quarta-feira, 24 de setembro de 2014

O sportem em 2014

Queridos filhos e netos,

Escrevo-vos do passado, mais exactamente de Setembro de 2014, para que vocês finalmente percebam por que é que os vossos pais/avós estão sempre a falar “no tal de sportem”. O desprezo com que vocês dizem isto, a maneira como ignoram o grande ódio que nos une no futebol português, é demasiado difícil de suportar para dois adeptos doentes do Porto e do benfica. Por isso, espero ajudar-vos a perceber a razão de eu e o vosso pai/avô nos rirmos tanto quando, no tradicional almoço de domingo, damos todos as mãos para rezar o “Bruno Carvalho que estais no céu”.

O sportem, em 2014, ainda era considerado um grande. Parece estúpido para vocês, eu sei. Bem, na verdade já o era um bocado nessa altura, mas fazia-nos impressão reduzir o campeonato a dois e acabava por ter a sua piada incluir os lagartos nas nossas discussões futebolísticas do dia-a-dia. Por exemplo, se o sportem não fosse considerado um grande em 2014 (como fazia sentido…), não tínhamos o Dias Ferreira, o Eduardo Barroso e o Rui Oliveira e Costa nos programas sobre futebol e, assim, não podíamos ter feito essas compilações das maiores vergonhas televisivas, que vemos sempre ao domingo à tarde todos juntos.

Em 2014, o sportem não era campeão há 12 anos. Hoje, isto para vocês até é um choque, porque quer dizer que o sportem já foi campeão, mas tentem aguentar a notícia. Sejam fortes, porque, antes de 2014, em três décadas, o sportem até foi campeão duas vezes. Chocante, certo? Mas olhem que foram tempos esquisitos no futebol português, vejam lá que até o boavista foi campeão (menos uma vez do que o sportem em 30 anos, reforçamos) e vocês sabem que o boavista andou depois muito tempo em divisões inferiores, que era o que devia ter acontecido ao sportem pelo menos em 2013 e infelizmente só veio a acontecer mais tarde.

Em defesa da nossa rivalidade com o sportem, a verdade é que eles até ganharam vários campeonatos ao longo dos tempos. Troféus internacionais, no entanto, foi mais difícil. Não é do nosso tempo, mas uma vez até ganharam uma Taça das Taças. Escusado será dizer que essa competição acabou. O melhor momento internacional do sportem de sempre está, aliás, encaixilhado na nossa sala - esse quadro enorme que vocês estão a ver é uma montagem das caras dos adeptos verdes quando o sportem falha o empate contra o CSKA e sofre o 3-1 em contra-ataque. Estamos fartos de vos dizer e a sério que a nossa repetição não é um sinal de velhice: aquele lance diz tudo do que era o sportem.

Mas o sportem teve muitos adeptos, juramos. Além de todos os “Bettencourts” e “Bernardos”, havia mesmo dois ou três “Joões” e “Silvas” que torciam pelos verdes. Na nossa família, como sabem, nunca ninguém sofreu desse mal. O vosso sangue pode ser vermelho, da parte rasca do vosso pai/avô, e azul, da parte nobre da vossa mãe/avó, mas nunca verde. Houve uma altura, quando nós lançámos o livro do nosso blog no qual vocês agora também escrevem, que as pessoas diziam muitas vezes que um dia ainda nos ia sair um filho do sportem. Tem piada imaginar como estavam tão enganadas, não tem queridos sócios nº 250273, 250274, 250275 e 250276 do FCPorto?

Bem, dizia eu que o sportem até era um clube a considerar no panorama do futebol português. No início da época 2014/2015, aliás, até se consideravam na “pole position” do ataque ao título. A sério, parem de se rir e continuem a ler até ao fim, chega de malcriadices. Nessa altura, o presidente deles era o tal das nossas rezas (Bruno Carvalho que estais nos céus, Santificado seja o vosso onze, Venha a nós o vosso sexto lugar, Sejam feitos os vossos empates, Assim em casa como fora. Os pontos nossos de cada dia nos dá o sportem. Perdoai-nos as nossas ofensas, Assim como nós perdoamos a quem nos deu o Moutinho. Não nos deixeis cair em alvalade, Mas livrai-nos do mal que é ir lá e não ganhar.) O Bruno Carvalho... Ai, bons tempos… Aliás, querido Jorge Nuno, meu filho mais velho, fica a saber que estiveste para te chamar assim, mas, como vieste na altura em que o Bruno foi parar à prisão, achámos por bem não brincar e dar-te o nome de uma pessoa decente e boa.

Mas, voltando a 2014, o Bruno estava com a pica toda. Quase não havia dia em que não viesse dizer mal do nosso FCPorto. Ninguém lhe respondia, o que tinha ainda mais piada. É que o Bruno achava não só que o sportem ainda podia bater-se com o FCPorto, como ele podia bater-se com o vosso padrinho, aquele que ainda outro dia foi jantar lá em casa e mostrou que está de perfeita saúde, o senhor Pinto da Costa. Todos juntos, agora sim: ámen.

No entanto, a vossa mãe/avó, que como sabem tem sempre razão, avisou logo na altura os outros portistas: não podíamos andar outra vez a dormir com as palavras daquele gajo para depois acabarmos a ser roubados em alvalade (alvalade era o estádio deles, onde agora é aquele cemitério que, sempre que passamos, eu e o vosso pai/avô fazemos coisas das quais não nos orgulhamos com os dedos).

Portanto, em 2014, ainda tínhamos de estar atentos ao sportem. E era bom, sabem? Sempre eram mais uns para nós, portistas e às vezes até o vosso pai/avô lampião, brincarmos. Se bem me lembro, não estávamos em Portugal quando o nosso FCPorto jogou em alvalade nessa altura. A vossa mãe/avó estava muito nervosa, como ainda hoje fica quando o sportem, da III divisão, nos calha para a Taça de Portugal. A rivalidade é assim mesmo: quero ganhar-lhes sempre, sempre. Percebem agora?

6 comentários:

  1. Tá giro, sim. É sempre engraçado gozar com o sportem e imaginá-los na 3ª divisão, ainda mais!
    Bom bom, era mudar o protagonista e em vez do sportem, ser o Benfica, não era? You wish.
    Abraço ao M.

    Mário Rui

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. num post dedicado ao spórtém, o seu comentário só revela uma coisa: trauma. mas isso cura-se, acredite.

      «saudinha» e «continuação».

      Eliminar
    2. Num comentário dirigido à autora, a sua resposta revela que lhe serviu a carapuça. Gostei.
      Saúde, pq nestas coisas a ironia é dispensável.
      Mário Rui

      Eliminar