sexta-feira, 2 de maio de 2014

O Juventus-Benfica contado ao V.

O V. nasceu às 00.29 de 2 de Maio. Filho do D., meu grande, grande amigo de sempre, o V. deverá ler esta carta quando fizer 20 anos (a não ser que a descubra na net antes).

V.:

Na altura em que leres esta carta, se ela te for entregue conforme as instruções, farás 20 anos e fará 20 anos e um dia que o Benfica eliminou a Juventus nas meias-finais da Liga Europa 2013/2014. Nesse dia, eu e o teu pai combinámos que ficarás uns dias ilegal (sem ser sócio do Glorioso), para que possamos os dois ir à Luz daqui a uns dias e para que eu possa ter a honra de te pagar a primeira quota. Se eu bem conheço o teu pai, e conheço, tu hoje és do Benfica, és benfiquista doente e já viste esse jogo no youtube ou numa cena assim que existirá daqui a 20 anos. E digo isto porque tenho a certeza que serás um benfiquista como eu e o teu pai, que sabemos de cor os onzes da nossa infância e alguns que nem vimos jogar, tudo porque passámos muito tempo a ler e a ver vídeos sobre o clube que amamos. Para tu teres uma ideia do louco que o teu pai é: antes do Benfica-Olhanense, que deu o 33º campeonato nacional ao nosso Benfica (tu, com 20 anos, estarás quase a festejar o 49º, suponho eu, numa visão pessimista), recusou-se a andar de elevador porque tinha medo que o elevador parasse e ele não pudesse ir ao jogo do título. Pronto, isto é o teu pai. Há pior, mas isso só quando tiveres 40 anos.

V., tu nasceste campeão (como eu, já agora). Celebrámos o 33º e, umas horas antes de tu nasceres, a nação benfiquista rejubilava com a passagem à final da Liga Europa. À hora que te escrevo, faltam 12 dias para a final. Eu, obviamente, não sei o resultado e morro de medo. Tu sorrirás de alegria ou de tristeza a ler isto. O Juventus-Benfica, umas horas antes de tu nasceres, foi um jogo heróico. Eu estava em Salamanca e ainda nem sei se o teu pai viu ou não o jogo, porque a tua mãe te estava prestes a ter. Até sangue deixámos em Turim, mas passámos. Foi um jogo de luta, de sofrimento, de entrega. V.: foi à Benfica, miúdo. E isso é a melhor coisa do mundo.

V., quando leres esta carta, já me conheces de certeza. Serei frequentador da tua casa e já participaste em mil conversas comigo e com o teu pai a falar do Benfica. Já fomos à Luz juntos mil vezes. Sabes que somos dois cinquentões simpáticos, nostálgicos e que adoramos falar do Benfica do início dos anos 90. Eu e o teu pai conhecemo-nos desde os meus 14 anos (15 dele). Já fizemos um milhão de coisas juntos e gostamos muito um do outro. Eu e o teu pai já fomos para os copos mais vezes do que te podemos admitir, eu e a tua tia C. tivemos das noites mais memoráveis das nossas vidas no casamento dos teus pais. Eu fui colega de curso da tua mãe. E eu e o teu pai partilhámos a tristeza de Amesterdão, quando o Benfica perdeu a final da Liga Europa com o Chelsea depois de fazer um jogão. As lágrimas do teu pai foram o que mais me custou nesse dia. Daí que, um ano depois, o benfiquismo estivesse louco com a hipótese de limpar essas lágrimas e essa injustiça. 

O jogo, V., foi uma loucura. Tínhamos ganho 2-1 na primeira mão (Garay e Lima, Tevez por eles). Não havia uma alminha vermelha que não dissesse o mesmo antes do jogo: "Temos de marcar lá porque sofrer vamos de certeza." A Juventus, se nos passasse, jogaria a final em casa (como tu de certeza sabes, o Benfica-Sevilla foi em Turim). Tinham Buffon - grandíssimo guarda-redes - e jogavam com três centrais. Tinham no meio campo Pogba - um possante médio francês - Vidal, bom médio chileno e, sobretudo, Andrea Pirlo. O Pirlo já estava em final de carreira, mas era o Pirlo. Foda-se, que jogador. Foi decisivo em 2006 (ensinaste estas coisas ao puto, certo, D.?), no tetra italiano, e marcava livres como se fossem penalties. À frente tinham o Tevez (grande avançado argentino) e o Llorente (que lixou o Sporting numas meias finais da Liga Europa - ahah). Nós tínhamos o Oblak (que espero que tenha nesta altura uma estátua no Museu), Garay e Luisão - grande dupla de centrais, o Enzo Peréz - craque argentino, foda-se, que saudades do Enzo! - Markovic e Gaitan nas alas (dois craques). Rodrigo e Lima na frente, que o Tacuara fez um 2013/2014 miserável. E ai de ti se, com 20 anos, não souberes quem é o Oscar Tacuara Cardozo.

A primeira parte foi um massacre filha da mãe. Não saímos da toca, tirando nos primeiros 5 minutos. Eles sempre em cima de nós, a ganhar as bolas todas. Algumas oportunidades deles, muita tensão. Uma aflição para sairmos da área. O Luisão tira uma bola de cabeça em cima da linha mesmo em cima do intervalo. Adivinhava-se, a qualquer altura, o golo deles. Os gajos pareciam mais. E pareciam mais altos, mais fortes, mais rápidos. Mudavam a bola de flanco e nós ficávamos à rasca. O intervalo chegou como um milagre. Na segunda parte começámos melhor, mais espevitados, mais espertos a sair no contra-ataque. Até que o Enzo - que foi, de longe, o melhor jogador do campeonato 2013/2014 e que eu espero que, daqui a 20 anos, quando leres esta carta, ainda esteja ligado ao Benfica - fez duas faltas e foi para a rua. Faltavam 25 minutos e nós com 10. O teu pai já te deve ter contado: nos dias anteriores, tínhamos eliminado o Porto (se calhar agora não estás a ver porque eles estão nos distritais, mas eles eram fortes na altura) duas vezes com 10, na Taça de Portugal e na Taça da Liga. A Juve, desesperada e só a precisar de um golo, apertou o cerco. E foi aí, nesses 25 minutos finais, que apareceu o Benfica, o grande Benfica. Os rapazes fizeram das tripas coração e aguentaram. Defenderam cada palmo de terra, fizeram sprints já sem força, lutaram como heróis. O Oblak defendeu tudo (um livre do grande Pirlo, inclusive) e o Luisão fez o jogo de uma vida. Cada minuto pareciam horas e em território inimigo, mas os rapazes aguentaram-se. 

A seis minutos do fim, o médio francês, o Pogba, lesionou (sem querer) o Garay - grande central argentino era esse gajo! - e acabámos com 9. O André Almeida, um miúdo que jogava a lateral e a trinco, acabou a central. Foram seis minutos em Turim, 11 contra 9, contra a favorita Juventus que só precisava de um golo para jogar a final em casa. E os rapazes aguentaram. No fim até arranjaram maneira de meter a bola na frente e o Lima aguentou-a um minuto e tal e até sacou uma falta. A batalha foi tal que perdemos Salvio e Markovic (injustamente) para a final. Num bar em Salamanca, quando o árbitro apitou para o fim, eu e o meu pai gritámos e gritámos. Foi um apuramento histórico, um milagre, uma coisa de sangue, suor e lágrimas, provando que em futebol um 0-0 pode ser uma coisa belíssima e poética. 

Algumas horas depois, recebi a mensagem que tinhas nascido. Por meia hora não nasceste no dia do trabalhador, no mesmo dia em que o Benfica eliminou a Juventus em Turim. 
Quando leres este texto, se as instruções forem cumpridas, já terás 20 anos. Daqui a 12 dias, fará 40 anos o 3-6 em Alvalade, que eu e o teu pai já te contámos cem vezes, e 20 anos a final de Turim.

À hora que te escrevo não sei o resultado do Benfica-Sevilla (e sofro com isso), mas já sei que gosto muito de ti e que tenho muito orgulho em que tu e eu sejamos do Benfica.


14 comentários:

  1. Estimo que o miudo se torne portista !! Haja uma boa tia para o encaminhar e lhe mostrar a razão :)

    ResponderEliminar
  2. Porra Manuel, és um Vitor Paneira na escrita!

    ResponderEliminar
  3. Eu não conheço pessoalmente o autor desta carta (provavelmente um Grande Sr. Manuel), não obstante, ter o prazer de ser Amigo pessoal do D. (ou seja, o Pai desta criança). Mas uma coisa eu sei... O Autor que escreveu esta carta deixou-me a chorar pela forma como descreveu o nosso BENFICA!!!
    De Turim eu espero publicar o desfecho desta carta... Assim eu arranje bilhete para lá estar no dia 14 de Maio...

    ResponderEliminar
  4. Bolas! Até chorei. Acho que vou imprimir esta carta, para ler daqui a 20 anos, ainda em papel....

    ResponderEliminar
  5. Um dia, quero transmitir isto aos meus filhos! Muito bom!

    ResponderEliminar
  6. Fico emocionado com esta leitura, admito. Os meus parabéns ao autor da mesma. Abraço

    ResponderEliminar
  7. Manel, podias ter dito ao recém-benfiquista, que esta Juve era na altura bi-campeã de Itália e estava dois pontos de se torar tri-campeã. Só para contextualizar um pouco melhor. :)
    Abraço.

    ResponderEliminar
  8. Não conhecia, de todo, este blogue, mas devo dizer que foi um dos melhores textos - quiçá o melhor - que li, nos últimos tempos, sobre o Benfica . Muito bom mesmo, os meus parabéns e viva o Benfica!

    ResponderEliminar
  9. FANTASTICO,ENORME, SAUDAÇOES BENFIQUISTAS

    ResponderEliminar
  10. Espetacular!!! Tenho lido algumas coisas deste blog, mas este está demais! Também chorei a ler isto!!! Viva o glorioso! E que daqui a dias, o Benfica seja o vencedor da Liga Europa!

    ResponderEliminar
  11. Que lindo! Melhor é impossível!

    ResponderEliminar