, talvez já não pegue a desculpa de ser do Benfica por ter nascido em Lisboa. Mas acho que, passado tanto tempo, e com a felicidade da subida, nenhum dos dois me vai chatear com isso hoje.

8 comentários:

  1. Excelente. Por alguma estranha razão que não sei explicar (visto que não tenho nenhuma ligação a Faro, nem ao clube), sempre foi o meu segundo emblema também. Lembro-me de escutar os relatos na rádio só por causa do Farense.
    Sempre que podia, ia vê-los quando visitavam a Luz, e também me dirigi a Campomaior, para poder ver o Farense também.
    Espermos que não volte a cair deste patamar!

    ResponderEliminar
  2. Foi bonita a festa,pá.Treze mil pagantes,para ver um jogo de subida na segunda B,é o corolário de um numero,cada vez maior de apoiantes,que voltam a acreditar no clube.

    Nuno

    ResponderEliminar
  3. Lembro me perfeitamente dessas equipas do Farense. Chegaram a ir a uma final da taça, que não me lembro se ganharam ou se perderam pro Estrela.
    Já agora é também o regresso do grande Académico de Viseu, que juntamente com o Chaves fizeram que acontecessem 3 belos regressos ás competições profissionais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. perderam na finalíssima por 1-0 depois do empate no jogo da final. eu também sou benfiquista mas adepto do farense do tempo de outros jogadores - bukovac, fortes (como jogador), jorge andrade, spassov, vitor santos, pereirinha (sim o pai do actual), carlos pereira, vitor duarte ...

      Eliminar
    2. Mas os mais antigos que me lembro, ainda antes da chegada do fortes é do skoda, do vilaça e do sanhá. sei que faziam equipa com o alhinho e o cajuda, mas não tenho recordação de ver estes 2 últimos a jogar ao contrário dos outros - o skoda era o pivot da equipa, o nr10, e o vilaça era o lateral raçudo e o sanhá um guineense alto com pouco jeito mas que ia marcando os seus golos num estilo muito peculiar mas em voga naquela época, seria um amido baldé do final dos anos 70. lembro-me de ver as ré-épocas no são luís e depois de os ir ver ao barreiro, aliás ao lavradio, à tapadinha e a outros campos perto de lisboa

      Eliminar
    3. Se esse Alhinho for o Carlos Alhinho, é também um dos maiores mitos do Académico. :)...Mas só me lembro dele como treinador do Académico, julgo ter sido ele o treinador na nossa ultima aparição na 1a divisão 89/90. Foi também a 1ºa vez que vi o Benfica ao vivo, colado ás redes tal foi a enchente. O unico grande a vencer em Viseu nessa época, golo de Magnusson no ultimo minuto. Amaral, ala direito, campeão do mundo sub20 era o mais famoso :)

      Eliminar
  4. Olá turma do Lá em casa mando eu,

    Meu nome é Humberto Alves, sou gerente de afiliados do www.apostasonline.com e gostaria de lhes fazer uma proposta.

    Como não consegui encontrar nenhuma área para contato, poderiam me enviar um email para afiliados [arroba] apostasonline.com para darmos continuidade a negociação?

    Grande abraço

    ResponderEliminar