sexta-feira, 24 de maio de 2013

Aos meus rivais

No meio das profundezas desta dor toda, com estilhaços de sonhos em todo o lado, há coisas que só o futebol me poderia dar. Farto-me de repetir: o futebol é a melhor metáfora sobre a vida. No futebol encontram-se a maior das glórias, a mais amarga das lágrimas, a devoção, a amizade. O amor. No futebol estão passado, presente e futuro, numa concepção de tempo completamente diferente, em que golos marcam eras, em que falhanços mudaram vidas. E, nos escombros das derrotas do Benfica, descobri que tenho os melhores rivais que podia desejar.

Em Amesterdão perguntaram-me, recorrentemente, como foi suportar a C. depois do clássico. Suponho que nos imaginem sempre à pancada cá em casa, mas não é assim. Gostar de futebol passa - obrigatoriamente - por saber respeitar quem sofre como nós. E sendo os nossos clubes parte da nossa vida, quase órgãos suplementares do nosso corpo, se não soubéssemos viver com a doença do outro isto era impossível. 
Antes que continuem a ler a achar que isto é um texto fofinho, desenganem-se. É difícil alguém detestar tanto o Porto ou Sporting como eu. Mesmo muito difícil. Eu não considero do Benfica quem torce por eles nas competições europeias. Se eu fosse presidente do Benfica essas pessoas ficavam sem os cartões do sócio e banidas do Estádio da Luz até reverem as suas posições. Vou mais além: quando eu percebo que o interlocutor é daqueles Benfiquistas pela metade (ou às vezes nem é), sinto-me quase ofendido de mo terem apresentado como tal. É uma coisa que nos acontece, a nós fanáticos, comummente: estamos no trabalho e de repente: "Olha, M.: apresento-te fulano tal que também é grande Benfiquista!". E cinco minutos depois percebo que o "fulano tal" nem sabe com quem jogamos para a semana, quanto mais os castigados, as nuances tácticas do adversário, etc. Fico fulo. E agora, que já vos lembrei que sou uma pessoa um nadinha obcecado com o Benfica, já posso voltar a falar dos meus rivais sem me colocarem em causa.

O grande problema do fundamentalismo é que é fácil deixarmo-nos enrolar por ele. Um tipo como eu, que lê todas as notícias do Benfica ao pequeno-almoço, que confere blogs, fóruns, que tem uma lista mental das grandes discussões entre adeptos do Benfica, facilmente perde noção da realidade. Os outros são uns merdas, cheiram mal, compram árbitros, nós somos os maiores, sem defeitos, enviados de um ser divino. 
É muito engraçado descobrir o outro lado. O meu pai, na primeira vez que viu a C. a ver futebol, ia-se  engasgando com o primeiro pedido de falta e na segunda vez que a C. refilou com o árbitro percebeu que estava na presença de um ET, mas com comportamentos vagamente semelhantes.
No tempo que passo no Porto, com a família da C., descobri que do outro lado há gente como eu, que ama o seu clube, que também discutem tudo, que também vibram, que também viram a cara nos ataques adversários. Uma pessoa pára para pensar e fica com vontade de rir das semelhanças. Ganha-se, obviamente, empatia. Passei a partilhar com o pai da C. os documentários sobre campeonatos do mundo da ESPN e, até à data, nunca jantou lá em casa nenhum árbitro (se bem que, comparado ao meu sogro a jogar dados, o Calheiros era um anjo).

Vem isto a propósito de como tenho sido tratado após estas terríveis semanas: com respeito. Não o respeito do medo, como se eu fosse responder mal. Não com o respeito paternalista com que se tratam os maluquinhos (se bem que esse talvez fosse aplicável ao meu caso). Os meus rivais trataram-me bem porque gostam de mim. 
Quem me conhece sabe que o Benfica é parte de mim, da minha vida. Quem me conhece e gosta de mim, lembra-se de mim sempre que vê o Benfica na televisão ou o jornal, mesmo que não ligue nada a futebol. A minha avó, que nem sabe quantos jogadores jogam de cada lado, diz que fica contente por mim sempre que ouve os festejos dos golos no café ("quando é do Benfica é sempre mais forte"). Gozar-me nesta altura é gozar uma pessoa de luto. Todos os que me conhecem e me são queridos, todos os que sabem o que eu vibro, sofro, choro e vivo o Benfica, tiveram a amabilidade de uma palavra de consolo ou até de um olhar que diz tudo. Mas se dos Benfiquistas não seria de esperar outra coisa, enterneceu-me sobretudo o gesto dos rivais. 
Os rivais, os verdadeiros, os que são como nós, mas de outra cor, não atacam numa altura destas. Não quer dizer que fiquem tristes com as derrotas do Benfica. Pelo contrário, desejam-nas com fervor. Mas, ao me ligarem tanto ao meu clube, têm ainda a destreza de separar as águas e de não confundir o que detestam o meu clube com o que gostam de mim. Acho que uma nobreza assim só existe no futebol e no seu realismo mágico. 

Este texto é para eles. Para a C., para a família dela, para os meus amigos lagartos que nem falaram do assunto. Se um dia forem vocês a passar por isto (e sabe Eusébio o que eu desejo mal aos vossos clubes), lá estarei, esperando ser igualmente nobre. 

18 comentários:

  1. Respect. Podia ter escrito este texto, mas não tenho qualidade para tal.

    ResponderEliminar
  2. tudo bem no texto...tal e tal...
    Mas nos dados... Nos dados M.
    Foi....LIMPINHO
    abraço

    ResponderEliminar
  3. Diz-me tu como consegues conviver com isso, com um amor q vos separa futebolisticamente falando? Eu sou benfiquista ferranha e o meu namorado é portista... e se ele leva as coisas na boa, mesmo qdo as coisas não lhes correm bem, ja eu sofro e sofro e fico chateada e discuto com ele pelas derrotas do meu benfas perante a felicidade dele.... eu não consigo lidar com isto, e a minha pedra no sapato :( chateamo-nos (chateio-me eu) sempre que falamos de futebol :(

    ResponderEliminar
  4. Rita, como te compreendo sendo eu portista ferrenha e o meu namorado benfiquista ferrenho. chateamo.nos sempre os dois por causa de futebol.

    ResponderEliminar
  5. Por uma vez, sem exemplo, discordo deste texto. A pior coisa que me podem fazer é ter pena de mim quando o Benfica perde. Prefiro que gozem à grande. Também passei pelo mesmo, vi a minha mulher e a sua família, portistas ferrenhos, quase a desejarem que o fcp não tivesse marcado aos 92m por pena de mim. Doeu tanto. Mais do que o golo do Kelvin. Eu sei que é por gostarem de mim, mas, caramba, futebol é futebol. E o Benfica é maior que o futebol. Enquanto espezinham, sinto que o Benfica é grande, é o maior. O que ainda me dá algum gozo, é ir ao Facebook e aos blogues adversários e ver que meio mundo virou vitoriano. Sentir esta grandeza do Benfica. Sentir que o Benfica não é indiferente a ninguém. Ou se ama ou se odeia. Sou do Benfica e isso me envaidece. Carrega Benfica!

    ResponderEliminar
  6. Um Benfiquista nunca, mas NUNCA, trata o Benfica por "Benfas". Esses que o fazem são do tal universo de pseudo benfiquistas, com letra minuscula, que o M. falou. Odeio quando me perguntam, "então, foste ver o benfas?". Ficam logo apresentados e riscados da lista dos Benfiquistas que prezo. É isso e lagartos que me disseram ontem, " gostava que o Benfica tivesse ganho" Gostavas? riscado da lista de potencias rivais! Um lagarto para merecer o meu respeito, tem que odiar o Benfica.

    ResponderEliminar

  7. @ M.

    respect

    ps:
    recebeste algum e-mail meu?

    abr@ço
    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar
  8. Amigo,

    um abraço sentido nesta altura tão dificil para ti. Melhores dias virão. Escusado será dizer que tenho gozado à fartazana com a vossa tripleta.

    ps: Calma, o Calado ainda pode ganhar o Big Brother ;-)

    Lagarto do Pano

    ResponderEliminar
  9. Vejo que no M. certos comentários não são publicados, mesmo que não sejam ofensivos. Pois é, somos diferentes, mesmo nestas pequenas coisas.
    Saudações Portistas.

    ResponderEliminar
  10. Sou eu que tenho moderado os comentários porque, devido ao calor do fim do campeonato, alguns têm sido penosos. Não me recordo de ter apagado um que não fosse ofensivo, pelo que o aconselho a repetir a sua opinião. Gostava de referir apenas que nunca neste blog tive de apagar um comentário que insultasse o M. e que o contrário está sempre a acontecer. E, já agora, ninguém aqui é diferente por ser de outro clube.

    Saudações tricampeãs

    ResponderEliminar
  11. És enorme M., um orgulho para a nação Benfiquista, revejo-me muito na tua mentalidade e na hora de encarar as coisas.

    Só mudamos um bocadinho numa coisa, tu és um Benfiquista do Sul e cresceste num ódio visceral aos verdes e eu sendo um Benfiquista nortenho e tendo-nos sido roubada a hegemonia nos últimos 30 anos pelos azuis não entendo tanta importância aos actores secundários da 2ª circular ;)

    Grande abraço!
    L.

    ResponderEliminar
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  13. C. o comentário que não vi publicado dizia simplesmente que só temos que separar as águas, uma coisa á o clube do outro, clube que odiamos visceralmente, outra coisa é o outro e o amor infinito que temos por ele. Não me lembro das palavras exactas mas a ideia era esta.
    Quanto ao resto, não me admira que nunca tenhas tido que apagar um comentário por insultar o M, enquanto nos comentários aos teus magnificos textos vejo tanta azia e ódio vermelho, se ainda apagas os piores, imagino como serão. Estás a ver como há uma diferença? Não digo que sejam todos claro, mas são a maioria.
    Saudações Portistas e já agora Tricampeãs :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então peço desculpa, posso ter apagado sem querer (o publicar e o eliminar estão lado a lado)

      Eliminar
    2. "Quanto ao resto, não me admira que nunca tenhas tido que apagar um comentário por insultar o M, enquanto nos comentários aos teus magnificos textos vejo tanta azia e ódio vermelho, se ainda apagas os piores, imagino como serão. Estás a ver como há uma diferença? Não digo que sejam todos claro, mas são a maioria..."

      Oh por favor...Há uma diferença? Bons e maus há em todo lado. Gente incoerente e coerente há nos dois lados. Ou agora querem dar a entender que só os benfiquistas é que insultam os outros?

      Somos a maioria...Enfim...E calculo que vossa maioria é toda correcta, com superioridade moral (porque o vosso clube ganha mais que o meu deve ser) e sem qualquer arrogância ou soberba...

      O que eu vi foi um anónimo chegar aqui e dar a entender que o M. (independentemente de conhecerem ou não a personalidade dele) por ser benfiquista vedava comentários e aproveitar-se disso logo para fazer valer a sua suposta nobreza moral por ser de um determinado clube.

      Na hora da derrota dói a todos e muitas atitudes de alguns adeptos são vergonhosas independentemente da cor. Passassem vocês os próximos 30 anos como foram os nossos últimos depois da hegemonia actual que têm no futebol e queria ver para onde ia essa vossa integridade que tanto nos acusem de não termos...

      Cumprimentos!

      Eliminar
    3. LPSLB eu limitei-me a verificar um facto (sabes o que são factos? coisas que acontecem, não apenas palavras) e é um facto que há sempre palavras azedas nos comentários aos textos da C. e aos do M. não há. Tu és o exemplo tipico disso, sempre a destilar veneno. Mas é claro que há bons e maus em todo o lado. Sou casada com um benfiquista que é uma pessoa maravilhosa.
      Quanto aos 30 anos, pois é, agora não podem vencer por decreto como no tempo do fascismo. Mas quanto aos factos mais uma vez, vai ver onde está a integridade. Nos Capelas e Brunos Paixões? Nos castigos ridiculos ou até inexistentes ao Jesus, ao Cardozo, a todos que acham que podem agredir adversários impunemente? Se não sabes informa-te, não tenho tempo para estar sempre a vir aqui explicar-te. Nem a C. e o M. têm que nos aturar.

      Eliminar