segunda-feira, 11 de agosto de 2014

2014/2015

Perdon a todos los jugadores y a el entrenador del Oporto, pero voy a escribir en portugués porque mi español no es todavia perfecto

Está quase. Vem aí. Preparados? Vai começar uma nova época e nenhum de nós consegue prever se vamos ganhar ou perder tudo, se temos treinador ou contratador de espanhóis, se há uma equipa ou apenas um plantel. É está a beleza da coisa, certo? A expectativa, a ansiedade, o incalculável. Então vamos lá, vamos a isso.

O FCPorto mudou muito em dois meses. Saíram Mangala e Fernando, só o futuro nos dirá o quanto perdemos Helton e graças a nosso senhor Pinto da Costa por agora mantemos Jackson. Afastámos todos os Licás e Josués (moços, nada contra, mas isto é outro nível) e fomos buscar Tellos e Olivers. Temos treinador. Não faço ideia se foi aposta certeira ou não, se seremos tiki-taka ou flop-flop, mas, pela primeira vez em mais de um ano que nos pareceu uma eternidade, vejo uma ideia a ser efectivamente treinada.

Uma ideia. Não era pedir muito, pois não, treinador da equipa que traja de amarelo (sem ser o alternativo do sportem, desculpem a confusão)? Enfim, adiante, que não sou de chorar sobre Fonsecas derramados. O FCPorto da pré-época pelo menos apresentou-se aos adeptos. É isto que eles querem. Bola no pé, muita calma e cabeça no sítio. Só de pensar no duplo pivot, quase que choro a escrever isto, de tão simples que é.

Mas uma ideia e um conjunto de jogadores de qualidade não fazem uma equipa vencedora. São um bom princípio, é verdade, mas não chega. Até porque estamos a falar do FCPorto. E não sei se nuestros hermanos já terão percebido o que isso significa. Nós queremos jogar bem, queremos que eles tenham sucesso e possam sonhar com grandes carreiras, mas, sobretudo e até apenas, nós queremos é ganhar. O mais rapidamente possível.

Sim, eu sei que um treinador inexperiente nestas lides e jogadores muito jovens não são o cenário ideal para as vitórias imediatas, mas, se eu escrevesse que eles têm todo o tempo do mundo para mostrar o que valem, estaria a trair o FCPorto com o qual cresci. Os nossos adversários, ainda inebriados com os títulos aos quais não estão habituados (aqui incluo os verdes, que não ganharam nada mas ostentam aquela aura de vitória simplesmente por estarem vivos), dizem que, se não ganharmos o campeonato este ano, é o fim do mundo. Tentam, desta forma, colocar-nos uma pressão enorme desde o primeiro dia.

O que eles não percebem é que têm toda a razão. No FCPorto, já ninguém anda a celebrar o penta, o duplo Mourinho e o poker de Villas Boas (o quê?? Quatro títulos na mesma época? Isso não é só do benfica??). Jardel, Deco e Falcao são passado. O golo do Kelvin parece que foi há 92 anos. É exactamente essa a pressão que nos colocamos, que nos torna tão diferentes de vocês e, em último caso, que nos faz ganhar mais. No FCPorto, não sabemos nem aceitamos perder. Nunca. Em nenhuma situação. E o ano passado perdemos. Com estrondo, aliás. Como nunca vimos. Daí esta exigência, esta vontade, esta fome.

Ninguém, a não ser os portistas, sabe o que isto é. Queremos tanto que comece, depressa, já não aguentamos mais! Neste momento, ao contrário da grande maioria dos arranques a que o meu clube me habituou nos meus 27 anos, tenho saudades de que as coisas nos corram bem. Tenho saudades de ver entrar 11 jogadores em campo com um espírito de missão em prol da minha, da nossa, felicidade. Tenho saudades de ganhar. Porque, no FCPorto, uma época só com uma Supertaça é mesmo o fim do mundo.

Que volte tudo ao normal. Já.

11 comentários:

  1. Lá estaremos. Gosto deste treinador. A ver se ele também Será Porto como nós. Muito bem, como sempre!

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito do texto. Concordo com tudo. Sobre a ideia de jogo do treinador, acho que ela é semelhante à do Villas-Boas, subir as linhas da defesa pressionando o adversário na entrada do meio campo para recuperar cedo a bola. E fazer circular a bola com segurança procurando subir no terreno coletivamente até encontrar um jogador com espaço dentro da área para marcar golo.

    ResponderEliminar
  3. Sobre o novo Porto, penso que está num caminho seguro, com 2 jogadores bons para cada posição, faltando apenas um suplente para Jackson e se possível, contratar o rapazinho holandes Clasie.

    Sobre os campeões da supertaça (pra quem vive dizendo que a supertaça não é título que se considere, muito comemoraram eles), ainda estou para descobrir como é que no início da época, os gajos correram os primeiros 90 minutos num ritmo alucinante....

    Sobre a derrota da incompetencia, nos últimos 12 anos, nas raríssimas vezes que Portugal conseguiu chegar a uma final, perdeu as 3 ( euro 2004, mundial sub-20 e europeu sub-19).
    O incompetente em 12 anos chegou a 3 finais, venceu duas (mundial 2002 com um baile nos alemães e confederações 2013 com um sonoro 3 x 0 nos espanhois), perdeu uma...e o burro sou eu...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ver Eliseu, que à pouco tempo tinha um "problema de peso" correr como correu o jogo todo...

      RBN, com Ronaldo (o verdadeiro), Rivaldo e Ronandinho... até o Paulo Fonseca se arriscava a ganhar esse Mundial!

      Perder em casa com a Grécia 2x, com Figo, Deco,Maniche, Carvalho, bla bla bla... se não é burrice, é o quê?

      Scolari tem os seus méritos, sem dúvida, como motivador, mas como "estratega", é fraco!

      Eliminar
    2. Voce está dizendo que Figo, Deco, Maniche, Carvalho eram muito piores que Ronaldo, Rivaldo e Ronaldinho?

      Voce está dizendo que com os 3 Rs qualquer paulo fonseca era campeão, mas com Figo, CR7 e cia não era??

      Aqueles jogadores portugueses de 2004 eram tão ruins assim em comparação com os 3 Rs, e que os 3 Rs sozinhos ganharam o mundial?

      Os 3 x o em cima da melhor Espanha de sempre nas confederações 2013 também foram os 3 Rs que ganharam?

      Não percebo...


      Eliminar
    3. Corremos a um ritmo alucinante, não por usar a poção do Póvoas, mas pelos adversários que escolhemos defrontar na pré-época, de alto nivel, não uma selecção dos Açõres ou um St.Ettienne.
      Chama-se trabalho, uma palavra que costumava ser usada com mais propriedade na vossa casa, mas que vos está a transformar paulatinamente em vencedores do defeso e das contratações sonantes-tipo Adrian, esse fenomenal goleador de 30 milhões e 3 golos por época.
      Quanto á Supertaça, é apenas um troféu para compor o ramalhete, disputa-se a um jogo e tem o valor que sempre teve-quase nada!
      Viva o Benfica, e que seja uma temporada marcada pelo fair play, pois se assim for ganhará o Maior!

      Eliminar
    4. RBN, Portugal de Paulo Bento deu 4 ou 5 à super Espanha... Perdeu 1-0 com golo em fora de jogo no Mundial de 2010 com a super Espanha...

      Não é o resultado de um jogo que define um treinador, é o que se passa em campo! E o que Portugal fez em campo EM 2 JOGOS não foi suficiente para ganhar, percebes? Porque apesar de bons jogadores tivemos um Seleccionador fraco!

      Eliminar
  4. Parabéns aos dois. Gosto da forma com os dois escrevem, sou adepto do FCP, mas gosto de ler os dois. São inteligentes a escrever e entendem de futebol. Não são fanáticos dos clubes que escrevem sem perceber de futebol, como muitos.

    ResponderEliminar
  5. RBN, ninguém ganha nada sozinho!

    O que eu quero dizer é que Portugal tinha qualidade mais que suficiente para ganhar à Grécia!!

    Perder um jogo acontece a qq um, perder 2, em casa com um "plantel" daqueles contra uma Grécia?

    É de fraco!

    Levar um Ricardo em vez de um Baía?
    É de BURRO!

    É que se pudéssemos dizer que tivemos azar, mas nem isso!!
    Foram 2 jogos em que Portugal não teve engenho, nem conhecimento do adversário, nem estratégia para levar de vencida uma limitada mas bem organizada Grécia!

    ResponderEliminar