quarta-feira, 26 de julho de 2017

O meu problema com Aboubakar

Não sei se por necessidade, não sei se por estratégia, não sei se por ambas de igual forma, o FC Porto de 2017/2018 não irá contratar muitos jogadores. E, porque falamos de uma equipa que não ganha há quatro anos, isso deixa-nos nervosos. Estamos no fim de julho e era suposto estarmos entusiasmados com o avançado goleador que chegou ou o novo extremo que faz muitas fintas nos treinos. Ainda por cima, olhamos para o lado e vemos muitas contratações, umas até sonantes, outras ameaçadoras, muitas só para emprestar jogadores e amealhar amigos.

E nós, nada. Um guarda-redes não sei bem porquê, talvez um médio e oremos, oremos muito, um avançado. Correndo o (pouco) risco de ainda vir aí um mês cheio de novidades, acho que já podemos constatar que o FCPorto de 2017/2018 vai ter mais reforços do que contratações. E, porque falamos de uma equipa que poucos jogadores tem potenciado nos últimos anos, isso deixa-nos nervosos. Temos laterais que cheguem, médios ofensivos de certas características também, mas esperamos que Danilo jogue todos os minutos de todos os jogos. E decidimos recuperar muitos. Os centrais suplentes são dos tais que não mostraram muito na primeira oportunidade e vamos acreditar que melhoraram. Os extremos são os mesmos e vamos acreditar que chegam. Há regressos desejados - Ricardo Pereira -, há regressos obrigados - Marega -, há regressos misteriosos - Sérgio Oliveira. Há de tudo e vamos ver o que acontece.

Ora, seja por necessidade, por estratégia, ou por ambas, isto resumidamente até me parece inteligente. Claro que preferia estar a ir buscar o avançado goleador ou o central revelação que daqui a um ano ou dois seria vendido por 40 milhões, mas também já estava na hora de se parar de contratar dezenas de flops por muitos euros. Não me oponho a regressos, desde que haja algum fundamento. Ou seja, desde que o treinador acredite sinceramente que pode melhorar aquele jogador e que, para o que quer da equipa, faz mesmo falta aquilo que ele lhe pode dar. Só que são tantos estes regressos que eu desconfio que o treinador não teve assim tanto por onde escolher. Mas pronto, uma coisa é certa: não vamos cometer muitos erros no mercado este ano.


O meu problema é lá à frente. Do que temos visto até agora, o treinador parece preferir jogar com dois avançados, com dois alas e ainda Óliver, o que significa que o FC Porto de 2017/2018 vai querer atacar muito, rematar muito, marcar muitos golos. O que vi atentamente nos primeiros 45 minutos de Guimarães foi muito do que já vi - preparem-se - com Jorge Jesus no benfica. Equipa lançada para a frente, velocidade, passes rápidos, remates de todo o lado. Uma tentativa de rolo compressor. Correndo o risco de isto ainda mudar muito, parece mais ou menos certo que esta equipa não vai empatar muitas vezes a 0, como na época passada. E eu não tenho grandes problemas com isso, se houver plantel para tal.

Acreditando que o pouco bom trabalho de Nuno Espírito Santo se mantém (a solidez defensiva) e colocando em Danilo todas as nossas esperanças de travar o meio-campo adversário, um ataque que signifique muitos golos é meio caminho andado para conseguir o título. O campeonato faz-se de muitos pontinhos ganhos quando não se joga nada, mas se marca aquele golito fulcral. E faz-se sobretudo contra equipas que só querem defender contra nós, por isso nada melhor do que dar-lhes o que querem e marcar logo um ou dois golos nos primeiros 20 ou 30 minutos para acabar com a questão. Vamos a isso, então, não é estratégia que em princípio me encante, mas ao fim de quatro anos sem ganhar juro que já nem sou esquisita!

Bem, Óliver para mim é indiscutível, Brahimi, por muito que me custe, é decisivo e, não havendo melhor, sou capaz de conviver com Otávio e Corona. André André poderá dar uma ajuda quando for preciso ganhar músculo, Herrera, por muito que me custe, poderá dar uma ajuda quando for preciso... entrar Herrera e João Teixeira não é horrível com os pés. Marega e Hernâni não sei o que dizer, é esperar. E, depois, os rapazes dos golos.

Sérgio Conceição manteve Soares e eu gosto daquele Soares combativo, que mete o corpo à frente dos outros, que até sabe ganhar aquela falta essencial, que discute com o bruto do central que já arrumou um morcão de um André Silva qualquer com dois toques na canela, que marca golos. Soares não é um poço de talento, não nasceu com pés fora do normal, nem é especialmente atraente a jogar. Não consigo, aliás, destacar-lhe uma característica física ou mental acima da média. Só que, no conjunto, Soares é um bom avançado e garante-nos golos. E eu não tenho nenhum problema com isso. O ano passado assustei-me quando as defesas contrárias pareceram começar a acertar na sua marcação e os golos diminuíram, mas quero acreditar que faltou treinador nesses momentos. Portanto, Soares, fixe. Siga.

André Silva saiu por um óptimo preço e era preciso arranjar alguém que completasse Soares. Aliás, que melhorasse Soares. Porque Soares, lá está, é bom, mas não pode ser a principal esperança de um FC Porto que quer, tem de, ser campeão. Vamos só fazer um exercício horrível de olhar para o lado: Bas Dost, Doumbia, Jonas, Mitroglou, Jimenez, um "Ic" qualquer que já marca... Assusta um bocado, certo? Não vamos lá com Depoitres, pois não?

E foi então que, ou por necessidade, ou por estratégia, ou por sabe-se lá o quê, decidimos recuperar Aboubakar. E é aqui que quase perco as palavras, confesso. Vou já quebrar o gelo: eu detesto o Aboubakar. Desculpem, não há outra maneira de dizê-lo. Uma coisa é uma pessoa fazer piadas com a falta de jeito de um Depoitre ou com as mil e uma asneiras de um Herrera, e a verdade é que parte de mim fica triste por eles, são jogadores do FC Porto e eu tenho uma queda natural para adoptá-los como membros da família e desejar-lhes sempre o melhor na vida... Outra coisa é ter de levar outra vez com o Aboubakar.

Sim, já sei. O Aboubakar tem tantas características de um bom jogador! Tem técnica, tem força, é rápido, sabe rematar, sabe passar, desmarca-se, marca golos! Uau! Eu sei disso! Eu já vi isso! O Aboubakar é o contrário do Soares: tem todos os pontinhos isolados, só lhe falta o conjunto. A sério, admitam lá: o Aboubakar é um bom avançado? Para o FCPorto? Desde quando? Não me digam que ele foi para a Turquia (foi para a Turquia? Ou Sibéria? Sei lá, foi merecido) e se transformou! O Aboubakar terá passado a ser um ponta-de-lança aniquilador e eu é que não reparei?

E não, não falo de marcar 40 golos por época tipo Jardel. O meu problema com o Aboubakar é outro. Já vamos em quatro anos sem ganhar e eu já não posso ver à frente meninos ingénuos que acreditam no Pai Natal azul e em unicórnios a apitar jogos. São quatro anos de muita malta que passou por aqui a dar uns toques, como se aquela camisola não valesse nada, como se cada golo, ou cada ponto, ou cada penálti roubado não fizesse sentir nada. É muito tempo a ver braços caídos, caras de derrota, olhos perdidos. Já não posso mais.

E sim, já sei que o treinador acredita nele, mas aos 25 anos já se devia ter mostrado o suficiente para não se ter de "acreditar", mas sim saber. E claro, que bom o treinador tê-lo convencido a ficar. CONVENCIDO! A FICAR! PORQUE É PRECISO CONVENCER UM JOGADOR MEDIANO QUE ANDA POR AÍ NUMA TURQUIA OU SIBÉRIA QUALQUER A QUERER FICAR NO FUTEBOL CLUBE DO PORTO! NO FUTEBOL CLUBE DO PORTO! NO MEU CLUBE, QUE TANTAS ALEGRIAS ME DEU E QUE TANTOS JOGADORES E EX-JOGADORES TEM ESPALHADOS PELO MUNDO A FALAR DE NÓS COMO O MELHOR CLUBE DO MUNDO! É NESSE CLUBE, NESSE ENORME CLUBE, NESSE CLUBE QUE ME FAZ PENSAR EM TODAS ESTAS COISAS QUE NÃO DEVIAM SER ASSIM TÃO IMPORTANTES NA MINHA VIDA, COMO SE O RICARDO PEREIRA DEVE OU NÃO SER ADAPTADO MAIS À FRENTE NO CAMPO, É NESSE CLUBE QUE O ABOUBAKAR TEM DE SER CONVENCIDO A FICAR! OH, POBRE ABOUBAKAR! PODIA ESTAR NESTA ALTURA NUM GRANDE CLUBE DA TURQUIA OU DA SIBÉRIA OU O C#/&!%# E ESTÁ NO FUTEBOL CLUBE DO PORTO! AINDA BEM QUE O CONVENCERAM A FICAR!

O Aboubakar, não sei se fui suficientemente clara, mas tem de mostrar muito para me convencer. Neste momento, ainda acredito que, se ele sofresse este penálti, ia levantar-se, abraçar o Lindelof, pedir-lhe desculpa por ter tentado passar por ele tão rápido e recordar-lhe todos aqueles bons tempos em que ele jogava no benfica, um grande clube de Portugal que o Aboubakar iria dizer que respeita muito e que obviamente que tinha merecido ser campeão quatro anos consecutivos, porque aquilo dos árbitros, continuaria ele a dizer, era um grande exagero e, afinal de contas, os erros também fazem parte do jogo.


Não dá, não me peçam para esquecer tudo o que já passei com este rapaz e agora acreditar, de repente, que ele vai tornar-se numa máquina de marcar golos que beija o símbolo do FC Porto e põe os adversários a tremer. Mas garanto-vos: se o Aboubakar fizer uma grande época, se marcar muitos golos, se formos campeões, se ele se atirar para o chão e sacar um penálti no Estádio da Luz e ainda conseguir que o vídeo-árbitro diga não só ao árbitro principal (o Manuel Mota) que o central do benfica tem de ser expulso, mas também, e passo a citar, "ACABOU-SE O COLINHO, QUEM MANDA AQUI É O FUTEBOL CLUBE DO PORTO!", então aí, prometo, venho aqui escrever um texto a pedir-lhe desculpa. Ou então a reclamar os louros de ter feito os adversários acreditarem que não tinham com que se preocupar. Logo veremos. 

Agora, por favor, não lhe mostrem isto. Vamos todos, por esses estádios fora, fazer de conta que isto não se passou. Vamos todos acreditar! 

2 comentários:

  1. Desprezar Aboubakar que garante 12/15 golos época e achar imprescindível Oliver que em 37 jogos faz 3 assistências é de gente de coragem.

    ResponderEliminar
  2. Qual é a parte do FCP não poder contratar ninguém que vocês não percebem?!
    Contratar alguém refiro-me a dar alguns milhõezitos e não uns patacos como pelo Vaná...

    ResponderEliminar