quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Polémica Blatter

Não tenho por hábito dar importância a declarações dessa pessoa, uma vez que não lhe atribuo qualquer credibilidade no mundo do futebol. Admito que devesse estar mais preocupado com um Mundial num Brasil com a revolta nas ruas, ou numa Rússia que não deixa homossexuais entrar, ou ainda num Qatar com temperaturas à volta dos 50 graus, que podem justificar muita entrada de dinheiro na FIFA, mas que ainda está difícil fazer com que um ser humano as aguente enquanto joga à bola. Mas a pessoa em causa foi questionada sobre o duelo Messi-Ronaldo, num ambiente descontraído, e achou normal esquecer-se de quem é para dar um espectáculo que me incomoda, sinceramente, pela vergonha alheia de ver alguém a tentar ter piada sem ter.

Também já não tenho paciência para a pergunta sobre Messi ou Ronaldo. Ainda no fim-de-semana vimos todos um clássico espanhol onde nem um nem outro pareceram ter estado por lá. Vimos Neymar, vimos um chapéu de Alexis, vimos um ou dois passes que só Iniesta consegue fazer (perdoem-me a visão direccionada, mas sim, sou um bocadinho do Barça). Se isso se repercutiu num futebol menos bonito? Claro que sim. Eles são os dois melhores do mundo e qualquer adepto devia querer ver os dois melhores do mundo sempre em boa forma. A não ser contra o nosso clube, claro.

Eu, como sabem, prefiro Messi. Por razões futebolísticas, claro, nem vou entrar por aí porque acho a diferença mesmo enorme, mas também humanas. Farto-me de dizer que os jogadores de futebol têm de ter noção que nos recreios da escola os putos podem querer ser como eles. Ronaldo é um jogador do caraças, um exemplo de trabalho, de rigor, de vontade de fazer sempre melhor. Se se ficasse por aqui, não teria qualquer problema em que um filho meu quisesse ser como ele (estou a exagerar, claro que tinha, um filho meu nunca há de inspirar-se num lagarto que um dia nos eliminou da Liga dos Campeões, embora à distância isso me pareça atenuado pelo gesto que fez em plena Luz e eu esteja preparada para explicar que isso não é mau ao meu tal filho).

Mas não concordo com Blatter: Ronaldo não parece um comandante em campo. Se há coisa que Portugal pode lamentar é precisamente isso, que ele não tenha a força de carácter exigida a um grande capitão. Ronaldo é ele, ele e só ele, o seu corpo, a sua cara, o seu cabelo que muda ao intervalo quando a Selecção está a perder, a sua ambição, o seu projecto, a sua vontade de ganhar a tal Bola. E dizem-me: mas ele é tão bom que pode ser assim. Admito que tenham razão, porque um homem que ganha o que ele ganha realmente não deve ter de se preocupar com nada. Mas voltamos à tal questão do exemplo: há por aí muito adolescente borbulhento que quer ser o Ronaldo. E, como não tem o talento dele, faz só figura de estúpido ao andar mal vestido, com penteados horríveis e, muito pior do que tudo isso, com uma atitude perante o mundo de “eu sou assim e ou me amam ou me odeiam”. E eu odeio-vos, putos.

Tenho pena que a filosofia de Ronaldo esteja a inspirar outros. Mas, ao contrário de Blatter, não sei bem qual é a filosofia de Messi. Parece-me que ele não está sequer preocupado com isso. O M. tem a teoria que ele é autista e que, se de um lado se torna mais anti-social, do outro compensa com uma capacidade fora do normal para uma actividade – neste caso, e com muita sorte nossa, o futebol. Mas, sinceramente, não quero saber. Não sei quem é a mulher dele, nunca lhe vi os pais, lembro-me que foi pai mas nem sequer sei o nome da criança (se é menino ou menina...). O único anúncio que me lembro dele recentemente é o de um videojogo de futebol. Nunca o ouvi a dizer “oleosidade”, pelo que a comparação é difícil de ser feita. Não sei que opinião ele tem sobre a independência da Catalunha ou os cortes na saúde e na educação. Eu quero é ver Messi a ser Messi, no campo.

E é aqui que me tenho chateado nas últimas horas. Parte da multidão admiradora de Ronaldo (nada contra, atenção) achou por bem reagir às palavras idiotas de Blatter com ataques a Messi. Que é mais feio que Ronaldo, que não tem tão bom cabelo, que é um anão, que é favorecido pela FIFA, que é isto e mais aquilo. Gente: vocês estão a falar do Messi. Um jogador como nunca verão igual. Golos, títulos e Bolas de Ouro à parte, um dia, quando vocês tirarem esses óculos vendidos pelo Jorge Mendes, vão perceber que estão a perder a oportunidade de admirar um daqueles jogadores que aparece uma vez por século.

Onde é que está escrito que para se gostar de um tem de se detestar o outro? Imaginem o quão estúpido seria alguém detestar o Maradona (muitos parabéns Deus!) só porque adorava o van Basten. Eu, por acaso, não gosto do Ronaldo, mas isso até começou antes de Messi ser Messi. O Ronaldo foi do sportem e eu, como não nutro qualquer sentimento pela Selecção, não o perdoei por isso. Aliás, quando vejo um portista louco por ele lembro-me sempre da patetice que é um lagarto que adora o Mourinho ou um lampião que admira o Falcao. Mas eu não me atiro ao Ronaldo para defender o Messi. Atiro-me quando diz coisas parvas, mas não é isso que ele quer com o “eu sou assim e ou me amam ou me odeiam”? Ainda assim, não lhe digo que, à beira de um ET do futebol, ele é demasiado humano. Messi não precisa dessa minha ajuda.

E chegamos ao ponto crucial. O país a ajudar Ronaldo. O país indignado, excitado, quase pronto a invadir o Parlamento, não para travar o Orçamento do Estado para 2014, mas para exigir a cabeça de Blatter. O país que nem quis ler bem a resposta muito baixa de Ronaldo (aquela do “muitos anos de vida”, enfim, já vi ameaças de morte em westerns onde os cowboys foram mais subtis). Exactamente o mesmo país que ignorou os ataques de Platini ao FCPorto. Pois é, senhores, eu não me esqueço que o mais alto responsável da UEFA nos quis ver fora das competições europeias e veio criticar os nossos jogadores estrangeiros. Uma ironia do caraças, uma vez que falamos de um ex-jogador francês que passou o auge da sua carreira em Itália e logo no clube arrasado por um escândalo de corrupção. Platini teria sido, então, um alvo fácil para este país revoltado. Mas não, não foi. De que interessa o FCPorto ser o melhor clube português e que tem conquistado os únicos títulos internacionais para este país condenado a perder finais em casa? De que interessa se Ronaldo nunca ganhar nada por Portugal? A diferença é que, enquanto Blatter se meteu com o melhor jogador português, Platini meteu-se com a aldeia. E eles lá na aldeia que se arranjem, não é?

27 comentários:

  1. Eu não sou "Ronaldieber", nem de longe nem de perto. Lembro-me de ouvir os insultos da família dele num camarote mesmo em cima do meu lugar no Dragão aquando do mítico 2-1 (obrigado Benny) e de como nos riamos deles no fim. Felizmente não estava lá em 2009.

    A comparação entre um e outro é ridicula, dizes bem. Mas também farta já essa lenga-lenga de que o Messi vive num mundo próprio onde só estão bolas de farrapos de pibes e o Ronaldo é o Elvis do futebol em traje branco e dourado.
    O Messi roubou dinheiro ao Estado. O Messi faz n anúncios (aqui na tv espanhola estou farto de o ver, muito mais que o CR7). O Messi também tem um iate, também viaja por sitios caros. Também foi acusado por "botineras" argentinas de pagar por sexo. Também se queixa dos árbitros e se não o ouvimos a dizer oleosidade é porque é dificil entender o que ele diz (o M. tem razão, é autista na certa). O Messi é tudo menos um anjo da guarda mas conseguiu vender essa imagem. Já os assessores do Cristiano são tão burros quanto ele e acharam que dar a imagem de um novo-rico dos relvados lhe ia fazer bem à carreira. Well, wrong!

    Para mim os melhores jogadores da história foram todos pessoas que, fora dos relvados, tinham muitos problemas. A droga do Diego, a bebida do Garrincha e do Best, o sovinismo do Cruyff, a ditadura imposta do Di Stefano, o manipulador Pelé, etc.. Não entendo como, de repente, é só o gel e o penteado do Cristiano que incomoda tanto e que tão maus exemplos dá para os putos.

    ResponderEliminar
  2. Convém não esquecer que esse fdp do Platini fazia parte da equipa que nos "roubou" a taça das taças. Muito sério mesmo esse Platini........

    ResponderEliminar
  3. Excelente post C, parabéns. Conheci este espaço através da Porta 19 e fiquei triste por só agora o conhecer.
    Andei a ler artigos mais antigos e dei por mim embebido na leitura e completamente esquecido das horas.
    Muitos parabéns e que nunca lhe doam os dedos. Viva o nosso Porto!
    Abraço da Ilha Terceira
    Marco Sousa

    ResponderEliminar
  4. Blatter é tonto e já teve resposta à altura. E não falo da FPF ou do Real.
    Vejam o que diz El Português.

    Futebol lindo é futebol trágico. O momento mais trágico de um mundial foi quando o Brasil perdeu a copa em 50 contra o Uruguay. rezam as crónicas que houve quem se despedisse da vida logo ali, do alto das arquibancadas do Maracanã.

    Mas a MaraMessi falta o trágico. O belo-horrível do que é humano. É do tipo chinelinhos à beira da cama e "lava sempre os dentes antes de deitar, está bem filhinho" e foge de abraçar um adepto (o que é muito feio).

    A única atitude bonita que teve foi pedir a camisola de El Payaso Aimar quando visitou a Luz.

    Ronaldo é torpedo de trabalho e não tem Iniesta, Xavi, Ney ou Fabregas ao lado.

    Como é humano o linguajar não é feio, que ele não foi feito para falar. Nem mesmo o dedo que fez quando veio à Luz chega a ofender, até porque o Benfica tinha acabado de eliminar o todo poderoso Man. United da Champions.

    ResponderEliminar
  5. Só não percebo é esta ideia feita de que o Messi é um exemplo em termos humanos. Um jogador que foge ao fisco, que cospe em adversários (Duda), que força a saída de colegas com os quais não se dá bem (Villa,Bojan) etc. é um bom rapaz?
    Mais um mito urbano

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A imagem de um jogador é trabalhada todos os dias. Quem trabalha com Ronaldo quer fazer passar a tal mensagem de "eu sou assim e ou me amam ou me odeiam", quem trabalha com o Messi quer a imagem do bom rapaz. São opções

      Eliminar
  6. "...vão perceber que estão a perder a oportunidade de admirar um daqueles jogadores que aparece uma vez por século."
    Plenamente de acordo, serve para todos os que tentam atacar Ronaldo por tudo o que não tem que ver com o que faz dentro de campo! Não é, autor?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É autora, por favor. E eu admiro o Ronaldo no texto, como repara se o ler sem pensar que o mundo está contra ele.

      Eliminar
  7. O facto de o Platini conhecer a máfia italiana só o torna mais apto a comentar o fcp.

    E em Itália, o fcp também teria sido "arrasado" pelo apito dourado. Mas como é cá, não houve grande crise, bastou ir dar um avisado passeio à Galiza e já está tudo como dantes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há quem faça longas temporadas em Londres , um dia se saberá de que tipo de borracha são feitos os pneus vendidos na Póvoa de Stº Adrião, onde tudo começou.

      Eliminar
  8. Excelente texto, onde se vê até onde o provincianismo Português pode ir, nunca imaginei ver um ministro do governo a imiscuir-se em assuntos destes.....
    Aqui na Aldeia somos diferentes, somos irredutíveis e caro Arsène Lupin é verdade o FCP é tudo de mau, nada de honesto tem...você pertence aquela casta de pessoas de bem, que a minha Avozinha caracterizava muito bem "chama-lhe Pu****, antes que te chamem a ti", pois o seu clube é cheio de virtudes.

    ResponderEliminar
  9. Boas. Boa noite Catarina.
    Vi agora o Azul e Branco no Porto Canal dedicado a si, como grande Portista que é, realmente. Uma apreciação merecida,sem dúvida. Dou-lhe meus parabéns por tudo o que disse e convincentemente mostrou sua força de dragona. Embora seja pena que uma Portista assim viva e conviva com um benfiquista, e logo adepto do clube mais reles do mundo e arredores, mas nada na vida é perfeito, enfim... O importante é que seja feliz. Eu sinceramente não era capaz, detesto tanto o clube do antigo regime e do regime dos saudosistas de velhos processos, que era incapaz de viver ao nível fisico com alguém que não seja como eu, Portista. Por isso admiro, ou fico admirado, com isso. Aguente. Mas como o F C Porto vence mais vezes, não é, ele é que se terá de aguentar mais... Com isto apenas quero manifestar-lhe que fiquei fã do seu Portismo, porque sei o que é ser Portista, desde os tempos da ditadura...

    Cumprimentos
    A P
    (blogue Memória Portista)
    http://memoriaporto.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada. Não tenho culpa que o amor da minha vida seja o M.. Eu queria que fosse o Kelvin, juro, mas não é :)

      Eliminar
    2. C… Mas assim as coisas estão equilibradas… onde a rivalidade (saudável) faz toda a diferença!

      Eliminar
    3. Armando acredite que seria capaz, quando o coração fala mais alto, tudo o resto se torna secundário. Eu vivo uma situação semelhante à da C. e por vezes até tem piada. Claro que sinto a falta de ter alguèm ao meu lado com quem partilhar as imensas alegrias que o nosso clube nos dá. Mas para isso existem os amigos e a família.
      Saudações Portistas

      Eliminar
  10. Concordo tudo com tudo o que diz. Sou pró messi e não anti ronaldo. E fico irritado com esta parolice de patriotismo bacoco de ter de ser a favor de tudo o que é português. Já dizia Sá Carneiro "antes de ser português, sou portuense". Eu acrescento : Antes de ser portuense, sou portista. Estou-me a borrifar para a selecção, para as outras equipas nas competições europeias. O que me interessa é o FCP e mais nada.
    Adorei ver o Azul e Banco de ontem, e por incrivel que pareça, cheguei a ter simpatia pelo rapazito a seu lado, mas foi coisa que durou pouco. Adorei o "M aquele que quase não sobreviveu ao golo de Kelvin e a Amesterdão". Adorei o vosso sentido de humor. Parabéns. E ganhou mais um seguidor. José Pedro Martins

    ResponderEliminar
  11. Só ontem tive conhecimento deste blog, quando vi a reportagem sobre si e o seu marido. Sou adepto do nosso FCP e venho felicitá-la pelos excelentes post’s que tive o privilégio ler. Obrigado por partilhar na blogosfera a sua paixão pelo nosso clube. Votos de longos anos dedicados à causa de todos os Portistas, o nosso clube.
    Manuel Leitão

    ResponderEliminar
  12. Muito boa a peça de ontem no Porto Canal. Fez-me vir aqui conhecer melhor o blog, de facto é admirável o vosso entrosamento como casal, gostei, parabéns.
    Também eu tenho uma família toda galinácea e tenho que conviver (viver) com isso.
    Sobre o tema aqui vai:
    Já se tinham esgotado pelos jornais e pelas TV´s todas as hipóteses de poderem atribuir ao FCPorto ainda que remotamente algumas das causas para o ataque perpetrado pelas hostes de ....oh desgraça das desgraças , vindas do Sul, sim de Lisboa .
    Já a CMTV se tinha auto corrigido quanto aos autores e origem daquela falange de camisas negras, deixando de afirmar como afirmou durante o directo das cenas, que sim, que eram adeptos do FCPorto contra adeptos do FCPorto.
    Já os senadores da rebola tinham engolido em seco com o comunicado da PSP, embora argumentando sempre que os rapazes (tudo bons rapazes), não traziam nada que os identificasse com o SPORTING (assim mesmo com letras grandes), a não ser as malditas e indeléveis tatuagens que traziam gravadas na pele, fruto do seu fervor ao clube, que ...oh maldição afinal é de Lisboa e agora como é que descalçamos esta bota?
    Par mal dos pecados da imprensa consagrada , dos senadores e dos opinion makers, num curto espaço de tempo tivemos um branqueamento ás agressões feitas a um agente da PSP por um famoso responsável técnico de um clube de Lisboa, " isto agora não interessa nada ", para alguns dias depois verificarmos também em directo que afinal as palavras de apelo às hostilidades e o discurso agressivo do Tarzan vingou e a lei da selva reinou.
    Mas não há mal que sempre dure diz o povo sabedor.
    Heis que o Blater resolve dar uma ajudinha e faz aquela palhaçada ( até parece de encomenda) e salva a semana pós match e já ninguém quer saber ou mesmo ouvir falar dos acontecimentos e os senadores podem voltar a opinar do alto do seu púlpito, lavando mentes e serenando o rebanho.

    ResponderEliminar
  13. parabéns! pela "vossa" cadeira de sonho - um programa que entusiasmou, sem dúvida.
    fico, então, à espera da publicação do vosso livro; estarei na primeira fila para o adquirir - feito notável e inteiramente merecido.

    @ M.
    gostei de te ver no Porto Canal, pá! tens pinta! estás aqui, estás a tornar-te um portista dos quatro costados :D
    já só te falta compareceres nos encontros da bluegosfera :D


    abr@ços a «ambos os dois» :D
    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar
  14. Concordo em quase tudo menos:
    1.Ver o Ronaldo como um símbolo do Sporting quando é um dos maiores embaixadores do desporto português senão o maior.
    Concordo ainda menos com:
    2. "...eu não me esqueço que o mais alto responsável da UEFA nos quis ver fora das competições europeias...". Suponho que esteja-se a referir ao FCPorto quando diz "nos quis". Relembro-lhe que Platini se referia a retirar o seu clube corrupto das competições europeias por alegadas acções de corrupção desportiva, acções estas que levaram à decisão da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, no âmbito do processo Apito Final, em que ao seu clube fossem retirados 6 pontos no campeonato da época 2007/08 e o Sr. Veterano da Corrupção, Jorge Nuno Pinto da Costa, fosse suspenso do seu cargo de presidente da direcção da FC Porto por dois anos.
    "Mas tudo isto existe, tudo isto é triste, tudo isto é fado."
    Suponho que o mais alto responsável da UEFA tenha o direito e dever, de pelo menos aparentar querer de alguma forma contrariar acções que prejudiquem a verdade desportiva.

    ResponderEliminar
  15. Partilho da sua opinião sobre o caso Blater/Ronaldo,e sinceramente,não entendo o porque de tamanha polémica,pior para mim foi Eusébio ter-se sentido incomodado pelo facto de Ronaldo ter ultrapassado o seu numero de golos ,vindo desvalorizar os golos marcados pelo seu compatriota a seleções menos cotadas.

    Saudações Portistas

    Paulo Almeida

    ResponderEliminar
  16. P.S. Esqueci-me que o Eusébio é benfiquista,e como a maioria dos benfiquistas,custa-lhe a perceber,que com mais trabalho,mais profissionalismo ,mais talento ,alguém consiga ultrapassar os seus feitos.

    Paulo Almeida

    ResponderEliminar