quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Acordaram o monstro

Foram anos muito bons. De vitórias, de humilhações aos outros, de gozo constante. Ganhar é sempre bom, mas sabe melhor quando é assim. A eles. Obviamente, não podia durar para sempre. É futebol, dizem. Escusávamos, digo eu, de lhes entregar de bandeja um ano completamente perdido.

- Um ano muito mau não apaga os anos anteriores muito bons.

Bem, é verdade...

- Aquela derrota em casa não é o fim do mundo.

Sim, sim, está bem...

- O título está ao nosso alcance, calma.

Hum, ok, ok, eu aguento...

A verdade é que não aguentava mais. Não eram tanto os pontos de distância para cima, era a distância a que estávamos do FCPorto que eu conheci. No Dragão, os assobios, os comentários maldosos, as pipocas. E os rapazes em campo a deixarem-se comer pelo apito. Não pode ser, não pode ser. Ninguém lhes diz nada? Ninguém os avisa? Eles não vêem o que está montado desde a primeira jornada deste campeonato? Sou só eu que estou maluca???

Felizmente, não. Já em Penafiel os tinha visto. Naquele batatal, numa noite gelada, a correrem, a suarem, a darem tudo. Sem esquisitices, sem os penteados da moda a atrapalhar, sem a cabeça a pensar na selfie que iam tirar no balneário. O treinador, à chuva, sempre perto deles. E eles, ainda mais encharcados do que eu, a lutar, a lutar, a lutar... Não foi bonito. Não, não foi. Nem por linhas tortas consigo defender que foi o melhor jogo da época. Mas fez-me ter esperança em algo mais do que três pontos: de que está a construir-se uma equipa. À Porto, se for possível.

O que aconteceu em Braga não nos surpreende. Sabemos o que nos espera este fim-de-semana, para o outro, para o outro ainda e até ao fim.

- Os árbitros erram para todos os lados.

Bem, há uns que se têm safado...

- Os outros jogam bem e estão muito fortes.

Sim, sim, com alguma ajuda...

- Têm que mostrar que são melhores.

Hum, ok, ok, mas também têm de nos deixar...

Ontem, mostrámos isso e muito mais. Em campo, a garra emocionou-me. Helton, desculpa todas as vezes que escrevi que um guarda-redes do FCPorto não pode sofrer um golo na luz por estar a ajudar o Maxi a levantar-se (e não pode, porra, tu sabes que não pode). Acho que, a certa altura, soltei um “amo-te”. É uma palavra forte, eu sei. Demorei mais tempo a dizê-la ao M. do que às tuas defesas de ontem. Mas algo me diz que não fui a única. Obrigada e volta, estás perdoado!

Todos, juntos, foram uns heróis. Aquilo não era para qualquer um. Quando o treinador ameaçou ir embora, eu já estava de malas feitas. Ficar, sofrer, aguentar é que foi difícil. Parabéns. E obrigada. Obrigada por me terem feito acreditar no que aí vem. Apesar de tudo, apesar de todos, eu acredito. Acredito em vocês. Acredito na bancada que ontem tanto vos apoiou. Eu sei que sou uma menina e choro com todos os filmes foleiros, mas fiquei de lágrimas nos olhos ao acompanhá-los, ao longe. Nós, no estádio ou no sofá, os que batem palmas e os que assobiam, os que gastam tanto dinheiro e abdicam de tanta coisa por um jogo e os que comem pipocas, estávamos todos lá. Todos. E temos de continuar a estar. Eles precisam de nós.

Porque ontem, quando ouvi aquele apito final, percebi. Senti. Não teve nada a ver com aquela competiçãozinha, com aquele resultado, com aquele ou o real adversário. Ontem, quando ouvi aquela bancada, soube que o FCPorto está de volta. Acordaram-nos. Obrigada por isso. Agora vão ter que levar connosco.

27 comentários:


  1. "Acordaram-nos"!?

    Apenas seguraram um resultado em inferioridade numérica. Isso também o Benfica fez no campo da Juventus há menos de um ano. Vamos esperar mais algum tempo para ver se os portistas continuam a dizer que têm um enorme orgulho no treinador e nos jogadores. Neste ano a aposta foi grande e é possível que não ganhem nada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. És um burrado... já chega de colinho!
      Vocês nem com 11 conseguiram lá ganhar e choraram não sei quantas agressões. Volta para o buraco

      Eliminar
    2. com 14 contra 11 nem um empate sacam ao Braga lool só se enterram...

      Eliminar
    3. "Apenas seguraram o resultado" , qd no texto se fala do não ser Porto é isso mesmo , pessoas que se intitulam adeptos e em x de apoiar estão sempre à espera do deslize .
      E caso n tenha reparado o FCP ontem jogou mais de meia parte com menos 2 jogadores , n me recordo desse episódio que diz ser semelhante ao do SLB .
      Se vc fosse mesmo Portista perceberia perfeitamente o que o texto diz . Eu aqui nos Açores a ver pela tv , pq n tenho outra hipotese , arrepiei-me com a claque e com a atitude de todos ontem . Até Lopetegui falou pela 1a x como se fosse portista há anos .
      Deixem de procurar o mal do que gostam e apoiem em x de assobiar !

      Grande Texto btw .

      Força Grande Porto <3

      Eliminar
  2. Mas que texto! Eu não diria melhor! Até me arrepiei. Somos Porto!

    ResponderEliminar
  3. Bravo! Subscrevo tudo, até à mais ínfima vírgula!

    ResponderEliminar
  4. Fantástica descrição, senti o mesmo. Acredito mesmo que vamos ganhar novamente este ano e vamos longe na Champions, temos uma equipa à Porto! O colinho dos outros não pode durar uma época toda à descarada. E melhor que isso, estamos a construir uma equipa jovem para os próximos 5 anos. Força PORTO!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O "colinho" que referem várias vezes, é aquele de Penafiel, certo?

      https://i.imgur.com/Ek8Cwgn.jpg

      Eliminar
    2. Deves de ter chumbado a geometria, só pode... ah e talvez no exame do oftamologista também

      Eliminar
  5. "...e não pode, porra, tu sabes que não pode)." - porra?? isso é o quê? é CARAGO ou c******, agora ...porra? :\ o que é isso???? somos ETERNAMENTE PORTO.

    ResponderEliminar
  6. Vamos torcer para que o benfica perca 4 pontos antes de o FCP voltar a jogar com eles. Pode até ser o Sportem a tirar-lhes 3.

    ResponderEliminar
  7. Como sempre, Alma de Portista a fluir pelos dedos da C.!

    Parabéns e viva o Porto!

    Jorge Vassalo | Porto Universal

    ResponderEliminar
  8. " Agora vão ter que levar connosco. " ...

    Carago, não me digas que o Povoaramix descobriu uma nova poção mágica ...
    Até o corrupto gágá estava cheio de pica, e a dizer para os seus botões... Naundinha querida ... é hooooje carago ! ! !
    Desculpa C, mas tinhas que levar com esta !

    ResponderEliminar

  9. parabéns por mais uma brilhante prosa de uma portista indefectível para portistas dos quatro costados ;-)

    abr@ço
    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar
  10. Conclusão.Faltava aquilo que os adversários sempre criticaram no Porto. Um motivo para guerrear. Guerra, guerra e mais guerra. Sempre foi o Porto. Sim, o Porto é isto. A busca da força em palavras e actos de guerra.

    Concordo a 100%. Acordaram o Porto.

    Não invejo.

    Um grande abraço.

    ResponderEliminar

  11. Este jogo foi uma encenação para desviarem a atenção dos 3 golos irregulares marcados em Penafiel e para tentarem influenciar os deuses da arbitragem para o resto do campeonato. O Braga (presidido por um portista ferrenho) entregou logo de início a taça da liga ao Porto para se concentrar na Taça de Portugal (o Porto não vai querer que o Sporting ganhe a Taça de Portugal).

    Depois de um jogo em Penafiel onde marcam 3 golos em fora de jogo, era preciso uma encenação em Braga para juntar as hostes e para continuarem a cavalgar a teoria de que são prejudicados pelos árbitros. Mesmo uma derrota em Braga não impediria o Porto de seguir em frente nesta taça da liga. Portanto, um jogo quase a feijões era o cenário ideal para um drama exaltante. São estratégias conhecidas da casa. E foi eficaz pois os adeptos do Porto até receberam os jogadores como heróis. O problema é que o treinador é fraquinho e o Ferrari foi mal montado e vai deixando cair peças pelo caminho. Quando caírem mais peças os adeptos não vão gostar.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. «dos 3 golos irregulares marcados em Penafiel e para tentarem influenciar os deuses da arbitragem para o resto do campeonato»

      «deixa-me rir / essa estória não é tua»
      (Jorge Palma)

      essa vossa «gloriosa» mania de se armarem em novos göebbels... repetem mentiras até à exaustão, na esperança (vã) de que se tornem verdades insofismáveis...

      o nosso Passado recente não vos ensinou mesmo nada, pois não?... pois é claro que não... e o "andor" desta época só existe nos delírios de qualquer portista que se preze...

      Miguel | Tomo II

      Eliminar
    2. «Os árbitros já nem ligam a isso. Estar sempre a falar de árbitros é ridículo e estúpido e como há muitos estúpidos vai continuar-se a falar».

      PdaCosta dixit

      Pois ...pela boca morre o peixe !

      Eliminar
  12. Meus senhores, admiro todos os que se acham com capacidade para avaliar um fora de jogo através de uma câmara que transmite imagem obliqua relativamente à linha final! Sim senhora

    E a mim, a quem o dom da palavra não foi atribuido nem por sombras, mas que a alma espera, desespera, absorve, vive, revive, sonha e transpira todos os momentos proporcionados pela grande família que é o Porto, o coração diz que este texto explica tudo o que senti menos aquilo que ninguém conseguirá passar para o papel, que é o amor que sente por este grande clube!
    Parabéns pelo texto!
    E para os que morrem de dor de coto porque os seus ex.mos clubes não fazem metade do que o Porto já fez e continua a fazer: Vão fazer o favor de irem sozinhos ou vai ser preciso mandar-vos?

    Beijinhos e Abraços

    ResponderEliminar
  13. @ anónimo das 18h53m, de 23/01

    aferir que o meu comentário inicial resume-se a questões de arbitragem é tão limitado quanto a percepção que dele não conseguiu descortinar.

    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar
  14. " e o "andor" desta época só existe nos delírios de qualquer portista que se preze..."

    Estamos a falar de cozinha molecular, ou de uma mixórdia de temáticas ?

    ResponderEliminar
    Respostas


    1. esteja à-vontade para citar-me, mas não distorça as minhas palavras:

      «o nosso Passado recente não vos ensinou mesmo nada, pois não?... pois é claro que não... e o "andor" desta época só existe nos delírios de qualquer portista que se preze...»

      a ironia está presente no período anterior à parte em que me cita.
      e estamos a falar de situações estilo:
      «Ouça lá, eu, neste momento, é tudo para nos roubar! Ó pá, mas é evidente! Mas isso é demasiado evidente, carago! Ó Major, eu não quero nem me tenho chateado com isto, porque eu estou a fazer isto por outro lado»...

      este é que foi um «cozinhado molecular», numa «mixórdia de temáticas» que não envolve o Nosso Grande Presidente.

      Miguel | Tomo II

      Eliminar
  15. Agora apetece comentar, então não tinham já acordado o monstro?

    ResponderEliminar
  16. Acordaram o monstro?! A sério? É que a avaliar pelo bailinho da Madeira de ontem não se nota nada... E agora? É melhor arranjar um despertador para acordar o bicho, ou talvez não!

    ResponderEliminar