sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Desculpa, Porto. Sou mãe

Olá a todos! Lembram-se de mim? C., mulher, jornalista, grande apreciadora de futebol em geral e do FCPorto em particular, adepta de estádio, mal casada em termos clubísticos (mas a coisa até acabou por dar jeito para termos um blog porreiro sobre um casal que se ama muito mas que odeia o clube do outro). Ora, essa pessoa desapareceu. Uma má notícia para quem vinha aqui parar quando procurava no Google "reacção furiosa e irracional a uma derrota do FCPorto", mas uma boa notícia para quem só precisa dos textos do M. para não se sentir o adepto mais pessimista do mundo.

Sinceramente, já nem me lembro bem do que era ser essa pessoa. Olhando para trás, noto claramente que tinha tempo a mais. Tempo para escrever, claro, mas sobretudo para pensar nas patetices que aqui fui desabafando ao longo dos anos. Não me entendam mal: tenho um grande carinho por este blog, que é também um bocadinho a história da minha relação com o M., e permitam-me até ter um grande orgulho pelo que conseguimos criar aqui. É muito bom saber que, mesmo quase sem lhe dedicar tempo algum, continuamos a ter os nossos fiéis seguidores, e muito obrigada por isso.

O problema é que a minha vida mudou. Tanto. Muito mais do que estava à espera. Tive um filho. Porra, um filho! Um ser humano delicioso, que preenche os meus dias por completo há sete meses. Não me deixa dormir, houve dias que nem comer, leva-me além da exaustão, mas é o meu filho e é perfeito. Seria, claro, um enorme exagero dizer que não tive tempo para vir escrever um texto nos últimos sete meses, mas o que se passa é que, pela primeira vez na vida, senti que não tinha nada para dizer. Na verdade, tive até receio de vir aqui analisar a profundidade táctica do novo 4x4x2 do FCPorto e acabar a falar-vos de tácticas para melhorar o cocó de um bebé (tema que traria certamente mais visitantes ao blog, mas nós não temos essa ambição, podem estar descansados).

Ora, também não deixei de ter tempo para ver futebol ou acompanhar o dia-a-dia do meu clube. Quem nunca adormeceu um bebé ao colo enquanto se grita um golo internamente ou leu o Dragões Diário enquanto amamenta, enfim, coisas normais. Estive foi muito tempo sem ir a um estádio (primeiro devido a uma gravidez de risco, depois porque aquele ser humano delicioso de que vos falei acima exigia, até há bem pouco tempo, uma parte do meu corpo quase de hora a hora), mas até isso já recuperei, felizmente. Resumindo, o que se passa é que - e até me custa escrever isto - o FCPorto deixou de ser a minha prioridade.

Olhando para a antiga C., ela tinha uma vida incrível: trabalhava muito, tinha muitos planos com o marido, a família e os amigos, via séries, lia livros, viajava e ainda tinha tempo para, durante tudo isto, pensar muito no FCPorto. Não era só o acto de pensar, era mesmo a preocupação de fazê-lo, acreditando que essa introspecção tinha, de facto, alguma influência no bem-estar do meu clube. Ou seja, o que sinto que mudou na minha vida, de um momento para o outro, é que há um pequeno ser humano que depende realmente de mim e que, portanto, a escolha óbvia foi pedir ao FCPorto para se aguentar sozinho enquanto lhe ensino o básico em termos de sobrevivência.

Se formos bem a ver os últimos sete meses do FCPorto, parece-me que às tantas ainda precisa mais de mim do que um bebé, mas agora não há nada a fazer porque já me apeguei ao miúdo mais ainda do que ao André Silva (só para quem não é mãe ou pai perceber o quanto é que gostamos dos putos!). E não é que não esteja preocupada, é só que já não consigo, por exemplo, dormir mal quando perdemos. Porque durmo mal sempre, percebem? Não é uma derrota que altera a minha vida. Agora se me dissessem assim: C., se o FCPorto ganhar ao benfica para a semana, vais dormir mais de três horas seguidas descansadinha. Garanto-vos que me iam ver na primeira fila, feita louca, aos gritos, desesperada para ir lá para dentro tentar ajudar os nossos rapazes a ganhar (pensando bem, esta imagem já aconteceu tantas vezes que não seria propriamente novidade, mas vocês perceberam o suposto exagero).


Portanto, o que vos queria dizer é que sou mãe. E que o pontapé para a frente que a minha equipa adoptou como táctica para voltarmos a ser campeões me chateia, mas também não me tira o sono (literalmente). E que estou farta do "Somos Porto" como encobrimento de toda uma estratégia que está a falhar há já vários anos, mas também não posso fazer nada além de esperar que um dia o meu filho ainda possa ver o que era realmente o FCPorto que eu conheci. E que vou tentar voltar aqui mais vezes, escrever mais patetices, mas não prometo não acabar sempre a falar de cocó.

Sem comentários:

Enviar um comentário