sábado, 7 de junho de 2014

Mundial à Benfica

Facto chocante 1: prefiro que o Benfica tenha um bom lateral-esquerdo na próxima época a que Portugal vença 3-0 a Alemanha.

Itália-Argentina, meias-finais do campeonato do Mundo. Maradona e Caniggia de um lado, uma Itália com Baggio, Baresi, Vialli e Zenga do outro. Local? Nápoles. Na dramática decisão por grandes penalidades, reza a lenda que quando Maradona marcou o seu penalty se ouviu sotaque napolitano nos festejos do golo. Pelo vídeo de youtube, parece-me que, pelo menos, o grito é evidente.


Ninguém pode censurar os napolitanos: vítimas de todos os ataques de toda a Itália, num tratamento praticamente racista, Maradona dera-lhes a doce vingança de se vingarem de todo o norte. Maradona vencera, por exemplo, a Juventus de Platini. Podia uma selecção nacional, no campeonato do mundo disputado em sua casa, ser mais importante do que isso? Claro que não. 

Facto chocante 2: prefiro que o Mangala, Fernando e Jackson sejam vendidos e que os substitutos não estejam à altura do que Portugal passe a fase de grupos do Mundial.

Um napolitano não podia não torcer por Maradona como nenhum adepto se esquece do seu clube no Campeonato do Mundo. Eu adoro Mundiais porque sou um devoto. Comecei com o Itália 90, lembro-me com exactidão de Romário em 94 e sofri com a Argentina de 1998 (maldito sejas, Bergkamp!) e daí adiante. Mas nunca a magia do Mundial me impediu de ver o Mundial como benfiquista. Em 1994 fiquei chateado com a expulsão de Thern nas meias e quis sempre a eliminação da Bulgária de Balakov e Kostadinov. Em 98 não queria que Doriva fosse campeão do mundo por ser do Porto, em 2006 festejei mais o penalty do Simão contra a Inglaterra do que todos os outros golos. Eu, como os napolitanos, como os restantes fanáticos, não me esqueço de quem sou.

Facto chocante 3: trocava a presença de Portugal neste Mundial e nos próximos quatro se me garantissem que o Benfica teria um substituto à altura de Garay na próxima época.

Vou-vos ser sincero: já me passou a fase em que era anti-selecção só para chatear. A selecção nacional é-me indiferente. Não o digo por mal, não o digo por provocação, digo-o porque o sinto. Não sofro nem me importo com a selecção portuguesa (descobri, às 11 da manhã de hoje, que Portugal tinha jogado com o México ontem) e acho que é porque não há espaço no meu coração futebolístico para isso. Para mim, ser do Benfica veio colado à minha existência - eu não saberia viver sem o Benfica e não tenho dúvidas que não veria razão na continuação da espécie humana no planeta Terra se o Sport Lisboa e Benfica cessasse de existir. Eu nunca senti isto pela selecção e isto não é algo que se possa ensinar. 

Facto chocante 4: a decepção do Portugal-França do Euro 2000, a melhor selecção portuguesa que vi e por quem estava a torcer, não se compara à minha dor com as vergonhosas prestações do andebol do Benfica nos últimos anos.

O que eu quero que a selecção portuguesa ganhe - quando a selecção é futebolisticamente interessante e eu percebo que vai entrar para a história (2000 e 2004) é, no máximo, comparável ao que eu sofro quando vejo um grande jogo de duas equipas estrangeiras e escolho torcer por uma. Eu sei, parece estúpido, mas é verdade. Uma pessoa às vezes empresta o seu apoio a equipas com as quais nada tem a ver (torci, avidamente, pelo Alavés na final da Taça UEFA contra o Liverpool). A selecção, sem ser tão distante como o Alavés, não consegue fazer mais do que isso. Periodicamente, sobretudo no Euro 2000 e no Inglaterra-Portugal de 2004, emprestei o meu apoio à selecção portuguesa. Mas é um empréstimo, uma coisa de curta duração, sem o risco de cicatrizes emocionais.

Facto chocante 5: preferia, na ordem de 821647523178351835406787565223186423653278 vezes mais, que o Benfica ganhasse o primeiro jogo do campeonato (nem que seja contra o Belenenses, em casa) do que Portugal seja campeão do mundo.

Ser adepto é uma paixão louca, uma devoção praticante. Eu sou do Benfica todos os dias, todos os segundos, até nesta altura ridícula do ano em que o Benfica não joga. Sou do Benfica desde sempre, desde que me lembro e tenho a certeza que a minha vida vai ser isto. Não faz sentido sentir dois amores assim. Não faz sentido ter dois clubes. Não se pode ser de dois, não dá. Apoiar uma equipa não é o mesmo que apoiar uma organização não governamental com um postal no Natal, envolve um sacrifício, uma entrega emocional que certos familiares mais distantes não têm direito. Entregar esse carinho a uma selecção que joga de vez em quando é o mesmo que eu dizer que gosto tanto dos meus primos que vi duas vezes na vida do que da minha mulher. 

Facto chocante 6:  eu preferia que a camisola alternativa do Benfica fosse branca (a minha preferida) a que a prestação de Portugal no Mundial fosse considerada a melhor de sempre da selecção.

Como é que, então, eu vivo um Mundial? De duas maneiras: a primeira com sentido histórico. Quero episódios como o de Rijkaard e Voeller em 1990. Quero ironias poéticas como a bola da Inglaterra que dava o 2-2 contra a Alemanha em 2010 e que entrou claramente, mas não foi assinalada, vingando (um pouco) a injustiça de 1996. E gostava que Messi fosse campeão do Mundo para a que a minha geração, que não viu Maradona em 1986, visse a consagração de um monstro. 
A segunda maneira é a do benfiquista. As alegrias de Garay e Enzo serão as minhas e espero que Rojo, Jackson e Mangala sejam raptados numa favela manhosa de São Paulo. Se Portugal for campeão do mundo que seja com 3 golaços do Ruben Amorim, todos com assistência do André Almeida, numa vitória por 3-2 com golos na própria de William Carvalho e Bruno Alves. Ficava contente se Portugal fosse eliminado nos penalties com o Beto a ser expulso por se adiantar. Sempre que Maxi Pereira for a uma bola, estarei por ele. 

Facto chocante 7: eu preferia que o Benfica ganhasse o próximo campeonato nacional a que Portugal ganhasse, consecutivamente, todos os Mundiais e Europeus em todo o meu tempo de vida. 

Imagino um Portugal-Argentina neste Mundial. Garay avança pelo meio campo e contorna facilmente a pressão de Cristiano Ronaldo. Encosta em Enzo que acelera e passa William Carvalho com a mesma facilidade que Markovic passou por ele em Alvalade. Faz uma cueca a Moutinho e tabela com Messi, aparece isolado, senta Patrício e elimina Portugal do Campeonato do Mundo. Talvez se ouvisse sotaque português no festejo do golo. O meu, pelo menos, seria nítido. Afinal, era golo do Benfica. 

20 comentários:

  1. Nenhum destes factos é chocante. Eu sinto exactamente a mesma coisa.

    ResponderEliminar
  2. Que tristeza de texto!!!
    mas sinto-me obrigado a aceitar, quem disse que mouro é português...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por mim falo que antes mouro que da nacionalidade do clube de criminosos de contumil ou do clube de betos merdosos de alvalidl.

      Eliminar
  3. Um sentimento não se explica de modo racional;
    Hoje dei comigo a pensar: "Nunca mais joga o Benfica..."
    Está visto que há mais gente que pensa o mesmo!

    PS: Claro que vou torcer por Portugal no Mundial...mas num Portugal vs Argentina (com o Enzo e o Garay em campo) não sei...
    O mesmo se aplica num Portugal vs Uruguai.

    ResponderEliminar
  4. lol...

    Sejamos Coerentes, também temos Benfiquistas na Selecção Portuguesa, e mais, para mim Coentrão continua a ser um Benfiquista.

    Estarei sempre por Portugal, sou um patriota, mas claro está, prefiro o Benfica a vencer a Champions que Portugal o Mundial.

    Abraço

    ResponderEliminar
  5. obviamente que este texto é um brincadeira utilizando factos exageradamente engraçados. "preferia, na ordem de 82164(...) vezes mais, que o Benfica ganhasse o primeiro jogo do campeonato (nem que seja contra o Belenenses, em casa) do que Portugal seja campeão do mundo." Isto é totalmente disparatado e ao mesmo tempo hilariante. Trata-se de comédia, triste são alguns destes comentários que acreditam genuinamente naquilo e ainda concordam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ps: atenção que eu percebi que o 1º Anónimo que comentou, também estava a brincar...

      Eliminar
  6. São opiniões como estas de benfiquistas facciosos que fomentam tanto ódio contra eles.. e opiniões como "o benfica é maior que Portugal". sinceramente mete-me nojo este tipo de comentários. Entendo o raciocínio de torcer por selecções onde estão jogadores do benfica. Agora, contra Portugal? Tenham juízo. Realmente este país não merece nem metade das pessoas que cá estão.
    Ps: infelizmente este texto do autor não é nenhuma brincadeira e há mesmo gente que pensa assim.
    Ps2: essa história do Maradona/Nápoles nem sequer é minimamente comparável para justificar o que quer que seja do lado do benfica

    ResponderEliminar
  7. Olha, já somos dois xb No Mundial espero que seja o Benfica a ganhar! Como disse o RAP, sinto-me muito mais compatriota de Enzo ou Maxi que Bruno Alves ou Beto

    ResponderEliminar
  8. "Realmente este país não merece nem metade das pessoas que cá estão."

    Tens razao filho, vamos todos embora os benfiquistas e Portugal vai claramente sair da crise, subir ao topo da Europa e ser a próxima maior potencia mundial vergando tudo e todos á sua volta!

    ResponderEliminar
  9. "Facto chocante 2: prefiro que o Mangala, Fernando e Jackson sejam vendidos e que os substitutos não estejam à altura do que Portugal passe a fase de grupos do Mundial."

    Não é preciso exagerar, M. O Mangala no Porto até dá um certo jeito (não tanto como o Reyes, é certo.)

    ResponderEliminar
  10. Revejo-me completamente no texto. Como é possível um Benfiquista torcer por uma equipa que tem o Bruno Alves, o Moutinho ou o Raúl Meireles? Não dá... Adormeci no sofá a ver o Portugal - México. Ainda tive esperança no Rúben Amorim, mas quando acordei e descobri que a seleção ganhou com um golo desse ser miserável que é o Bruno Alves... foi como descobrir que o fcp ganhou um jogo qualquer no último minuto com um lance de "jeitinho", como é hábito.

    100% de acordo, o meu 11 do mundial é o de todos os que jogam no Benfica, ou já jogaram e honraram o manto sagrado.

    ResponderEliminar
  11. O grande problema de Portugual é ter esta raça de benfiquistas. Tristeza de gente que prefere torcer pela Argentina do que pelo país dos seus amigos e familiares. Torcer por um Enzo qualquer que daqui a uns meses pode estar a jogar em Valencia

    ResponderEliminar
  12. Nápoles essa cidade oprimida, tal como Lisboa... Nápoles esse clube ostracizado pelo poder e comunicação social do seu país, tal como o clube do regime...

    ResponderEliminar
  13. Concordo com tudo. Nada de factos chocantes. :D

    ResponderEliminar
  14. Sinto o mesmo, é só trocar onde diz "benfica" por " F.C. Porto".

    Cada maluco a sua mania .. lool

    ResponderEliminar