segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Falta é a tua tia, pá

Às vezes gosto de pensar em como é que os leitores que não nos conhecem nos imaginam. Eu, alta, magra e com uns olhos azuis tão saudáveis que não precisam de óculos à frente. O M., bronzeado, musculado e com a barba sempre no ponto. Um casal lindo de morrer, mas extremamente selvagem. A casa com uma fila de stewards ao meio a dividir-nos, a parede cheia de cachecóis azuis e vermelhos e nós constantemente a cantar contra o clube do outro. Seria uma vida espectacular, mas não é bem assim.

A verdade é que gostamos de pautar a nossa loucura por alguma racionalidade. Quando estamos sozinhos, sem ninguém a ver ou a ouvir, longe da pressão dos nossos pais - que nunca permitiriam estes momentos de fraqueza -, somos capazes de ter conversas decentes e sinceras sobre os nossos clubes. É nestas alturas, envergonhadas mas necessárias para nos tornarem um casal mais forte, entre mimos e beijinhos para disfarçar, que confessamos os erros de arbitragem a nosso favor.

Desculpem, caros leitores, se vos choco com a simples admissão que os erros de arbitragem a favor do nosso clube existem. Não são muitos, como é óbvio, porque errar é humano e os árbitros têm de decidir muito rapidamente e às vezes nem na televisão se vê bem. Eu por acaso até não me lembro de alguma vez isso ter acontecido ao Porto. Mas às vezes, muito raramente, lá aparece uma ou outra evidência marota. E nós somos muito bons a negá-la no estádio, na cantina do trabalho ou no café lá da rua, fazemos mesmo um ar sério de quem acredita realmente no que está a dizer, mas gostamos tanto um do outro que não conseguimos escondê-la entre nós.

Porque há coisas que, numa vida a dois, não faz sentido esconder. Por exemplo, se eu um dia trair o M. com o Brad Pitt (e há mesmo essa possibilidade porque – lembrem-se – na vossa imaginação eu sou alta, magra e tenho uns olhos azuis tão saudáveis que não precisam de óculos à frente), não vou poder contar-lhe isso, porque primeiro ele até pode ficar orgulhoso por eu ter sacado o Brad Pitt, mas depois é capaz de pedir o divórcio porque o senhor do registo civil frisou bem que isso agora é proibido. No entanto, se um árbitro por acaso, sem querer e sobretudo sem grandes consequências, errar a favor do meu clube, o M. é a única pessoa no mundo a quem o posso confessar.

Claro que, sendo ele do benfica, acontece quase diariamente ele admitir-me que o árbitro errou a favor do clube dele. Às vezes até me chateia que ele esteja sempre a dizer a mesma coisa. Já percebi, M., os árbitros roubam de caraças para o benfica, escusas de estar sempre a bater na mesma tecla. Mas enfim, este fim-de-semana eu lá tive de admitir que o benfica foi prejudicado em alvalade (e só escrevo isto porque, estando o sportem à frente do benfica na classificação, eu no fundo só estou a afirmar que o Porto foi mais uma vez roubado). Fi-lo com uma decência exemplar, sem rodeios, com um porte incrível, parecia o Quintero a chutar à baliza.

No entanto, no dia seguinte, no final do jogo em Felgueiras, ainda estava eu a sair da bancada aos saltos e a cantar, com sinais evidentes de desidratação mas celebrando uma daquelas vitórias que sabemos que são mesmo, mesmo importantes, e recebi a seguinte SMS: “Golo em falta”. Porra, golo em falta. E se é o M. a dizer, é porque é mesmo. Ele não me mente, ele não me engana, ele a mim diz sempre o que pensa. Avisei o meu pai e outros que, tal como nós, ainda saíam do estádio aos saltos e a cantar. Ninguém me ligou. Vi e revi o golo na minha cabeça e não percebia o que se tinha passado, mas eu – surpresa! - como não sou alta não via bem no meio daquela multidão e ainda por cima – dupla surpresa! - estava tanto sol que eu não consegui meter os óculos com os quais vejo bem.

Estava eu nestes dramas até que cheguei a casa e vi o lance. Fiquei furiosa. Bem, na verdade primeiro fiquei aliviada. Não foi falta nenhuma, o homem fica de pé e nem se queixa e é preciso ser-se muito mal intencionado para não ver que o rapaz de amarelo vinha lançado de rabo quando o Jacksonzinho (até à meia-noite de hoje vou tratar-te bem, para ver se ficas) teve de meter os braços à frente para não levar com o movimento mais mariconço da jornada. Só depois é que fiquei furiosa. Por que é que o M. disse aquilo? Que razão o levaria a enganar-me de forma tão leviana? Ficar a cinco pontos de distância em apenas três jornadas é chato, mas o nosso amor está acima dessas picardias, certo? Fogo, M., se nós aguentámos o golo do Kelvin, aguentamos tudo.

Ainda não descobri a resposta a estas perguntas. O M. continua a dizer, sem se rir, que há falta no golo do Jackson. Pela voz dele (ainda não o vi desde o derby, espero que ele ainda exista e eu não esteja a telefonar para uma gravação), nota-se até algum gozo, como se ele fosse o Nobel da Arbitragem e eu apenas uma adepta louca e cega que nunca iria admitir essa evidência.

Na verdade, não é a primeira vez que tal acontece. Às vezes, nem o nosso amor é capaz de superar certos lances. Nem nós, que gostamos muito um do outro, conseguimos ver o que o outro quer. O golo do Jackson será sempre irregular para o M. e será sempre limpinho para mim. Não se trata de amor, trata-se de futebol, que é uma coisa mais séria. E se ainda hoje o M. é capaz de jurar que o Katsouranis não fez falta sobre o Anderson (O HOMEM PARTIU UMA PERNA, VALHA-ME DEUS, M., ÉS O ADEPTO MAIS LOUCO E CEGO QUE EU CONHEÇO!!!), acho que posso estar à vontade.

12 comentários:

  1. Se aquilo não é falta, não sei o que será...

    ResponderEliminar
  2. Uma coisa é ser falta, outra bem diferente é dizer que é falta porque partiu a perna. Partir a perna não é sínónimo de falta.

    ResponderEliminar
  3. Ola C, que saudades destes textos deliciosos. Não te preocupes eles tambem dizem que Cardozo nunca jogou voleibol dentro da area no jogo da luz que perderam à dois anos, mas dizem que o Maicon marcou em fora de jogo. Como tal....
    Tadinhos

    ResponderEliminar
  4. Estes textos são espectaculares(mais os teus do que os do M, mas os dele também)!!!

    Gosto é da malta que se queixa de faltas nos golos e da sorte de marcarmos no ultimo minuto(KELVIN!!!), quando no resto do tempo não fazem o suficiente para ganharem.

    Se a minha equipa fosse a Alvalade empatar e ser dominada contra os juvenis do scp, estava mais preocupado com a minha equipa...

    ResponderEliminar
  5. A formação em jornalismo, que consecutiva e reiteradamente leva alguém, por muito ódio que sinta, a escrever um nome próprio, com a inicial minúscula, só demonstra uma enorme pobreza de espírito.

    O inato sectarismo, entendo-o !!!

    ResponderEliminar
  6. paciência para este sintra, é um caso patológico de esquizofrenia com quem tenho o desprazer de me cruzar desde que acompanho alguns blogs

    ResponderEliminar
  7. A maioria dos benfiquistas são como o aziado gomes da silva, que por exemplo, jura de pés juntos que o dócil e gentil maxi pereira tentou tirar o(s) pé(s) quando deu aquele golpe de karate na barriga do Moutinho, ou que nem por sonho tentou atingir o lateral esquerdo do ex-porting no último derby:-)

    Entretanto, uma pequena, diria minúscula, quase que imperceptível minoria de benfiquistas como Julio Machado Vaz consegue ver os jogos com imparcialidade e falar de futebol sem palas e sem clubite aguda, e é justamente por isso que no lugar dele está o joão gordobern...

    Quem fala mal do FCP tem sempre tempo de antena, como o guardanapo da madeira, mais recentemente o valentão verde bruninho que tem voz de megafone ou a mulher do atsu...e mais antigamente os de sempre:joão gabriel, vale e azevedo, orelhas, o senador pateta sílvio cervan, o manhoso do record, enfim já estamos mais que acostumados com o velho e gasto discurso repetido pelos papagaios de plantão:"foi culpa da arbitragem, não nos deixaram ganhar, jagunços, escrito nas estrelas,...":-)

    Vira o disco e toca o mesmo...

    ResponderEliminar

  8. és grande, C.!

    (e foi falta, sim: do luís grande sobre o will.i.am)


    cumprimentos
    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar
  9. Para se ter uma ideia da influência que as decisões arbitrais (penalti ou expulsão) têm no desempenho das equipas convido-vos a visitarem o Blog: http://influenciaarbitral.blogspot.pt/

    Sabiam que nas últimas 4 épocas o BENFICA JÁ PERDEU 22 PONTOS DIRETAMENTE POR UM ÚLTIMO GOLO SOFRIDO DE PENALTI OU APÓS SOFRER UMA EXPULSÃO enquanto que inacreditavelmente o F.C. PORTO NÃO PERDEU NENHUM, REPITO NENHUM PONTO DIRETAMENTE POR DECISÕES ARBITRAIS (penalti u expulsão).

    Incrível, ...estes 2 clubes não parecem disputar o mesmo campeonatos!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabiam que no século XXI o FC Porto já ganhou 3(três) competições internacionais e os outros continuam a chorar????

      Nesses 22 pontos perdidos, se calhar na grande maioria, o arbitro decidiu correctamente.

      Eu cá acho que as reposições de bola ao minuto 92 deviam ser banidas, só para manter a verdade desportiva na modalidade...

      Eliminar
    2. Elisabete
      Sabiam que um grande parte dos jogos das ultimas quatro epocas os arbitros favoreceram o SLB, incluido aqueles que foram de proposito aos tuneis e não esquecer do limpinho, limpinho, mas todos os lançes de favorecimento são esquecidos.

      Por isso é que parece que não jogam o mesmo campeonato.

      Eliminar