sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Ódio de estimação

A minha mãe descobriu há pouco tempo umas recordações um tanto ou quanto embaraçosas da minha infância. Entre elas, as minhas primeiras cadernetas escolares. Lembram-se das cadernetas, verdes, que no fundo só serviam para justificar faltas ou levar recados para casa? Bem, no meu caso, parece que elas serviam para eu escrever sobre coisas que me preocupavam na escola, como o facto de uma menina de outra turma andar a bater num amigo meu. E então eu descrevo como a D., que devia ser um brutamontes para eu andar a escrever mal dela na caderneta mas nem sequer me aproximar, andava a bater na malta e ninguém fazia nada. Um escândalo. Eu já não me lembro quem era aquela D., mas, aos 10 anos, ela parecia ser a pessoa que eu mais odiava.

No futebol, além, evidentemente, dos clubes rivais, é natural crescerem grandes ódios por jogadores. Já escrevi aqui, aliás, sobre o meu ódio de estimação a João Vieira Pinto (penálti para o Jardel, só de escrever isto). Também já passei por isso com João Moutinho (um anão do sportem que era extremamente irritante, sempre a mandar-se para o chão e que não valia nada, não sei o que é feito dele há vários anos). Maxi ainda é, obviamente, um excelente candidato. Adrien está a ganhar uma força brutaaaal. Em comum, têm todos algo: são do benfica ou do sportem. Parece-me fácil concluir que este é o meu requisito principal para tal ódio.

No entanto, nos últimos anos, há um fenómeno que tem crescido no Dragão que me incomoda. Fala-se muito da descaracterização da nossa equipa, da falta de cultura portista, de mística, no fundo, mas a verdade é que nas bancadas tudo isso também é visível. Já nem vou falar da massa assobiativa, que, por mim, era corrida a pontapé e ainda ganhava a inscrição de sócio noutro clube. Hoje, preocupa-me que um adepto do FCPorto seja capaz de odiar um jogador... do FCPorto.

Voltemos, então, à fatídica eliminatória da Taça. Como é que um jogador como o Adrien, um betinho que anda ali a dar pau a tudo o que mexe e que, porra, chama-se “Adrien”, portanto percebe-se bem como simboliza aquele clube, dizia eu, como é que este Adrien não é assobiado de cada vez que ousa fazer peito a um jogador nosso, e, no entanto, o Casemiro leva com uma assobiadela monumental? Expliquem-me, que eu juro que não percebo. É isto a exigência? Não querem saber dos outros, só querem que os nossos sejam sempre os melhores do mundo e arredores? Mas então e aquilo que tanto cobramos aos rapazes, a falta de noção do que é o Porto, o não perceberem como um rival nos une contra ele, também não devia ser assim com os adeptos? Um adepto que assobia o Casemiro em vez do Adrien não está precisamente a mostrar que o Porto mudou mesmo para pior?

E o Casemiro é só a última vítima. Ele que se prepare para meses disto. De assobios, de malta que preferia o Rúben, que preferia o Marcano, que preferia o Busquets ou o Yaya Touré, que preferia ficar entalada entre duas paredes do que, por momentos, parar para pensar que ele não fez nada para merecer isto. Por exemplo, se o Casemiro no próximo jogo marcar um golo, levantar a camisola e, por baixo, tiver uma do benfica, eu sou a primeira a invadir o relvado para o lincharmos logo ali. Sim, sou a favor disso, que é para não me virem acusar de achar que um bom portista é aquele que apoia sempre, em qualquer condição. Não, não, eu sou favor de executarmos um deles como exemplo para os outros se algum dia se atreverem, sei lá, a dizer que o Porto é feio.

Merecer. Acho que é por aí. O Casemiro fez aquela anormalidade no jogo contra os lagartos e atenção que eu também me levantei e disse duas ou três frases que não me atrevo a escrever aqui, mesmo depois do meu último texto ter desbravado quase tudo o que havia a desbravar em termos de linguagem. E então? Passámos a odiá-lo, foi? Desistimos dele? Não merece mais aquela camisola? Ele é dos outros agora? Vamos assobiá-lo sempre para quê? Na terça-feira, quando ouvi aqueles assobios na substituição dele, juro que me apeteceu abraçá-lo e dizer-lhe ao ouvido: “Não ligues, eles já fizeram isto ao gajo que vai entrar agora”.

Pois é, eu lembro-me do Dragão que assobiava o Quaresma. Eu lembro-me de os SuperDragões terem de cantar por ele para disfarçar os assobios. Porque os adeptos “exigentes” não gostavam da sua maneira de jogar, porque ele era muito egoísta e não passava a bola. Tudo certo, aliás, mas era mesmo preciso andarem a fazer isso anos a um jogador do nosso clube? Que, goste-se ou não (que é o meu caso), até ajuda a equipa de vez em quando? Quase que aposto que há muitos desses tempos que agora assobiam o treinador... por não meter o Quaresma. São cabeças difíceis de perceber. Portanto, Casemiro, a única coisa que te posso pedir é paciência, porque pode ser que um dia voltes ao FCPorto e esta malta já te endeuse de tal forma que parece que se esquecem que quem ganhou na terça-feira foi a nossa equipa e não um jogador.

Danilo é outro bom exemplo do que vos falo. Era ele o anterior ódio de estimação dos portistas. Assobiadíssimo, destruído nas redes sociais, até um cântico a gozar tinha... Na terça-feira, estava a sair do trabalho e a ouvir a flash no rádio quando o Danilo falou. Fiquei de boca aberta. Disse tudo bem, tudo com sentimento, parecia um gajo da Ribeira de tanto portismo que transparecia. E ainda com críticas certeiras, com a exigência que, sim, tanto nos caracteriza. O Danilo, neste momento, é provavelmente o jogador mais à Porto que temos, o que diz muito sobre a falta de Porto no Porto, mas enfim, estamos aqui para falar de outra coisa.

E, antes dele, o Hulk. Porra, como o Hulk sofreu no Dragão! Tanto, mas tanto assobio... Um jogador que agora, mesmo exilado na Sibéria, fala sempre com amor do nosso clube e que (só de pensar nisto já estou com uma lagrimazinha no canto do olho) sai do relvado da luz a gozar com eles. Ai, Hulk, perdoa esta gente! Acho que vou acrescentar na minha caderneta que, pior do que a D. andar a bater em amigos meus, são estes “portistas” que gostam tanto de bater nos nossos.

6 comentários:

  1. Obrigado C., por mais um texto brilhantemente escrito e directo ao assunto!

    Ver a cara do Adrián e do Casemiro a serem vaiados por mais de 30 mil é muito triste.

    Espero que isto da "cultura de exigência" pouco abrangente e cirúrgica , passe bem depressa.

    Caro Miguel!

    Recebeste um reply do jornali! Parabéns! Ainda pra mais de um "portista" ein? Isso é que é ter sorte!

    Também eu concordo com o Jackson. E acho bem que o tenha dito.

    Aproveito para te dizer que estreio o meu novo blogue, "Porto Universal". Passa lá e diz-me o que achas!

    Somos Porto!

    Jorge Vassalo | Porto Universal

    ResponderEliminar
  2. Oh alminhas, iluminem-me: eu não falho um único jogo no Dragão há ANOS e nunca ouvi o cântico a gozar com o Danilo (se calhar ando a falhar nas consultas de otorrino). Podem-me esclarecer?

    ResponderEliminar
  3. Olá C.,

    Que pérolas divertidas e interessantes andei a perder até encontrar este blogue (através do novo blogue de Jorge Vassalo). Obrigada pelos sorrisos matinais!

    Mas vamos lá ver... parece-me existir aqui um padrão: o Quaresma é assobiado pelos portistas, torna-se portista de corpo e alma, e não descansa até regressar. O Hulk é assobiado pelos portistas, torna-se portista de corpo e alma -- daqueles que não celebram os golos que nos marca, mas vibra com os que marca aos rivais do FCP -- e só não regressa porque o salário actual lhe tolda o pensamento. Será que os meninos são masoquistas, e quanto mais lhes batemos mais gostam de nós; ou será que reconhecem nos assobios uma certa tendência para lhes apontar os momentos em que estiveram menos bem, ao jeito de um pai, que por mais que ame um filho, continua a ser imparcial e não lhe passa sempre a mão na cabeça?

    Não é assim, afinal, que se formam homens: ensinando-os a distinguir o certo do errado? A massa assobiativa é tão mal-amada e tão necessária como o Herrera -- na tentativa de acertar, faz coisas feias. Mas é (quase) sempre útil.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uau!

      Se descobriste o blogue da C. e do M. (então M. tas bom?) através de mim, é uma honra. Eu também tenho uma mulher benfas que até ele disse que a expulsão devia ter sido ao contrário!

      Coitado do Herrera, sempre a levar paulada!

      Saudações Portistas,

      Jorge Vassalo | Porto Universal

      Eliminar
  4. Cara C.
    Concordo plenamente e, por isso, nada a acrescentar.

    Cumprimentos

    Ana Andrade

    www.portistaacemporcento.blogspot.com

    ResponderEliminar